You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

20/07/2018
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Trincheira

Trincheira

Trincheira XXXIX

 

Diferenças Notórias

 

Como pode um candidato ‚Äúcomprar‚ÄĚ a pr√≥pria elei√ß√£o, saindo do anonimato √† popularidade com gastos exorbitantes e aos olhos de todos. A corrida eleitoral √© desigual em todos os cargos, mas para deputado estadual √© d√≠spar a diferen√ßa entre os contendores. Oito, dez ou at√© mais milh√Ķes para se eleger e ainda dizem que h√° igualdade e a disputa √© justa. Algu√©m j√° viu cartaz do candidato Mandioca em ao menos seis casas? Em Nobres, tem at√© Oscar Bezerra que nunca veio aqui. Na zona rural tem cartaz de candidato que sequer sabe da exist√™ncia daquele PA. N√£o por acaso, vemos tr√™s mulheres, cada uma em uma bicicleta de corrida, e ao lado delas encosta um sujeito com uma moto potente pronto para a largada. A campanha publicit√°ria do TSE fala em igualdade de condi√ß√Ķes.

 

- Quá dia? Nessa roça não tem mandioca, não dá mamão... só pinto em candidato quebrado.

 

Zona Rural

 

O prest√≠gio do prefeito est√° em alta na zona rural, onde as estradas est√£o em bom estado de tr√°fego e a constru√ß√£o da estrada entre o C√≥rrego Fundo e a 700, passando por dentro da serra, fato que foi deixado de lado em tr√™s governos sequentes, melhorou a popularidade do governante municipal. Realmente, nos √ļltimos tr√™s governos, nenhum governante observou esse lado, que melhorou a vida de muita gente e dos alunos e motoristas que atuam na rota escolar. Afinal, s√£o 40 kms a menos nesse trecho.

 

- Como se vê, lá se foram 16 anos para trás sem um olhar para aquela região e quem começou, nunca terminou.

 

Mentiroso

Com os √≠ndices da Educa√ß√£o caindo pelas tabelas e o ex-presidente Lula no programa eleitoral tentando ‚Äúproteger‚ÄĚ a Dilma com suas fal√°cias acerca do Pr√©-Sal que, segundo o mesmo Lula ser√° investido 75% na educa√ß√£o e 25% na sa√ļde. Isso √© mentira e ningu√©m mais cai nessas tretas falaciosas do ex-presidente. A educa√ß√£o vai mal, mas a roubalheira anunciada pela revista Veja vai bem ap√≥s a Opera√ß√£o Lava-Jato desencadeada pela Pol√≠cia Federal. A m√°fia instalada no Congresso Nacional est√° com os p√©s chafurdados na lama de mais um mensal√£o com dinheiro do doleiro Youssef.¬†

- Ironia ou piada com os brasileiros essa do Pré-sal que Lula saiu-se com ela?

Nobres em Cartaz

Em Nobres, tem gente querendo misturar alhos com bugalhos ao ‚Äúsondar‚ÄĚ os cartazes pregados nas casas, fazendo compara√ß√Ķes com contribui√ß√Ķes financeiras para festa de formatura. Estamos em uma democracia, ainda que funcione como uma colcha de retalhos e onde predomina a compra de votos, mas ainda assim, a op√ß√£o pol√≠tica das pessoas necessita ser respeitada. Ah! Isso nos lembra Roberto Carlos acerca dos Mexericos Candinha e de como ela vivia a falar de todo mundo. Ou√ßa essa m√ļsica e preste aten√ß√£o na letra do Rei, RC.

- J√° dizia Roberto Carlos: ‚ÄúA Candinha vive a falar de mim em tudo; Diz que eu sou louco, esquisito e cabeludo; E que eu n√£o ligo para nada; Que eu dirijo em disparada...‚ÄĚ.¬†

M√ļltiplas Utilidades
O ex-gerente de loja, onde fez muito sucesso, marqueteiro, radialista e tamb√©m consultor pol√≠tico, Marcos Cheba, √© uma pessoa bastante popular e agora como homem do r√°dio, a sua popularidade aumentou. Um homem de mil e uma utilidades, sem d√ļvida, mas ele pr√≥prio costuma passar a borracha sobre as suas utilidades e tamb√©m sobre a sua popularidade ao se mostrar como algu√©m que seja portador da verdade absoluta. Tem sido discricion√°rio em seus coment√°rios, quase sempre quando os seus ‚Äúeleitos‚ÄĚ se encontram ausentes.
- Preferimos as suas utilidades ao inv√©s das suas nulidades ou pentelha√ß√Ķes com os ausentes.


M√ļltiplas Utilidades II
Discriminar este ou aquele por sua prefer√™ncia pol√≠tica ou por colocar cartazes em sua propriedade √© o √ļltimo ato do consultor pol√≠tico que antes disso teria discriminado alguns vereadores, ausentes, √© claro. Assim como na F√≥rmula Um, nem todos os carros que largam do ‚Äúgrid‚ÄĚ chegam em primeiro; na pol√≠tica nem todos os candidatos ser√£o eleitos. Vivemos em uma democracia que ainda est√° carente de aprimoramento e todos sabem que s√≥ se eleger√° aquele que tiver poder financeiro, assim mesmo, nem sempre isso ocorre. Vide 2012, nas elei√ß√Ķes municipais, quando o pr√≥prio consultor pol√≠tico, Cheba, abandonou o barco da vit√≥ria em busca de um grupo financeiro forte.
- Vale reiterar, ficamos com a pessoa de mil e uma utilidades ao invés de um comentarista político de oportunidade. O momento político passa e as amizades sólidas tendem a permanecer. 

  

 

 Nova Versão

Vez ou outra ressurge alguma vers√£o rebuscada da Vera Ver√£o de outras datas em Ros√°rio Oeste. N√≥s estamos de olho na vers√£o mais recente, cheia de qu√°s-qu√°s-qu√°s, com ares de grandeza e com aquele ‚Äúglamour‚ÄĚ que a fun√ß√£o oferece, com toda sua efemeridade. J√° vimos gente com mais bagagem e muito mais abacaxi, mas com humildade tamanha, que n√£o h√° risco de cair do salto... ainda mais na periferia de Cuiab√° City.¬†

- Menos Almerinda, bem menos.

Esculacho de Campanha

Espia s√≥ o que um site de Cuiab√° j√° descobriu. Dizem que o n√≠vel da campanha vai baixar, s√≥ se for para o ponto de tr√°fego das minhocas. De acordo com o site, v√£o falar sobre as prefer√™ncias sexuais dos candidatos, numa troca de ofensa imperdo√°vel. E ainda dizem que a vida p√ļblica √© ruim e que n√£o vale a pena. Descer ao subsolo com ofensas tais, ser√° que h√° quem goste? N√£o bastasse a lista da Opera√ß√£o Ararath, que j√° n√£o √© mais segredo para Almerinda nenhuma, agora v√£o sair com essa de op√ß√£o sexual. ‚ÄúOh! Mon Dieu. Roma vai arder em chamas feito Sodoma‚ÄĚ.¬†

- O c... é propriedade privada e do sujeito(a), feito uma ação ao portador, que ele ofereça ou transfira a quem quiser.  

Clima Inst√°vel...

...sujeito a chuvas e trovoadas na C√Ęmara Municipal de Ros√°rio Oeste, desde a √ļltima sexta-feira (29/08/14). O G-7, formado pela ala pr√≥ Benvino Pereira de Almeida √† presid√™ncia da Casa Legislativa, esperou, esperou at√© que chegasse o presidente atual para abrir os trabalhos. Como por l√° as sess√Ķes nunca come√ßam no hor√°rio previsto, muitos tiveram que aguardar; demorou, mas come√ßou... e terminou feito pe√£o em lombo de touro bravo; abriu a porteira e em menos de um minuto o touro derrubou o pe√£o. Menos! Foi o tempo de se ler a pauta da noite e o candidato √† presid√™ncia apresentar pela segunda vez a chapa, protocolada no dia 27 de agosto, para que a sess√£o fosse encerrada.

