You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

14/11/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Trincheira Trincheira LVI

Trincheira LVI

E-mail Print PDF

Sem Rumo

Tem gente dando pulos por conta do mais absoluto repensamento de objetivos. Não sabe se vai ou se fica, mas a verdade é que a Lei Eleitoral mexe com muita coisa na política paroquial e alguns partidos serão meramente figurantes nas próximas eleições municipais. Se não houver uma reavaliação de conceitos, corre que lá vem o trem... saia do túnel. A reeleição pode ficar mais difícil para alguns dos atuais vereadores e alguns partidos que estiveram na moda até agora podem ficar sem representatividade.

- Não é prova do Enem, mas é hora de fazer cálculos matemáticos.

Sonhadores

E ainda assim, tem gente comendo corimba e arrotando salmão, acreditando que pode conquistar uma cadeira no Legislativo com piadinhas de português, pregando idéias absurdas por conta do mais absoluto desconhecimento do que seja orçamento público. É uma gente sem noção que deseja entrar para o mundo da política com conversa mole e promessas mil. Conhecendo Nobres como conhecemos e Cuiabá, idem... vemos por exemplo um vereador Abílio querendo fazer diferente e acabou sendo tratado de “perebento”, acumulando desgaste por conta de uma “guerra” contra a maioria dominante.

- Sonhar não é proibido, mas isso deve ser com coerência.

Palpiteiros

Gestão pública e legislação se fazem com razão e não com emoção. É como lançar mão de orçamentos públicos definidos em lei por conta de um pseudo legislador, piegas, que viu uma situação em desacordo com a sua percepção social. Instale o município os equipamentos e contrate os profissionais que irão trabalhar no pseudo Centro de Hemodiálise criado durante os devaneios de um virtual candidato. Entre estes profissionais ao menos um médico nefrologista, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Depois disso tudo, as instalações, a água especial e devidamente limpa e a proximidade com um hospital ou dentro deste por conta dos riscos que um paciente corre na máquina. Procure um especialista em nefrologia que queira vir para Nobres e procure um empresário que queira instalar aqui só duas máquinas para hemodiálise. Uma máquina e vinte têm o mesmo custo.

- Ah! Faça isso para atender os devaneios do seu fulano que diz que “podemos”.

Cenário Nacional

Dados de 2018 apontam que no país são cerca de 100 mil doentes renais crônicos que precisam de tratamento de Terapia Renal Substitutiva, sendo 85% deles assistidos exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos principais fatores de risco para doença renal crônica é a diabetes e a hipertensão, ambas cuidadas na Atenção Básica, em uma das 41.688 Unidades Básicas de Saúde. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 6,2% da população adulta tem diabetes e 24% hipertensão. Para atender a demanda, entre 2010 e 2017 houve aumento de 45% nos serviços de média e alta complexidade habilitados para tratar doentes renais crônicos, passando de 488 para 707. Nos últimos dois anos (2016/2017) foram habilitados 19 estabelecimentos em todo o País.

- Os dados são do Ministério da Saúde com base na década em que estamos.

Cenário Nacional II

Os números de atendimentos e valores investidos no tratamento de Terapia Renal Substitutiva também são crescentes ano a ano. Entre 2010 e 2016, o aumento na rede assistencial foi de 26%, passando de 11,3 milhões de procedimentos para 14,2 milhões. Ano passado, com dados ainda preliminares (até setembro), foram registrados 10,9 milhões de procedimentos dialíticos. Em relação aos valores, o crescimento foi de 55%, passando de R$ 1,8 bilhão em 2010 para quase R$ 2,8 bilhões em 2016. Em 2016, com informações ainda preliminares (até setembro), divulgadas em 2017, foram investidos R$ 2,3 bilhões no contexto desse tipo de tratamento em nível de Brasil, conforme o Ministério da Saúde. Aí vem os expert’s em lavar cachorro sem sabão, amarrar “pingo” de chuva e metido a cabo eleitoral profissional, dar pitaco em coisa que desconhece.

- Comecem a levar a política como sendo coisa séria, estudem sobre orçamento público e depois apanhem centenas de volantes de loterias diversas, dêem ali os seus palpites e esperem sentados.

Virtual Candidato

No Facebook, segundo a opinião de um pretenso candidato proporcional, os vereadores costumam “fingir” que fiscalizam o Executivo. Pretender ser candidato se utilizando de críticas aos atuais vereadores, já é meio caminho andado... em marcha ré. Primeiro porque o eleitor não quer saber de ontem e se quiser saber, vai à fonte. E quando os virtuais candidatos são de um mesmo partido e já começam com deslindes absurdos sem saber como se apresentará o cenário político local em 2.020? E de mais a mais... ou a menos, só com lorotinhas e filosofia de botequim. Amanhã, vão estar na mesma mesa, cada qual com a sua ideologia... sem causa e nem efeito. Citar Pitágoras, Aristóteles, Confúcio ou Maquiavel tem o mesmo peso que falar do seu “Zé Mané” e sua sabedoria popular.

- Quando era criança lá em Barbacena, seu Álvaro, nosso vizinho, dizia: “Para japonês, qualquer febre é amarela”.

