You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

24/05/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home

Editorial

Faucibus eget ut et habitasse tristique Nulla hac augue Sed Vestibulum. Semper libero semper vitae sed Quisque orci turpis dis tincidunt nulla. Semper Nulla nibh sociis convallis leo vel sagittis turpis Curabitur justo.

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo possa ser alcançado.

A proposta, de autoria do deputado federal Rogério Peninha (MDB-PR), foi apresentada durante a XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, ocorrida de 8 a 11 de abril de 2019. Naquele ato, com a participação de ao menos nove mil prefeitos, colocou-se como sendo de grande viabilidade econômica ao País a prorrogação do mandato de prefeitos e vereadores, unificando, dessa forma, as eleições, que passaria a ser geral no ano de 2.022, de vereador a presidente da República.

O vislumbre desse contexto, conforme o texto original apresentado por Peninha na Câmara, através da PEC onde se acrescenta um artigo ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, que trata das posses de mandatos eleitos. A partir da possível aprovação da citada PEC, seria colocado o fim dos mandatos atuais de prefeito e vereador somente no dia 1º de janeiro de 2023.

Desde então, estabeleceu-se, na visão da classe política interessada, que a proposta seja relativamente positiva em termos financeiros e políticos para o país, uma vez que se busca a unificação de todos os pleitos eleitorais em um só ano, reduzindo gastos e interrupções em trâmites legislativos e executivos.

Mas há muita gente entre a classe eleitora que vê a iniciativa com uma certa dose de desconfiança em função do fato de se saber que há muitos interesses dos atuais detentores de mandatos camuflados nessa economicidade propalada.

De certa forma, o momento é altamente propício para que a PEC seja colocada, quando há planos do Governo Federal em rearrumar as finanças da União a partir da reforma da Previdência, que vem sendo levada à efeito, ainda que contra má vontade de muitos dos parlamentares na esfera federal, dados ao “jeitinho” de apoiar matéria se utilizando do conhecido “toma-lá-dá-cá”.

Tudo depende dos municípios, que é onde o País realmente tem meio e no fim quem goza da maior fatia do bolo é mesmo o Governo Federal. Se a população nos meios municipais entender que há praticidade e há economia na prorrogação de mandato de vereadores e prefeitos, é certo que da desconfiança se passará a crença de que o momento é de ajudar a construir pontes e não de interromper caminhos.

O Governo Federal apesar de ter um presidente midiático, ainda não goza da confiança total, mas quando o assunto é melhorar a vida de todos, com os interesses voltados para menos impostos, mais emprego e geração de renda por conseqüência, nesse vácuo entra a PEC que trata da prorrogação de mandatos.

A população precisa ser mais e melhor informada em números do quanto vai se economizar mantendo-se prefeitos e vereadores no cargo até 2.022. No caso específico de Nobres, se isso vier a ocorrer, será bom para todos na medida em que se faz uma avaliação positiva da atual gestão do Executivo.

Os próprios vereadores reconhecem que quando o prefeito vai mal, todo o resto perece, espraiando-se para o Legislativo os erros administrativos do Executivo municipal. Esse não seria o caso de Nobres, onde uma pesquisa poderia contribuir sobremaneira para avaliação da contextualização da matéria em pré-análise. Mas é possível prever que quando o assunto é economicidade, a população é sempre favorável, em que pese não se ter uma avaliação de 100% positiva sobre o papel desempenhado por cada vereador.

Oportunismo ou vislumbre econômico, o que é bom para o Brasil, será bom para Nobres, seguramente. E que cada um cumpra o seu dever político e administrativo daqui até lá, a partir do mandato prorrogado até 2.022, com transmissão do cargo em janeiro de 2.023.

 

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo po

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo po

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo po

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo po

  • «
  •  Start 
  •  Prev 
  •  1 
  •  2 
  •  3 
  •  4 
  •  5 
  •  6 
  •  7 
  •  8 
  •  9 
  •  10 
  •  Next 
  •  End 
  • »
Page 1 of 29

Trincheira LV

Palpite Aí? Acusado de vender sentença, o juiz de MT, Evandro Stábile, além da tornozeleira eletrônica, está proibido de frequentar qualquer ZBM, boteco ou arriscar jogar uma caixeta, pif-paf ou truco. Nem arriscar fazer uma fezinha no Leão ele está podendo, dar palpites para o milhar, menos

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo possa ser alcançado. A proposta, de autoria do deput
Banner
Banner
Banner
Banner