- Daí, o clima desandou.

Clima Inst√°vel II

O vereador Gerson (Gigante) foi quem primeiro puxou a fila, alegando atropelo ao Regimento Interno. Menos agitado e mascando uma goma (chiclete), o presidente Maxmar pediu calma √† Gigante, mas a sess√£o foi encerrada por ele. Deixaram o Plen√°rio quatro vereadores, sendo o pr√≥prio presidente Maxmar, seguido por Gerson, Simone e Tet√™. Depois foi a vez dos servidores da Casa, que inclusive teriam trancado a parte administrativa da Casa. Como vice presidente e com aval da maioria, Benvino tocou o barco, fez realizar a sess√£o e inclusive tornou-se presidente atrav√©s daquela medida. Ficou estabelecido ali um imbr√≥glio e o vislumbre de embates jur√≠dicos e internos para as futuras sess√Ķes entre o G-7 e o G-4.

- √Č "jogo" para casa cheia na pr√≥xima sess√£o.

Clima Inst√°vel III

Sem Maxmar, a sessão foi aberta e tome "bordunadas" no presidente ausente, por conta de suposto descaso para com uma mensagem enviada pelo prefeito João Balbino em caráter de urgência-urgentíssima. De acordo com o vereador Acácio (PSD), nunca se viu tanta molecagem. Os demais vereadores que integram o G-7 classificaram de descaso a não votação do convênio entre a prefeitura e o Hospital Amparo. O vereador Chiquinho, do alto dos seus 73 anos, disse que não estaria ali para "brincadeiras". Há quem diga que a galeria tem estado lotada por conta das polêmicas geradas pelo vereador Gerson.

- Mas, a pergunta é: "quando vai ser eleito o futuro presidente?".

Promessas de Campanha

Ainda que se enxugue a m√°quina governamental estadual ao extremo, de onde ser√° que vir√° o dinheiro para cumprimento de tantas promessas que fazem os candidatos ao governo de Mato Grosso? S√£o muitas promessas para uma economia comprometida com d√≠vidas e d√≠vidas que v√£o muito al√©m do dilapidamento da chamada Conta √önica ou fundo de reserva (coisas de economistas). Tem muita gente que reclama da vida p√ļblica, mas segue em ritmo fren√©tico sem querer largar o osso e nestas horas surge dinheiro do nada para financiar a campanha pol√≠tica. Pai apresenta filho; irm√£o traz irm√£o; tio quer sobrinho eleito e no fundo no fundo, nenhum p√© rapado √© eleito, s√≥ gente gra√ļda √© que fecha a lista dos eleitos.

- Isso √© bacana de se ver, gente dizendo que j√° foi picolezeiro, vendedor de algod√£o doce e quer entrar na vida p√ļblica pra qu√™? Continuar no com√©rcio? Vender ilus√£o se nos parece menos dif√≠cil que vender picol√©.

New Marina

As redes sociais amanheceram, hoje, recheadas de bons flu√≠dos quanto √† entrevista de Marina Silva, substituta do candidato a presidente da Rep√ļblica, Eduardo Campos (PSB) na noite de 27 de agosto. Para muitos, Marina Silva deu um "baile" na dupla Bonner/Patr√≠cia Poeta, apresentadores do Jornal Nacional da TV Globo, sempre duros com suas perguntas, que √© para for√ßar o candidato a demonstrar equil√≠brio. Muita gente gostou do que disse Marina, que deu uma melhorada no visual e agu√ßou a experi√™ncia que tinha de outros carnavais, conhecendo os dois lados de uma mesma moeda.

- "Aqui não, Bonner e Patrícia!", teria sido o comportamento da candidata que está em ascensão nas sondagens eleitorais, conforme dados de pesquisa, revelados recentemente.

Força Máxima

A posse do tenente Arides no comando da Companhia de Pol√≠cia Militar de Nobres, hoje, pela manh√£, foi concorrida e j√° fazia tempo que n√£o se via tantos militares juntos assim. E altas patentes, ent√£o, tinham muitas para prestigiar o novo comandante, oriundo da unidade de Nova Mutum. A responsabilidade do tenente Arides √© grande, considerando-se que os dois comandantes que o antecederam foram bastante proativos na unidade local, tratando-se do capit√£o Rodes e do agora major Pedroso. O cel Paredes e o ten cel Prado, do CR II e do 7¬ļ BPM, participaram da transfer√™ncia de comando, al√©m do prefeito Sebasti√£o Gilmar e do presidente do Legislativo, vereador Joilson da Costa.

- Prestigiadíssimo o novo comandante.

Novo Delegado

Quem j√° est√° entre n√≥s h√° pelo menos 30 dias √© o novo titular da DJPC, Caio Albuquerque, vindo da delegacia de Pontes e Lacerda. Hoje, pela manh√£, o delegado Caio participou da abertura do Semin√°rio sobre Programa de A√ß√Ķes Integradas e Referenciais de Enfrentamento da Viol√™ncia Sexual Infanto-Juvenil que est√° estendendo a Rede para Nobres. O evento foi realizado no Plen√°rio "Lagoa Azul", anexo √† sede da Prefeitura de Nobres.

- Esta substituição ainda é desconhecida de muitos.

De Volta

Finalmente, o sinal de tev√™ da Centro Am√©rica foi restabelecido na noite de ontem, ap√≥s o retorno de Cuiab√° do servidor Josu√© Mendes, que foi buscar o aparelho que se encontrava em manuten√ß√£o no setor de Expans√£o, localizado na sede da TV Centro Am√©rica. Muitas pessoas gostam de estar conectadas e antenadas com o que ocorre na capital e no resto do Estado atrav√©s das informa√ß√Ķes e not√≠cias que s√£o divulgadas pela afiliada da Rede Globo. De outra parte, sem o sinal, surgem muitas chiadeiras e at√© mesmo um desgaste ao executivo municipal, isso para quem ainda n√£o sabe e a solu√ß√£o cabe aos assessores do prefeito municipal.

- Solução encontrada e imagens no ar.

Podres de Chiques

Turistas de Nobres, ao inv√©s de tirolesa preferem saltar das nuvens... como se v√™, s√£o radicais, mesmo. Em Tangar√°, esse grupo, "tchique, no √ļrtimo", comeu empanado de frango como se fosse fil√© de Merluza. O danado √© que nenhum deles nem sabia o que √© essa "tar" de Merluza, mas, em verdade vos digo, o empanado se apresentava bem estragadinho, mas como seria marisco, vai que o tempero seria a cereja do bolo. Como a palavra cagando √© feia, digamos que tem gente "xixindo" at√© hoje, depois do salto l√° das nuvens. √Č como diria o eterno Ibrahim Sued...

- ..."Ademain que eu vou em frente", ver se cruzo com mais gente chiquérrima pelo caminho.

Podres de Chiques II

"√ďia, siscrian√ßa, bom par√° de brincar de ser chique e comer p√™xe frito aqui em Nobres; larga m√£o dessa tar de Merluza e bamo invest√≠ no Corimba, nosso, de cada dia". L√° no Travess√£o, na Bom Jardim, tem costelinha de porco e costelinha de tambacu, quentinha da hora. Vamos fazer turismo por aqui mesmo, prestigiando a coisa nossa, disputada por turistas do mundo inteiro. "Tchi√°√°√°√°... empanado de frango, desse tem por aqui, bom e barato; e o que √© melhor, com o prazo de validade em dia". Quer dar um salto radical, aproveite o "Vai-Quem-Quer", mas com a recomenda√ß√£o: "√© proibido 'xix√≠' l√° de cima, que √© pra n√£o cagar na cabe√ßa dos outros".

- Passarinho não come empanado de frango como se fosse filé de Merluza.

Briga de Foice

O deputado e candidato ao Governo de MT, José Riva, anda rufando o bombo em cima de Pedro Taques e do prefeito de Lucas, Otaviano Piveta. O Caso Cooperlucas volta à baila. O Comendador "Pereá", conhece Piveta desde os tempos em que vinha buscar calcário em Nobres como motorista de um velho "Fenemê", pobrezinho que era à época. Mas a "briga" entre ambos é boa embora pouco saudável aos ouvidos do eleitorado. E nós, daqui, só escutando e vendo essa batalha campal entre dois velhos conhecidos.

