You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

28/05/2020
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Política População Pesquisadores da UFMT mostram resultados de estudos sobre saúde indígena em Nobres

Pesquisadores da UFMT mostram resultados de estudos sobre saúde indígena em Nobres

E-mail Print PDF
Palestra_001_640x480Através de palestra e mostra de slides aos participantes, os professores e pesquisadores da UFMT, Reginaldo Araújo (foto, à direita) e Haya Del Bel, apresentaram os resultados de estudos da profª Maria Clara Vieira Weiss, na manhã de 14 de junho, na sala de reuniões do Conselho Municipal de Saúde. Reginaldo e Haya integram o Instituto de Saúde Coletiva e os estudos tratam das políticas públicas de saúde nas comunidades indígenas. Participaram a presidente do CMS Palestra_002_640x480(Conselho Municipal de Saúde), dona Leuda; Lucilene Vargas; Doraci; Genelice; Diana; Benedita Leonaice; Maria Antonia; Maria Aziza Queiroz e Claudiana Amiki, cada qual representando um setor dentro do CMS, além da representante de nível superior enfermeira Denise Sguarezzi; representante da comunidade indígena bakairi Adelino e Sabina Elisia, técnica de enfermagem que atua junto às comunidades indígenas das aldeias Santana e Bakairi, na região de Nobres.
Um dos palestrantes, o profº Reginaldo Araújo, abordou as diferentes formas de atuação do sistema público de saúde e como são realizadas as intervenções do governo nas políticas públicas de saúde às etnias indígenas em Mato Grosso que envolveriam alguns aspectos relevantes assegurados em lei a partir da Constituição Brasileira de 1988 e outras legislações pertinentes. Toda a temática da palestra foi sobre o trabalho realizado pela profª Maria Clara e teve como finalidade tornar ainda mais claras as formas de tratamento de saúde às populações indígenas com foco, principalmente, para a comunidade bakairi.

Palestra_003_640x480Reginaldo falou sobre as doenças comuns aos povos indígenas com registros sobre a mortalidade infantil e outras doenças que estão entre os povos indígenas, sobre como seria a forma de tratamento e que envolveria cultura, tradição e costumes indígenas, que necessitam ser respeitados a partir de legislações existentes e os caminhos que tomam esses povos na busca de tratamento. (Foto: em pé, a pesquisadora e professora Haya, da UFMT).

Sem poder acompanhar a palestra até o fim, a nossa reportagem inteirou-se do tema central dos esclarecimentos a partir das pesquisas realizadas pela profª Maria Clara e repassadas com habilidade e a preocupação de deixar mais claros possíveis os resultados dos estudos através da dupla de palestrantes.
Segundo informações do profº Reginaldo, o município de Nobres recebe verba do governo federal destinada às ações básicas de saúde aos povos indígenas nas aldeias existentes por aqui, o que foi confirmado pela assessora da pasta da Saúde, Claudiana, que seriam cerca de R$ 11.400,00, utilizados em despesas com exames médicos, inclusive de média e alta complexidade, medicamentos, estadia e outros.
Abertos a responder questionamentos, os pesquisadores não deixaram dúvidas antes de encerrar a palestra, considerada esclarecedora.
 

TRINCHEIRA LVII

Fatos Novos Tem gente se roendo para saber como anda os bastidores da política em Nobres. Parece que não há céu de brigadeiro e muita gente anda acreditando em revolução. Será mesmo? Muito boato sendo espalhado e nada de novo, salvo a confirmação daquilo que todos já sabiam, que Esmeraldo f

Protagonismo democrático

A construção de uma quantidade está longe de representar qualidade, mas é possível estabelecer uma amálgama entre esses dois elementos? Quando o cenário é político, a fusão de quantidade e qualidade talvez ocorra, mas só será possível medir esse resultado quando todas as variantes se co