You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

12/07/2020
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Editorial Diálogo e coerência

Diálogo e coerência

E-mail Print PDF

Todos nós conhecemos os relatos sobre as históricas tragédias de guerra, hora, dia e o porquê dos acontecimentos nefastos no mundo. Esses fatos estão associados ao PODER e por ele são bem poucos os que cedem.

Poucos conhecem sobre as guerras que não se concretizaram porque a PAZ foi selada. Aliás, se há relatos, estes são raros, sobre a PAZ em nome de interesses maiores. Interesses maiores em determinadas situações representa-se através de pessoas, de cenários sociais e econômicos em equilíbrio.

Se ninguém cede, a cizânia se estabelece e o conjunto todo tende a entrar em colapso, ruindo construções basilares para uma sociedade.

O município de Nobres vivenciará um desses momentos em que não haverá necessidade para se fazer uma “guerra” e que será marcante para que a paz seja lembrada e relembrada por anos a fio. Será quando os líderes sentarão à mesa em busca de definições para as eleições municipais que se avizinham. A maturidade será ponto relevante nessas discussões que devem se estabelecer para que o processo de estruturação da cidade seja contínuo e não haja nenhuma interseção que possa representar risco ao que caminha nos trilhos.

Há uma necessidade enorme que os principais líderes fumem o cachimbo da paz em nome de todo um conjunto após se governar à duras penas para que o estágio atual fosse alcançado. Não fugir ao diálogo e que cada um ceda conforme a sua percepção de realidade, esse será o roteiro de uma história que poderá resultar em relevantes mudanças de concepção sobre gestão administrativa no âmbito do município de Nobres.

O município de Nobres não é nenhum território onde a unanimidade resida e não encontre resistência. Há divergências e posições contrárias que persistem e vem sendo contrariadas, há críticos em quantidade, mas é possível seguir mudando cenários desiguais, melhorando a vida das pessoas e investindo na construção de algo que possa se tornar legado para as gerações futuras.

Desde que não se jogue um trabalho todo no ralo, desmantelando o que já foi feito e entregando o município em mãos e sob domínio de uma gente despreparada. Ninguém está apontando nomes e desqualificando prováveis candidatos, mas já havia se convencionado que a gestão do município só se tornaria equilibrada a partir da continuidade de um trabalho bem feito, em que se pense nas melhorias e nas necessidades que vários bairros têm.

É inegável que hajam muitas demandas reprimidas, mas já tiveram início algumas alterações importantes na infraestrutura viária e no processo de urbanização municipal. Cite-se, ainda, os avanços na prestação de serviços à comunidade, restando alterações na relação com o trabalhador, atendendo as melhores reivindicações do funcionalismo municipal no tocante aos direitos adquiridos e as constantes mudanças de setor que bem pouco acrescenta no contexto geral, sendo conveniente a persistência no diálogo e na possibilidade do entendimento para uma melhora substancial na produção.

As mudanças de ambiente de trabalho são vistas como contraproducentes e o “jogo de cintura” ou a melhor saída ante os deslocamentos seria o diálogo à exaustão e ainda, em grau derradeiro, a invocação do estatuto.

Dentro de todo esse processo ainda tem o diálogo político partidário, onde as siglas partidárias aliadas precisam integrar o contexto da governabilidade, exercendo o direito de ser governo e estar no governo. Há que se governar com partidos aliados, desde que a estes não sejam atiradas migalhas.

Essas percepções é que são colocadas para que se forme uma aliança em prol de Nobres, onde a construção da paz saia muito mais barata que o estabelecimento de uma “guerra” que só alimentará o propósito da desconstrução daquilo que já está feito.

Desta vez, a paz será mais lembrada que a guerra por um poder efêmero, esta que será fomentada por alguns adversários de Nobres e do povo.

Vamos optar pelo diálogo ao invés da imposição?

Afinal, como disse Winston Churchill: “Construir pode ser a tarefa lenta e difícil de anos. Destruir pode ser o ato impulsivo de um único dia”.


Last Updated ( Saturday, 25 January 2020 12:13 )  

TRINCHEIRA LVII

Loucura Total Apesar de todas as recomendações e medidas protocolares, as pessoas insistem em carregar criança para locais de aglomeração, sem máscara. Se o pessoal da fiscalização for falar, há quem zangue. Nas barreiras sanitárias, o absurdo de quem não quer se submeter a checagem. Há o

Caos do caos

A população de Nobres, neste caso específico, representada por algumas pessoas, estão apavoradas, mas ninguém faz nada para mudar o cenário que se apresenta, de crescente número de casos do Covid-19. O sistema público de saúde e toda a máquina pública, enfim, pode estar sendo vítima de um
Banner
Banner
Banner
Banner