- √Č o vale tudo da pol√≠tica.

N√ļmeros e Dados

Mato Grosso j√° est√° bem grandinho, o verdadeiro MT, primeiro e √ļnico. Cerca de 2.189.703 eleitores est√£o aptos a votar em 2014 aqui em MT e do jeito que o pol√≠tico gosta, 806.882 eleitores seriam analfabetos e alguns com ensino fundamental incompleto; ou seja, o expressivo n√ļmero de 695.033 n√£o concluiu o ensino fundamental, enquanto que 111.849 seriam analfabetos, conforme o TSE. Mais perscrutadoras e decididas, as mulheres entre 21 e 59 anos formam um universo de 49,9% do eleitorado estadual aqui onde o Mato √© Grosso e a jiripoca pia.¬†

- √Č muita gente fugindo da escola, mas s√£o deles que os pol√≠ticos gostam.

√Č Um Barato!

Dizem que segredo de casa quem conhece √© barata, esposa do barato. Veja que segredo est√° sendo revelado: que passada as elei√ß√Ķes de 07 de outubro de 2012, as chaves da Tesouraria da Prefeitura de Nobres foram trocadas (e a fechadura tamb√©m!) e quando ia cair dinheiro na conta, "algu√©m" dormia na sede da Prefeitura, fazendo instalar ali um colchonete, para aguardar com mais tranquilidade a bufunfa cair. √Č que o dinheiro cai em dias j√° conhecidos, sendo o dia 10 o mais aguardado. E a equipe de transi√ß√£o, simpl√≥ria, nem sabia disso. Realmente, seria digna de uma comenda tamanha preocupa√ß√£o com o er√°rio, e grandiosa e louv√°vel organiza√ß√£o administrativa.

- Poupemos as pessoas dos detalhes sórdidos evitando contar quem revelou o segredo. E Oscar vai para... 

Amarrado

Amigos de outrora andam se perguntando sobre a ausência do senador Blairo Maggi (PR) em apoio aos seus partidários na campanha deste ano. Toda filosofia nesse sentido será vã, até mesmo o tal compromisso de neutralidade. Pessoas das altas lides políticas de MT nem imaginam o quanto BM está "amarrado" e acorrentado sob cadeados para não tomar as dores de ninguém. E se "teimar", vai ver com quantos paus se faz uma arca ou com quantas toneladas de rochas magmáticas se faz um monte Ararath.

- Triste "the end" para um ex-popular político.

Amarrado II

O senador Jaime Campos (DEM) √© outro que parece que se encontra cheio de n√≥s e sem poder de rea√ß√£o, tendo que aceitar supostas imposi√ß√Ķes. Declinou da candidatura e aceitou estar do mesmo lado que nunca o quis. Que situa√ß√£o √© essa, que faz ficar desconfiado at√© quem n√£o sabe nada de pol√≠tica. Os bastidores desta campanha em Mato Grosso daria um "best sellers" com direito a segunda edi√ß√£o e capaz de superar em vendas "Os Alquimistas" de Paulo Coelho; n√£o diria Dan Brown, porque a√≠ seria exagero.

- Nenhuma v√£ filosofia chegaria perto da realidade dos bastidores desta campanha.

√Č o Brasil

Este √© o Pa√≠s que reverencia seus mortos e crucifica os seus vivos. N√£o tendo atingido a casa dos 10% at√© agora na prefer√™ncia popular, o candidato Eduardo Campos, ontem e hoje, tornou-se uma das personalidades mais populares da m√≠dia e das redes sociais, com tanta gente se dizendo de luto pela sua morte como se fossem velhos amigos. Em vida, no Brasil, nada de homenagens, mas quando o sujeito est√° morto, tome homenagens. Quando estamos, a morte se faz ausente; quando j√° n√£o estamos, ela se faz presente. O ano da Copa do Mundo no Brasil, n√£o bastassem os 7 a 1, j√° perdemos de goleada para a morte, que ceifou algumas reluzentes estrelas da literatura e por √ļltimo este idealista, que acreditava na possibilidade de deixar a P√°tria Livre das "pragas urbanas" que corroem o er√°rio; e morreu pelo Brasil, deixando para tr√°s ideais de um Brasil melhor.

- Assim como Tiradentes, Eduardo Campos acreditava que são os altos impostos de mão dadas com a corrupção que "matam" os sonhos de um Brasil melhor.

Momento Importante

O discurso de posse, feito de improviso, deixou antever uma vereadora consciente do seu papel perante o Parlamento e a comunidade, argumentando com seguran√ßa e como quem tem maturidade e experi√™ncia de vida. Neidinha deu o tom de um discurso conciliador e de di√°logo entre os parlamentares, apontando que a pr√©-reuni√£o entre os vereadores antes das sess√Ķes ordin√°rias evitariam que muitos problemas internos fossem a p√ļblico. √Č um bom come√ßo pra quem ainda n√£o havia tido essa experi√™ncia.

- A tradução da fala da vereadora é a de que todo choque será evitado.

Momento Importante II

Ao alongar o seu discurso em sauda√ß√£o √† colega vereadora Neidinha, Joel J√ļnior (PP) deixou escapar uma ponta de satisfa√ß√£o ao anunciar que a bancada progressista estaria mais refor√ßada agora com Neidinha. √Č aquela hist√≥ria que diz: "rei morto, rei posto...", ou seja, comemorar aumento de bancada quando se diz da simpatia por quem saiu, essa √© a releitura da fala alongada. H√° lucros verificados na economia das palavras em outros discursos de sauda√ß√£o.

- Sendo assim...

Momento Importante III

Entre a fala franca e aberta da nova vereadora, Maria Sidnei, e o que se viu no ar, parecia que tinha muita gente com satisfa√ß√£o e alegria pela assun√ß√£o de Neidinha; e outras tantas acreditando que poderia, de alguma, usufruir desse mandato. Pelo sim ou pelo n√£o, a fala de Neidinha deixou evidenciado que ela ficaria apenas com a satisfa√ß√£o e com alegria de poder servir a seu povo como tantas outras vezes o fizera, descartando outras possibilidades. At√© porque, os grupos pol√≠ticos, as coliga√ß√Ķes ficaram para tr√°s e na C√Ęmara de Vereadores, n√£o se pode negar, √© cada um por si e Deus por todos. Ou n√£o seria assim?

- Deixa pra lá, é chato antecipar o fim do filme. Edilidade é como casamento... a convivência é que pode mostrar e Neidinha vai ter essa oportunidade, de conhecer os seus consortes.

Ele Voltou

Em 2012, lan√ßando m√£o do pseud√īnimo Pedro Paulo, uma figura conhecida em Nobres postava coment√°rios num site de Cuiab√° tentando dizer que o show de Victor e L√©o seria a maior atra√ß√£o ao eleitor e a previs√≠vel vit√≥ria do candidato governista estaria confirmada nas elei√ß√Ķes municipais de 2012. Pedro Paulo, que gosta de m√ļsica do japon√™s Kitaro Tamayura, "escorregou" e descobriu-se quem estaria por tr√°s do pseud√īnimo. Isso sim, √© encontrar tempo para fazer postagens an√īnimas sem ter a coragem de assumir quem √©.

- Pois bem, Pedro Paulo voltou.

Ele Voltou II 

No site Agitos Nobres, a mat√©ria que fala da "comercializa√ß√£o" obscura de um beb√™, ao estilo Pedro Paulo, um certo "an√īnimo" fala mal da atual administra√ß√£o, do prefeito atual e at√© de uma banda local. Assim, no anonimato, fica f√°cil, mas a faceta do escriba √© revelada e todos sabem de quem se trata, hora se utilizando de estilo tabar√©u e em outras vezes, an√īnimo deixa escapar um "eu" bastante particular. Esse neg√≥cio de venda de crian√ßa √© alvo de uma reportagem na TV Record com o rep√≥rter policial Domingos Meirelles. Ainda vai render esse neg√≥cio de "venda" de beb√™, a n√£o ser que algu√©m esteja disposto a livrar a cara de outrem. A repercuss√£o desse fato foi em rede nacional e a "carreira" de Pedro Paulo, aquele do pseud√īnimo, que escreve por a√≠, t√° uma fama s√≥.

