You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

24/05/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Política Internacional Vereadores colocam em xeque qualidade de pavimento asfáltico

Vereadores colocam em xeque qualidade de pavimento asfáltico

E-mail Print PDF
mt_1_640x480Ao usar a tribuna da Casa Legislativa durante a sessão legislativa realizada na noite de 15 de julho, último, o vereador José (Bacalhau) Dias Filho (DEM) se mostrou indignado com o descaso que se trata a coisa pública em Nobres e conclamou aos vereadores para que interpelem o engenheiro Diogo Fernandes da Silva Oliveira, responsável pela obra. Asfalto e água nunca se combinaram e em frente a algumas residências surgiram os primeiros sinais de que a água vai ficar empossada. Foi após aquela pequena chuva que caiu sobre a cidade de Nobres, recentemente, quando alguns moradores da rua Mato Grosso perceberam o fato. Os reclames do vereador Bacalhau surtiram efeito e, ao invés do prefeito José Carlos da Silva ou o secretário de Obras lá comparecer, quem checou a informação foi o secretário de Educação, prof. Neko, o que seria uma subversão da ordem hierárquica. Na verdade, o prof. Neko deveria ir ao bairro Jardim Petrópolis, onde há dezenas de alunos com grande deficiência de aprendizado e haveria registros de dislexia. (Na foto, trecho da rua Mato Grosso).
Enquanto vereador, Neko deixou de fiscalizar a administração do ex-prefeito Flávio Dalmolin e ainda fez elaborar Dias_1_480x520projeto de lei que obrigava o então prefeito a realizar exames de vista e de audição, anualmente, em todos os alunos da rede municipal de ensino. Como secretário, ignora a lei que ele mesmo criou e vai fazer checagem de obras públicas, o que fugiria da sua competência. E pior, ainda teria sugerido comparação entre "o asfalto do Flávio e o de agora".
Outro vereador que não deixou por menos foi Herberto Buri (PDT), que criticou duramente a qualidade do pavimento e disse que quando se quiser fazer "que se faça pouco, mas faça bem feito". o vereador Buri, por repetidas vezes, tem cobrado melhorias para o bairro Jardim Petrópolis que está às escuras já faz um bom tempo, as ruas tomadas por entulhos e nenhuma resposta é dada. E olha que Nobres dificilmente terá outra oportunidade dessas, de ganhar máquinas e caminhões, de receber recursos de cerca de 8 milhões de reais para asfaltar ruas e a imagem do governo continua desgastada perante a opinião pública. (Foto: vereador Bacalhau)
Buri1_541x480Também, com a inversão da ordem, onde o secretário de Educação se acredita "dono do poder" e deixa a Educação para verificar obras, de que forma vai ser mantida uma regularidade administrativa? Pior se torna quando um secretário de governo sugere que se deva "meter o pau no prefeito e não nele", ou seja, que se dirijam todas as críticas ao prefeito. Isso revelaria uma falta de sintonia entre os governistas, mas na hora de trocar secretário, nomes são vetados e outros são sugeridos para ocupar todas a secretarias possíveis. Seria um governo de dois "mandantes" e um terceiro só para acatar ordens? Secretário que manda descer a lenha no prefeito e deixá-lo de lado, pra que oposição mais atuante que essa? Afinal, qual surgiu primeiro, o cargo de prefeito ou os cargos de secretários? Haveria secretário sem a figura do prefeito? E qual a ordem hierárquica correta? (Foto: vereador Buri)
Na mesma oportunidade, o vereador Silvestre Campos (PR) apontou a contratação de uma empresa de assessoria por mais de R$ 68.000,00 para dar consultoria sobre galerias pluviais. Já sobre a qualidade do asfalto que está sendo implantado no bairro São José, pelo jeito vai continuar como está e as possíveis deficiências vão surgir quando vierem as primeiras chuvas e as enxurradas levarem pó de brita e areia para o rio, estabelecendo-se assim uma nova forma de assoreamento do rio Nobres.
A não ser que o povo vá as ruas para exigir que o dinheiro público seja gasto corretamente e que não haja omissão de um ou outro vereador nesse caso específico. Há ainda o Ministério Público para salvaguardar os interesses da sociedade. Nas esquinas, nos pontos de tangência dos pavimentos é que se percebe a fragilidade do pavimento e o secretário vai dizer no bairro que o dinheiro que tem seria para "essa qualidade de pavimento". Dizem que o asfalto é de graça e cavalo dado não se olha os dentes. Emenda parlamentar e recursos do governo federal, se não é público vai ser o quê?
E para onde estariam sendo canalizados os recursos próprios? Só a fábrica de cimento representaria mais de 50% em ICMS das receitas municipais e a empresa investe para que a sua capacidade produtiva seja aumentada, o que equivale dizer que a receita municipal é sempre ascendente. Alguém para esclarecer melhor?
Ao menos, algumas vozes no Parlamento se levantam contra a qualidade do pavimento, o tal asfalto que é de graça.
Last Updated ( Tuesday, 20 July 2010 17:24 )  

Trincheira LV

Palpite Aí? Acusado de vender sentença, o juiz de MT, Evandro Stábile, além da tornozeleira eletrônica, está proibido de frequentar qualquer ZBM, boteco ou arriscar jogar uma caixeta, pif-paf ou truco. Nem arriscar fazer uma fezinha no Leão ele está podendo, dar palpites para o milhar, menos

Economia ou oportunismo?

Apesar do clima de desconfiança que ronda o interesse dos políticos pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata da prorrogação do mandato de prefeito e vereadores até o ano de 2.022, há uma forte de tendência de que o objetivo possa ser alcançado. A proposta, de autoria do deput