Filósofos e Articulistas

De uns dias para cá, aqui em Nobres, por qualquer que seja o tema, eis que surge um articulista político para filosofar em nome de Álvaro Dias. É um craque da política, mas nunca veio em Nobres. Muitos só o conhecem pela tevê, com aquela voz de locutor de rádio AM. Esse negócio de nós “podemos”, vai ser preciso combinar com o eleitor tradicionalista de Nobres, que não costuma atirar no que não viu esperando acertar no que viu. Outra, só o nome de um famoso não influencia em nada. Tem muita gente que já foi candidato e se dizia amigo do Pelé, mas não foi eleito.

- De bôbo nós só tem a cara...

Filósofos e Articulistas II

Dia desses, só por conta de uma comparação com a senadora Selma, o senador Jayme Campos não deixou por menos e deu uma “sapatada” num desses “news filósofos”. Vai que aconteça uma briga, por aí, e alguém resolva chamar o Álvaro para separar, se não demorar dias pra ele chegar, dá pra esperar... ou espera sem dar? Se aparecer um grandão pra te bater, diz aí, “vou chamar meu irmão, ele é o Álvaro...”. Há dias que apanhou. É xômano, o Jayme, da Vegê, nos veio com uma filosofia de botequim: “Aqui não tem maria vai com as outras...”.

- Como diria Romário: “Mantenha-se calado e serás confundido com um poeta”.

Filósofos e Articulistas III

No Facebook é que a gente aprende a lavar cachorro sem sabão. Tem gente que sugere uma réplica do Taj Mahal para Nobres e logo aparece um avalista, assinando embaixo. Em 2012, deram um tombo homérico nos servidores públicos municipal de Nobres e na população como um todo. As empresas que eram fornecedoras do município tinham seus saldos “saqueados” e mandavam falsificar carimbos para validar a picaretagem. Uma empresa que prestava serviços de ar condicionado teve o nome envolvido nas transferências de valores, dos verdadeiros fornecedores para o esquema. E no Facebook, sempre a gente se depara com esse elemento, um certo Adriano, dando pitacos negativos sobre Nobres. Com esses saltimbancos... nós não podemos.

- Como diria o filósofo de botequim: “não cuspa no prato que comestes...”.

Vitrine

A Câmara municipal de Nobres, na noite de 1.º de novembro de 2019, transformou-se em uma verdadeira vitrine política com a presença dos líderes do Democratas, Fábio Garcia, atual presidente regional do partido; o senador Jayme Campos e o veterano Júlio Campos, que já foi de tudo na política em Mato Grosso. Eles vieram até Nobres para abonar algumas fichas de adesão ao DEM, entre as quais as fichas de Gilmarzinho da Ecoplan, da sua esposa Eva Valdinéia; dos vereadores Magal, Oscar Lara; da contadora Elizabeth Machado; dos advogados Donizeu e Silvério; do jovem Rogério Gás, enfim, de ao menos 22 novos nomes que entraram para o Democratas.

- Reforços ao time do elogiadíssimo Firmino, de velhas batalhas.

O Veterano e o Juvenil

Com a presença desses veteranos da política mato-grossense em Nobres que vieram para se juntar com uma gente que quer o melhor para Nobres, de outros partidos que foram ver o ato público, além de um menino que havia ingerido umas e outras, perturbando um pouco, eis que surge um pré-candidato e atual suplente de vereador que se porta como vereador, foi tirar uma onda com Jayme Campos, alegando ausência da assinatura do senador Democrata em um manifesto contra o STF (Supremo Tribunal Federal).

- O senador deu linha ao peixe e depois “ferrou”... foi uma sapatada.

O Veterano e o Juvenil II

A insistência do rapaz para tentar constranger publicamente o experimentado e matreiro político foi tanta e só piorou com a comparação entre Jayme Campos e a senadora Selma. “Ela assinou e lá não constaria a sua assinatura”. O senador disse que não age como a “maria vai com as outras...”. No futebol, diríamos que o juvenil tentou dar um chapéu no veterano e tomou uma “solada”. Sabe, tem aquelas horas em que falar pouco e ouvir muito traz bons resultados. Voltamos a entender o sentido das frases: “maria vai com as outras” e “falar pouco e ouvir muito”.

- Teve gente que de tão corada a pele, ficou branco ante a sapatada.

O Veterano e o Juvenil III

Depois daquela “sapatada”, a reunião seguiu em brancas nuvens, após o menino ter deixado o recinto e também quando o juvenil pediu substituição e deixou o campo. Olha, foi o tema do pós-reunião, ali onde foi servido um “coffee break”. Mais de 70 janeiros, ex-prefeito, ex-governador, ex-senador e agora senador de novo e o jovem, que não foi nem vereador, resolve tirar uma “casquinha” com o veterano político e depois sair “à francesa” do local, perdendo o fim da festa.

- A fama às avessas é ruuuuuiiiimmmm...

Last Updated ( Saturday, 09 November 2019 14:16 )  

Trincheira LVI

Sem Rumo Tem gente dando pulos por conta do mais absoluto repensamento de objetivos. Não sabe se vai ou se fica, mas a verdade é que a Lei Eleitoral mexe com muita coisa na política paroquial e alguns partidos serão meramente figurantes nas próximas eleições municipais. Se não houver uma reav

Rumos e Definições

A política municipal em Nobres parece que converge para um rumo que difere completamente do sistema político nacional. Longe da crise de confiança estabelecida no cenário nacional a partir da corrupção que ainda é marca nacional e a política exercida sorrateiramente por antigas cobras de um
Banner
Banner
Banner
Banner