- An√īnimo, mas com pistas deixadas pelas letras de Kitaro Tamayura, mais uma vez. Tra√≠do pelos escritos estilosos, n√© Pedro Paulo?

Mais Problemas

O prefeito Otaviano Pivetta, engajado mais diretamente na campanha do candidato Pedro Taques (PDT) saiu-se com essa de proibir carros de som na campanha. A medida pode desagradar milhares de pessoas que investiram em carro de som e esperavam ganhar uns trocados no período da campanha. Aos olhos de muitos, a medida parece bacana, mas o nível de confiança nos políticos anda em baixa e na tevê, no rádio, quando começa o horário político, só se vê gente levantando para beber água e aproveitando para degustar um bom pudim. Lamentavelmente, não há governos e nem governantes perfeitos.

- Vide Blairo Maggi.

Entrada e Saída

Um governador que exerceu dois mandatos e era símbolo de político realizador, sendo entronizado na política pela porta da frente, Blairo Maggi já foi requisitadíssimo para fotos. Hoje, está deixando a política pela porta dos fundos, dando uma banana aos ex- companheiros e demonstrando que partidarismo é coisa descartável. O PR está sem rumo e o senador descrente da política, desde aquele episódio do "MT 20% Equipado e 80% roubado", segundo o senador Taques. Consta que Blairo sabia dos desdobramentos que teria a Operação Ararath e desde cedo não quis mais saber de política, passando o rojão, felizmente, para Cidinho.

- N√£o h√° governos e nem governantes perfeitos e quem tenta passar isso √† opini√£o p√ļblica est√° cumprindo papel de ilusionista. Perguntem ao ex-deputado Cec√≠lio de Jesus Gaeta como foram os governos de 1982 para tr√°s. O de Jos√© Garcia Neto, por exemplo, "presenteado" com uma charge gigante impressa em papel jornal naqueles idos anos.

Reviravolta

O vereador Silvestre Campos (PR), gravitou entre c√©u e inferno no epis√≥dio que culminou com o processo de cassa√ß√£o do vereador Rallide. Num primeiro momento, em 24 de julho de 2014, Silvestre absteve-se de votar pelo afastamento em definitivo do vereador Rallide da presid√™ncia. J√° no evento que culminou com a cassa√ß√£o do mandato, Silvestre Campos foi al√©m das expectativas e virou o jogo, que se apresentava contra si at√© antes da vota√ß√£o. Foi primordial a postura de Silvestre ao se posicionar contra fatos esquisitos que estariam ocorrendo nos bastidores, momentos antes da realiza√ß√£o da sess√£o de 31 de julho de 2014. Silvestre Campos voltou a ser o enxadrista que sempre foi e lan√ßou m√£o do xeque-mate contra qualquer tipo de comprometimento naquele procedimento at√© agora √ļnico em Nobres.

- Esse tal de "bastidores", que deveria ser a cereja do bolo, acaba sendo a excresc√™ncia em vias de ser servida em pratos nada limpos. "Elementar, meu caro Whatson!", diria √Āgatha.

Chutando para o Alto

Um atleta amador em uma roda de bate-papo, ontem, à tarde no Estádio "Balizão", falava o que não sabe. Dizia o cidadão que a premiação para o campeonato de futebol amador deveria ser de R$ 5.000,00 para o campeão: "vem dinheiro para isso...", mas não disse de onde sairia essa quantia. A Secretaria Municipal de Esporte, agregada a pasta da Cultura, se tiver orçamento, é dos mais pequenos, que mal dá para suportar a folha de pagamento dos seus integrantes. Já faz tempo que rola esse papo, de que "vem" dinheiro para o esporte, mas falta saber de onde.

- Se você tem um "Fuscão", não queira saber quanto custa uma Ferrari e contente-se com o que pode ter e não com o que gostaria de ter. Inté.

Esclarecimento I

O empresário ligado ao trade e ao Comtur (Conselho Municipal de Turismo), Antonio Constantino, o Toninho, via telefone, buscou esclarecer que os "voucher" encontrados seriam fruto de um acordo entre eles de que as cortesias poderiam ser em qualquer documento, desde que contivesse uma espécie de senha "CA", que seria "Cortesia Aquário, fato que ninguém conhece. Essa seria a sua forma de esclarecer e ainda aponta que não seria o lado negativo dos negócios do turismo como ele desconfia que esteja colocado na nota abaixo. Toninho lembra que foram eles que "abriram" o turismo em Nobres. Ele posicionou-se contrário a forma da abordagem para se conhecer os "voucher" emitidos e que estariam no seu atrativo, afirmando que qualquer informação deve ser buscada junto ao Comtur, ao qual ele pertence.

- Essa foi à posição do empresário.

Esclarecimento II

O secret√°rio municipal de Fiscaliza√ß√£o Tribut√°ria, Roberto Rog√©rio da Silva Dias, entretanto, diz que as decis√Ķes que emanem do Comtur n√£o tem o poder de interfer√™ncia na tributa√ß√£o e aponta que os acordos realizados al√©m do que est√° contido na Lei do Voucher n√£o s√£o reconhecidos legalmente. Conforme Roberto, haver√° san√ß√£o contra a emiss√£o de "voucher" que n√£o seja aquele de car√°ter √ļnico emitido pela Prefeitura Municipal de Nobres. Quanto ao material registrado pessoalmente pelo prefeito municipal, sabe-se que j√° houve um di√°logo nesse sentido entre o chefe do Executivo e o atual presidente do Comtur, Vicente Campos, oportunidade em que ficou esclarecido o fato. Quanto √†s considera√ß√Ķes apresentadas pelo empres√°rio Toninho em rela√ß√£o ao prefeito, estas podem ser tratadas diretamente entre ambos.

- Esse foi o posicionamento do secretário Roberto Rogério da Silva Dias.

Pirataria

O pr√≥prio prefeito municipal preferiu checar pessoalmente a emiss√£o de voucher √ļnico pelas ag√™ncias de turismo e n√£o √© que ele deparou-se com alguns "voucher piratas" emitidos. Pessoas exigentes e de tom cr√≠tico e √°cido, das que s√≥ sabem reclamar da administra√ß√£o municipal, seriam as que n√£o demonstrariam preocupa√ß√£o em fazer a sua parte. Cobram, exigem, criticam e criam solu√ß√Ķes imagin√°rias, mas na hora de fazer a sua parte, esquecem-se de que "cuidar" √© dever de todos. √Č como aquele "monte" de restos de constru√ß√£o que estavam jogados no v√£o da serra, no caminho para Bom Jardim, que bastou colocar o assunto em jornal, mandaram retirar dali.

- √Č como disse o fil√≥sofo contempor√Ęneo: "a cidade tem a cara da sua pr√≥pria gente". Seria mesmo?

Problemas e Solu√ß√Ķes

A C√Ęmara de Vereadores deve analisar de imediato o pedido de cassa√ß√£o do vereador R√°llide Andrade (PDT), previsto para as pr√≥ximas horas em medida urgente, segundo se informou. Resta saber se n√£o haver√° recuo por parte de alguns vereadores neste momento em que a Casa do Povo verdadeiramente est√° sendo passada a limpo, segundo os discursos dos pr√≥prios edis. Com a imagem do Legislativo desgastada perante o com√©rcio local e isso n√£o √© segredo para ningu√©m, n√£o haver√° milagre nenhum, mas sim a busca de uma resposta aos pr√≥prios parlamentares. De janeiro de 2013 at√© agora, o que mais se ouviu foi a palavra decoro parlamentar, indecorosamente jogada ao vento e descaracterizada nas atitudes. Mas o assunto √© da Casa de Leis e l√° eles que resolvam se deixa como est√° ou se muda o cen√°rio.

- √Č quest√£o de horas.

Pitando

Dizem que o uso do narguilé estaria sendo difundido lá pela pracinha do bairro São José, segundo se comenta por transeuntes que passariam por aquelas bandas. Mas, menores na parada, isso é qualquer coisa que mereça uma checagem. Alguém precisa dar uma sondada no ambiente, afinal, praça é para lazer e não para estabelecer vícios esquisitos. O modismo viria do Oriente Médio, mas ninguém quer "passear" na Faixa de Gaza para tirar uma onda de turista nestes dias de intensa chuva de mísseis. Então, para de fumar essa mer... cadoria estragada e vá ler. Tantos livros bons por aí e os carinhas fumando.

- Hora de checar essa oficina do diabo.

Fumando Narguilé

Segundo o G1: "Quatro adolescentes com idades entre 13 e 15 anos foram levados para a delegacia de pol√≠cia nesta ter√ßa-feira (22) depois de serem encontrados fumando narguil√©, uma esp√©cie de cachimbo usado em pa√≠ses do Oriente M√©dio. O caso foi registrado em Clementina (SP). Os estudantes s√≥ foram liberados com a chegada dos pais e, segundo o ECA, o Estatuto da Crian√ßa e do Adolescente, fornecer qualquer produto que possa causar depend√™ncia para menores √© crime". Isso ocorreria na cidade de Nobres na √°rea central da cidade, onde tamb√©m se deparam com garrafas de bebidas e preservativos pelas imedia√ß√Ķes do Posto Central de Sa√ļde.

- Entre l√° e c√° as leis s√£o as mesmas, n√£o?

No P√°reo?

Alguns pedetistas mais pr√≥ximos do senador Pedro Taques j√° come√ßam a enxergar uma luz t√™nue que surge no fim do t√ļnel e esse facho parece n√£o ser bom para a campanha. √Č a descoberta de que a candidatura do deputado Riva pode ser real e com possibilidades de passar pelo crivo da Justi√ßa, mesmo com muita batalha jur√≠dica. A informa√ß√£o vem de gente pr√≥xima, o que mudaria o cen√°rio, com amplas possibilidades de segundo turno nas elei√ß√Ķes majorit√°rias em MT.

- ¬†O risco √© real e o "b√≥lido" que parte do fim do t√ļnel pode ser o Riva, patrolando a descren√ßa em rela√ß√£o aos seus pr√≥prios problemas.

Estrategista

Mesmo que ele nunca tenha feito nada errado, mas apenas autor de um enunciado que at√© hoje tem similaridades com a pol√≠tica, Nicolau Maquiavel fez muitos alunos nos √ļltimos 522 anos e Riva deve ser um desses estrategistas que aprenderam com Maquiavel. Em vias de se "aposentar", eis que Riva ressurge das cinzas e re√ļne chances de atrapalhar ao menos uma candidatura, a do PDT. Se as chances de candidatura forem reais, tamb√©m ser√£o reais as possibilidades de haver segundo turno e a forma√ß√£o de novas alian√ßas, aonde se encaixar√° o perfil do estrategista pol√≠tico que vem reinando h√° anos no poder em MT; ainda que muitos o condenem e outros tantos o vejam como um pol√≠tico experimentado e h√°bil nessa arte.

- Um segundo turno seria desastroso ao PDT de Taques.

Comando Feminino

Uma senhora da comunidade estaria por trás do comando para formação de uma chapa exclusivamente feminina para a disputa da Prefeitura de Nobres em 2016. Que interessante, não! Seria um fato inédito e algo novo para a política local, mas, resta saber se a "líder" vai até o fim com a proposta e se ela mesma teria cacife para bancar esse sonho. Ela já teria se apresentado como secretária municipal a um órgão do governo do Estado no ano passado e até que tem boas ideias embora transportá-las para uma feliz realidade é que não será nada fácil. 

- Seria um movimento feminino ou um movimento feminista? "Nous, les femmes?".

Crise Interna 

Ser√° quando que o Legislativo vai sair dessa crise meramente interna estabelecida com a cria√ß√£o de uma Comiss√£o Investigativa? Emerge a cada dia informa√ß√Ķes que colocariam em risco a j√° abalada credibilidade da Casa e ningu√©m sabe no que pode dar esse chove n√£o molha. Empresas foram citadas como fornecedoras de produtos superfaturados, mas o que se busca saber √© para onde foram parar certas compras realizadas em tempos de recesso, segundo vazam informa√ß√Ķes que deixam o Parlamento e v√£o para os ouvidos atentos das ruas. At√© onde se tem conhecimento, um √≥rg√£o competente estaria sendo informado de todos os passos dados pelos parlamentares em rela√ß√£o ao andamento das a√ß√Ķes da comiss√£o.¬†

- Não há céu de brigadeiro previsível no painel aeroviário... voos só por instrumento. 

Filme da Semana... 

... "Em Nome da Honra", conta um pacto assinado por milion√°rios atletas de futebol profissional, a maioria, mercen√°rios, que lutam em outros pa√≠ses, para tentar salvar a p√°tria de um novo dom√≠nio holand√™s sob o comando do Conde Louis Paulus de Maria Van Gal, substituto imediato do falecido Conde Jo√£o Maur√≠cio de Nassau, aquele que invadiu o Brasil a partir de Pernambuco a partir de Recife, chegando ali em 23 de janeiro de 1637. Ao contr√°rio de Van Gaal, Jo√£o Maur√≠cio de Nassau s√≥ ajudou o Brasil com o incremento da economia atrav√©s dos avan√ßos no cultivo da cana de a√ß√ļcar e fumo. Mais de tr√™s s√©culos depois, Van Gaal invadiu Bras√≠lia e s√≥ "botou fumo" na Capital Federal e No Brasil, derrotando os mercen√°rios que fingiam lutar pelo Brasil. "Em Nome da Honra", foi descoberto que s√≥ se tratava de uma par√≥dia em nome de um terceiro lugar que n√£o agradaria nem aos restos mortais do mais brasileiro dos holandeses, o Conde Maur√≠cio de Nassau, fdp..., que "papou" muitas brasileiras... e se quisesse, Van Persie tamb√©m chegava a rola nas brasilienses.¬†

- Eita filminho chato, "Em Nome da Honra", levou-nos ao fundo do po√ßo e se tornou a fita mais mal vista do √ļltimo s√©culo, a ponto de causar mal-estar no cr√≠tico de cinema trash, o tal de Galv√£o Bueno, eleito o "baba ovo" dos mercen√°rios.

Ligação Direta

A sele√ß√£o brasileira anda t√£o atrasada, que mais parece ladr√£o da antiga, daqueles que eram acostumados a fazer "liga√ß√£o direta" para roubar carro. Mas isso foi antigamente. P√©ssima compara√ß√£o, n√£o? Vamos dizer que sejam peladeiros de v√°rzea, daqueles em que o goleiro pega a bola e os atacantes mandam "quebrar", ou seja, "dar chut√£o" para o campo do advers√°rio por falta de op√ß√£o e sob press√£o. O meio-campo manda a zaga "rasgar", ou seja, dar chut√£o, de novo. Isso √© a liga√ß√£o direta sem que a bola seja "trabalhada", ou seja, passe de p√© em p√© at√© que surja alguma chance mais clara ao atacante. No jogo contra a Holanda, Davi Luiz fez liga√ß√£o direta umas dez de vezes e Galv√£o Bueno s√≥ falou de Fernandinho. Contra a Col√īmbia, Galv√£o disse em rela√ß√£o a Davi Luiz, "esse √© fera". E a propaganda da Adidas?: "Fica esperto! Bicho vai pegar aqui no Brasil", dizia em mensagem o lateral bola nas costas, o baiano Daniel Alves, do Barcelona, para Messi.

 

- E como pegou. 10 gols em dois jogos.

 

 

Situação de Comodismo

J√° passaria da hora de o secret√°rio municipal de Sa√ļde de Nobres buscar uma sa√≠da quanto aos pombos que infestam alguns setores onde se concentram servidores do setor e pacientes em busca de atendimento. Ele e seus coordenadores precisam se reunir e buscar sa√≠das ao problema, que n√£o √© uma coisa qualquer, mas traz s√©rios riscos √† sa√ļde. De uma vez, que os pombos n√£o nasceram ali; de uma segunda oportunidade, o problema √© grave e perdura; de uma terceira quest√£o, √© que n√£o se pode esperar que algu√©m seja contaminado pela chamada "doen√ßa do pombo" para depois buscar a solu√ß√£o plaus√≠vel.

- Algo precisa ser feito para o que vem de longa data.

O Agente 

Segundo artigo publicado na internet: "O pombo comum, cujo nome cient√≠fico √© Columba livia domestica, √© uma ave ex√≥tica, que se originou da pomba das rochas, de origem europ√©ia, e foi introduzida no Brasil no s√©culo XVI. S√£o aves mansas, que se encontram em grande n√ļmero nos centros urbanos, onde se adaptaram muito bem, devido a v√°rios fatores, dentre eles a facilidade de encontrar alimento e abrigo. Pombos t√™m prefer√™ncia por gr√£os e sementes; entretanto, como n√£o s√£o exigentes, comem tamb√©m restos de refei√ß√£o, p√£o e at√© lixo. No clima em que vivemos, a reprodu√ß√£o da esp√©cie acontece entre 5 e 6 ninhadas por ano (1 ou 2 ovos por ninhada). O tempo de incuba√ß√£o dos ovos √© de 17a 19 dias. Nos centros urbanos, o tempo de vida dos pombos √© de 3 a 5 anos. Em condi√ß√Ķes de vida silvestre, eles podem viver at√© 15 anos. Os gavi√Ķes s√£o seus inimigos naturais; por√©m, como n√£o est√£o em grande n√ļmero nas cidades, o resultado dessa intera√ß√£o √© insatisfat√≥rio como controle".

- Conhecido o agente, vamos saber os efeitos da sua presença.

O Agente II 

As doen√ßas que a presen√ßa dos pombos causam, segundo publica√ß√£o na internet: "Criptococose - micose profunda, cujo agente etiol√≥gico, Criptococus neoformans, tem afinidade pelo sistema nervoso central. Os sintomas s√£o: febre, tosse, dor tor√°cica, podendo ocorrer tamb√©m cefal√©ia, sonol√™ncia, rigidez da nuca, acuidade visual diminu√≠da, agita√ß√£o, confus√£o mental. S√£o transmitidas atrav√©s da inala√ß√£o de poeira contendo fezes de pombos contaminadas pelos agentes etiol√≥gicos. Histoplasmose - micose profunda, cujo agente etiol√≥gico, Histoplasma capsulatum, tem afinidade pelo sistema respirat√≥rio. Os sintomas que podem ocorrer variam desde uma infec√ß√£o assintom√°tica at√© febre, dor tor√°cica, tosse, mal estar geral, debilidade, anemia, etc. S√£o doen√ßas oportunistas: o indiv√≠duo pode ou n√£o desenvolver a doen√ßa, dependendo de seu estado de sa√ļde. Ornitose - doen√ßa infecciosa aguda, cujo agente etiol√≥gico, Chlamydia psittasi, tem afinidade pelo sistema respirat√≥rio superior e inferior. Os sintomas s√£o: febre, cefal√©ia, mialgia, calafrios, tosse. Salmonelose: doen√ßa infecciosa aguda, cujo agente etiol√≥gico, Salmonela typhimurium, tem afinidade pelo sistema digestivo. Alguns dos sintomas s√£o: febre, diarr√©ia, v√īmitos, dor abdominal. √Č transmitida atrav√©s da ingest√£o de alimentos contaminados com fezes de pombos contendo o agente etiol√≥gico.Dermatites - s√£o provocadas pela presen√ßa de ectoparasitas (√°caros) na pele, provenientes das aves ou de seus ninhos".

- Conhecidas as doenças, vamos saber como remover os denominados "ratos voadores".

  

Como Melhorar o Ambiente 

Outras informa√ß√Ķes importantes para repelir a presen√ßa dos pombos s√£o a coloca√ß√£o de: "Barreiras f√≠sicas - Este m√©todo baseia-se na utiliza√ß√£o de telas, fechamento das aberturas por onde as aves adentram, com alvenaria ou outro material resistente; coloca√ß√£o de fios de nylon (de pesca) a aproximadamente 10 cm da base e presos nas extremidades por um prego; uso de pontas de arame em locais altos onde n√£o haja acesso de pessoas; mudan√ßa do √Ęngulo de inclina√ß√£o da superf√≠cie de apoio das aves para 60 graus; utiliza√ß√£o de produtos importados da Fran√ßa ou Estados Unidos, cuja fun√ß√£o √© tamb√©m uma barreira f√≠sica. Repelentes - Existem no com√©rcio v√°rios produtos, que s√£o aplicados sobre telhados, beirais, etc. com o objetivo de afastar as aves do local. Sua a√ß√£o se baseia no desconforto provocado pelo contato das aves com a subst√Ęncia, o que as faz se afastarem do local. Todos os m√©todos de controle possuem suas vantagens e desvantagens; entretanto, o que se recomenda √© a utiliza√ß√£o de medidas integradas a fim de se obterem melhores resultados".

- As informa√ß√Ķes s√£o da "Fonte: Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura de S√£o Paulo". E o setor de zoonoses local, sabe de outras formas de combate?

Situação Duradoura 

A cidade de Nobres parece ter voca√ß√£o para algumas situa√ß√Ķes de comodismo que podem causar problemas √† sa√ļde humana. Tudo por aqui parecer ser visto com o olhar da conveni√™ncia. Abelhas habitam um poste em frente √† sede da C√Ęmara Municipal de Nobres h√° anos e nenhum vereador ou agente p√ļblico ligado √† quest√£o parece n√£o ver o tamanho do problema. Pessoas j√° foram picadas por abelhas e se, porventura, alguma pessoa al√©rgica for picada, h√° risco de morte. O Corpo de Bombeiros j√° est√° por aqui h√° mais de um m√™s e nenhuma autoridade local cogitou a ajuda desse pessoal para a retirada das abelhas do local. Outras sa√≠das j√° foram tentadas, entre as quais o fogo e a fuma√ßa, sob risco de multa de algum √≥rg√£o ambiental. H√° casos de "cegueira" por absoluta falta de interesse p√ļblico pelas coisas que interessem ao cidad√£o, tidas como causas impercept√≠veis at√© que algu√©m morra e todos se comovam em momentos oportunamente politiqueiros.

- Pombos, abelhas, escorpi√Ķes, baratas, aranhas, cobras e lagartos... parece at√© coisa de novela em nosso pedacinho de ch√£o. Entre ver esses agentes nocivos que fazem mal √† sa√ļde e uma nota de R$ 100,00, qual a melhor op√ß√£o?

Correção Monetária

No √ļltimo dia 01 de julho, o TCE-MT tratou de Corre√ß√£o de Decis√£o Plen√°ria no que se refere √†s multas aplicadas ao ex gestor Jos√© Carlos da Silva e contabilizadas erroneamente segundo o Relator, Conselheiro Valter Albano. Dessa forma, ainda sobre as Contas Anuais de Gest√£o relativas ao exerc√≠cio de 2012, o ex-prefeito teve as multas acrescidas em mais de R$ 20 Mil Reais, ou seja, foi de R$ 1.160.665,47 para a somat√≥ria correta de valores em R$ 1.183.943,29. A corre√ß√£o aplicada aos valores foi aprovada pelo Minist√©rio P√ļblico de Contas sob Alysson de Carvalho Alencar.¬†

- Diz o ditado popular que "pra baixo nem precisa remar... todo santo ajuda". 

Baixaria Previsível 

A campanha pol√≠tica deste ano promete ser das mais disputadas no √Ęmbito do baixo n√≠vel. Venenos ser√£o destilados aos quilos ou mililitros, como queiram. O prefeito Mauro Mendes deve ser alvo e o deputado Riva j√° sabe que ser√° um dos maiores alvos dos ataques. Mas, por enquanto, muitos se perguntam como o deputado Riva conseguir√° registrar a sua candidatura. Ele (Riva), apesar de todos os problemas que enfrenta, ainda tem cacife para enfrentar uma campanha com chapa pura na proporcional e majorit√°ria tendo como seu vice o m√©dico Aray Fonseca. Escaladas as equipes, aguardem pela baixaria que vem por a√≠.¬†

- Com Anterinho na parada e Adriana Vandoni como candidata a deputada estadual, tudo pode acontecer.

 

Baixaria Previsível II 

Mais comedido e diplom√°tico, o candidato majorit√°rio L√ļdio Cabral (PT) pode se apresentar de cara nova, "rufando" o bombo em Pedro Taques. Ali√°s, j√° come√ßou, plagiando Erasmo Carlos: "...pode vir quente que estou fervendo...". Como ser√° ser "Professor de Deus", segundo alega L√ļdio em rela√ß√£o a Pedro Taques. Oh! My God, vem pedradas por a√≠ e haja Madalena arrependida para tantas.¬†

- Breve nos palcos da vida. 

Críticas

Algumas pessoas manifestaram-se contrariamente √† candidatura do deputado Riva ao governo do Estado nas redes sociais e por a√≠ afora. Qual seria a forma para a perman√™ncia desse parlamentar por duas d√©cadas no poder? Na sua √ļltima elei√ß√£o obteve mais de 80.000 votos, ser√° como chegou √° vota√ß√£o t√£o expressiva, mesmo estando com tantas pend√™ncias judiciais? Como conquistar mais de 80.000 eleitores? Conseguir√° manter a sua candidatura at√© o fim? Ser√° que os mais de cinco partidos nanicos que aderiram ao seu projeto foram iludidos? Inegavelmente, com tantos e tamanhos problemas, o deputado Riva ainda √© um dos pol√≠ticos com mais experi√™ncia e grande densidade eleitoral em MT.

- Daqui pra frente, caminhará sob o fio da navalha. Resta saber até quando?

Críticas II 

Desde a fal√™ncia do BEMAT at√© alguns desfalques milion√°rios no er√°rio em MT, alguns pol√≠ticos conseguiram sobreviver e ainda est√£o por a√≠, alguns deles aproveitando-se da agrad√°vel companhia do candidato da moda, o senador Pedro Taques. Tampinha e Jaime Campos j√° estiveram de bra√ßos e abra√ßos com Fernando Collor √† √©poca do PRN, sendo Collor quem √©. De J√ļlio Campos at√© o governo Silval Barbosa, passando por Jaime, Dante e Blairo Maggi, quem saiu limpo desses governos e quem mais fez pelo Estado e n√£o para si? Apesar de √°guas passadas, o eleitor tem que pesar os candidatos e suas companhias. Wilson Santos e Mauro Mendes num mesmo palanque, que registro mais estranho?

- Mas, vamos l√°.

Onde Estavam?

Algu√©m vai encontrar o denominador comum desse cen√°rio que se apresenta complicado, onde algumas pessoas acreditam que prestam servi√ßos ao prefeito atual e n√£o ao cidad√£o que paga os seus impostos. Tem servidor p√ļblico que faz quest√£o de deixar patenteada a sua indigna√ß√£o com o local onde trabalha e com o atual governante, mas se esquece que a presta√ß√£o de servi√ßo √© ao cidad√£o/contribuinte, que paga os seus impostos. Ontem, um agente p√ļblico respons√°vel pela fiscaliza√ß√£o e pelo normal funcionamento dos servi√ßos esteve em uma certa reparti√ß√£o p√ļblica municipal e j√° l√° pelas 16:00 horas, eram poucos os que permaneciam no local de trabalho.¬†

- Alguma coisa precisa ser mudada nessa concepção equivocada de prestação de serviço. Ou não?

Entendimento Equivocado 

Quando atrasavam os sal√°rios, muitos reclamavam por direitos, o que √© perfeitamente justo. Hoje, com os sal√°rios em dia, em cima da efetividade no servi√ßo p√ļblico, determinadas pessoas demonstram que n√£o est√£o gostando e conseguem arrumar desculpinhas pela indiferen√ßa em rela√ß√£o ao trabalho que deveriam desempenhar que √© a presta√ß√£o de servi√ßos aos mun√≠cipes. Ser√° quando vai despertar essa consci√™ncia, de que o servidor p√ļblico trabalha para o cidad√£o/contribuinte e n√£o para o prefeito de plant√£o? A vis√£o est√° errada e o cidad√£o n√£o s√≥ pode como deve reclamar da qualidade do servi√ßo e em rela√ß√£o ao descaso com que √© tratado por um ou outro servidor p√ļblico. P√Ķe na ata seu fiscal.¬†

- A Prefeitura Municipal de Nobres compra o hor√°rio de trabalho do servidor p√ļblico (efetivo ou contratado) que deve retribuir com o cumprimento do hor√°rio e com a boa presta√ß√£o de servi√ßo p√ļblico ao cidad√£o. Mais que isso n√£o se quer.

Sem Participação 

A realiza√ß√£o do F√≥rum Comunit√°rio com intuito de conseguir o Selo Unicef, uma marca que patenteia o envolvimento do munic√≠pio nas pol√≠ticas p√ļblicas em prol da crian√ßa e do adolescente em situa√ß√£o de vulnerabilidade foi realizado na tarde de ontem (27/06) nas depend√™ncias do Clube da Melhor Idade. Na oportunidade, no ato de abertura, a primeira dama do munic√≠pio soltou o verbo sobre os cr√≠ticos do governo, exatamente aqueles que n√£o participam e n√£o tomam conhecimento das pol√≠ticas p√ļblicas que visam melhorar a vida das pessoas e que tenham um olhar voltado para o futuro. "Independente dos cr√≠ticos, todos os que est√£o aqui e o governo tem feito a sua parte quanto √†s pol√≠ticas p√ļblicas", destacou Eva Valdin√©ia Pereira.¬†

- Alguém tem que soltar a voz e responder que o município tem a imagem e a semelhança com as pessoas que nele vivem. Se não participo, logo... 

Sem Participação II 

Com pouca participa√ß√£o popular, o F√≥rum Comunit√°rio √© o ponto de partida para a conquista do Selo Unicef atrav√©s da avalia√ß√£o das pol√≠ticas p√ļblicas que visem cuidar da crian√ßa e do adolescente em √°reas que grande concentra√ß√£o desses meninos e meninas e em situa√ß√£o de vulnerabilidade. Inegavelmente, na cidade de Nobres h√° situa√ß√Ķes em que crian√ßas e adolescentes estejam em situa√ß√£o de vulnerabilidade, isto avaliado desde o nascimento at√© a adolesc√™ncia. O denominado Eixo de Impacto Social avaliado pelo Unicef aponta situa√ß√Ķes d√≠spares. E o que √© o Unicef? √Č o Fundo das Na√ß√Ķes Unidas para a Inf√Ęncia (em ingl√™s United Nations Children's Fund - UNICEF), √≥rg√£o das Na√ß√Ķes Unidas que tem como objetivo promover a defesa dos direitos das crian√ßas, ajudar a dar resposta √†s suas necessidades e contribuir para o seu desenvolvimento. Da√≠, a primeira dama Eva Valdin√©ia Pereira reclamar dos cr√≠ticos que n√£o se aproximam e n√£o contribuem para alterar o nosso nada belo quadro social em rela√ß√£o √† inf√Ęncia e a adolesc√™ncia, onde tudo que se fa√ßa ser√° pouco.¬†

- Alvos de franco atiradores... de pedra.

Sucursal Colombiana 

Cuiab√° e V√°rzea Grande, aglomerado urbano de milh√Ķes de habitantes e de dados estat√≠sticos alarmantes sobre mortes de pessoas de 15 a 29 anos de idade, no tr√Ęnsito e por arma de fogo. Nesse aglomerado urbano, sup√Ķe-se que estejam em franca atividade os grupos de exterm√≠nio, conforme se depreende das a√ß√Ķes que eram praticadas na Col√īmbia √† √©poca do narcotr√°fico sob comando de Pablo Escobar Gav√≠ria e outros narcotraficantes. O narcotr√°fico ganhou for√ßa em algumas regi√Ķes do M√©xico, onde a viol√™ncia predomina. Cuiab√° e V√°rzea Grande, hoje, mais parecem uma sucursal da Col√īmbia, onde os motoqueiros eliminam sumariamente as suas v√≠timas e ningu√©m sabe quem foi.¬†

- Isto também se enquadra na situação de vulnerabilidade e no perfil social que precisa ser avaliado pelas autoridades, inclusive traçando comparativos com a corrupção de autoridades que deveriam atuar no setor e no combate ao crime. 

Exageros

As comemora√ß√Ķes da vit√≥ria do Brasil sobre Camar√Ķes, por 4 a 1, no come√ßo da noite de ontem (23/06), revelaram exageros por parte de algumas fac√ß√Ķes que surgem para anarquizar eventos p√ļblicos. E algumas figurinhas carimbadas s√£o vistas sempre por tr√°s dessas "paradas" que envolvam exageros, excesso e consumismo de drogas, as l√≠citas, j√° que as il√≠citas, a verifica√ß√£o √© da compet√™ncia policial. Uma dessas figurinhas carimbadas pretendia invadir a Lanchonete Jeito Brasil para, supostamente, "surrar" uma rival. Muita gente conta que ligou para a Pol√≠cia sem sucesso.

- Motos sendo empinadas e muita confus√£o estabelecida na √°rea central da cidade. Cad√™ os "h√īme?".

Exageros II 

Engraçado, para falar mal de uma ou outra pessoa na empresa em que ela trabalha, com intuito de prejudicar, sempre tem alguém de plantão. Quando é para botar ordem na casa, na rua ou nas praças, ninguém aparece para conter a confusão. Imaginem só, menores enchendo a cara e gente querendo "surrar" rivais por conta de homem e ainda querendo invadir estabelecimento comercial, isso é qualquer coisa absurda. Quem estava lá, ficou horrorizado com o que viu e novamente, onde estavam os responsáveis por conter os excessos?

- E como será no sábado, caso o Brasil vença o Chile?

Estilhaços Políticos

O final de uma competição do futebol amador local no bairro Jardim Petrópolis, dia 22 de junho de 2014, foi marcado por blá-blá-blá e trocas de farpas, esquentando a temperatura da decisão. Longe de tudo e como apoiadora do evento, a Prefeitura e o prefeito tiveram o nome lembrado de maneira negativa, como se fosse possível fazer erguer ali um miniestádio com apenas um passe de mágica. O miniestádio vem sendo alvo de promessas de políticos que visitam Nobres para angariar votos, há anos passados, sem que nada seja feito. Com casa cheia e lances de oportunismo, a hora pareceu propícia a uma cobrança. 

- Deu no que deu, com resposta r√°pida.

Estilhaços Políticos II 

Como morador do bairro h√° anos e agora como representante da popula√ß√£o nobrense, o vereador Joa Costa j√° teve a oportunidade de ouvir promessas de pol√≠ticos sobre a constru√ß√£o de um miniest√°dio ali. Ao saber do oportunismo pronunciado ali, o vereador Joa contrap√īs e apontou que o empresariado tem como dar a sua contribui√ß√£o, se unindo em prol do esporte e fazendo canalizar recursos em forma de cotiza√ß√£o para ajudar a melhorar o lazer no bairro. Futebol e pol√≠tica dependem de pessoas em quantidade, mas os dois n√£o devem caminhar juntos e o oportunismo sempre foi um ingrediente desses momentos, onde se fala o que quer e se ouve o que n√£o se quer ouvir.¬†

- Oportunismo X Resposta = 0 a 0. 

Futebol & Política

Há tempos atrás dizíamos dessa aproximação do futebol com a política e a verdade está vindo à tona agora, com vários pais de famílias sem receber na qualidade de jogadores de futebol que atuaram pelo Mixto E C. A tal da AFAM, que comandou o Mixto, conseguiu reunir dombosquinos tradicionais em torno do dinheiro e não do futebol e nem para o bem desse esporte. Nomes que hoje aparecem na lista da Operação Ararath estiveram no Estádio Dutrinha com Eder de Moraes durante a apresentação de um time milionário do Mixto, em 2.009, só com jogadores "cobras criadas", que vieram curtir Cuiabá. Em campo, se apresentavam sem força física e sem interesse. Aliás, interesse só pelo dinheiro.

- Lava roupa todo dia... que lavanderia.

Futebol & Política II 

Trouxeram para Cuiab√° o ex-zagueiro da sele√ß√£o brasileira, Ricardo Rocha, para estabelecer um projeto que colocaria o Mixto E C como artigo de divulga√ß√£o internacional. Sem um √ļnico CT para treinamento, sem divis√Ķes de base, com diretoria pol√≠tica e jogadores ultrapassados, s√≥ as f√°bulas sonhadas por Eder de Moraes √© que levariam o Mixto ao cen√°rio internacional. E n√£o √© que ele conseguiu? O Mixto est√° entre os "escombros" da arca perdida que se espatifou no Monte Ararath. A hist√≥ria nos reserva cada cap√≠tulo, cada lance no futebol estadual, dignos do livro dos absurdos, como √© o caso de n√£o se ter nem divis√£o de base e querer aparecer no cen√°rio internacional.

- Os uniformes do Mixto E C foram parar na "lavanderia".

Futebol & Política III 

Vale reconhecer, o Mixto E C, vez ou outra, j√° teve seu nome envolvido em pol√≠tica, mas de uma maneira rom√Ęntica e feliz na velha Cuiab√° do final dos anos 50 e boa parte dos anos de 1960, pulando para 1970. Foi quando tinha sob seu comando o prof. Ranulpho Paes de Barros, com habilidade pol√≠tica para conseguir a nomea√ß√£o de v√°rios jogadores do seu time em reparti√ß√Ķes p√ļblicas. Ruiter, aposentado pela Sefaz, come√ßou trabalhando na Iomat, ali por volta de 1958. Felizardo (zagueiro) √© aposentado da Sefaz, Fernando Fulepa (Sefaz), os falecidos Jaburu e JK trabalharam no antigo Dermat e vai por a√≠, naqueles idos anos do futebol meio amador, meio profissional.

 

- Hoje, a picaretagem é que se profissionalizou e o futebol só empobreceu com estádios suntuosos e futebol de várzea.

 

Visitantes

Recebemos e agradecemos a visita do jovem Devair Valim de Melo J√ļnior em companhia do pai; ambos passaram pela nossa reda√ß√£o nesta manh√£ de 21 de junho. Pr√©-adolescente, J√ļnior √© uma vers√£o bastante melhorada do original, Valim pai, e tem estilo, fala pouco, faz perguntas e se mostra observador, sendo a aplica√ß√£o nos estudos a sua caracter√≠stica marcante. Pol√≠tica parece ser um assunto para o qual todas as aten√ß√Ķes de Valim J√ļnior n√£o est√£o voltadas. Ser√°? Well! N√£o vamos trabalhar com premoni√ß√£o, vamos deixar o rapaz bom de escola fazer a sua escolha, mas uma vers√£o bem melhorada do original j√° jogaria por terra aquela tese de que um seja pouco, mas n√£o deixemos chegar a tr√™s... porque a√≠ j√° seria demais.

- Boa sorte a ambos e a sorte está lançada para 2.020.

Convencer & Convencer 

A situa√ß√£o da sele√ß√£o brasileira na Copa do Mundo de 2014 tem duas chances no pr√≥ximo jogo, vencer e convencer para ao menos se igualar ao bom futebol, bem jogado e despojado com que a Fran√ßa vem jogando e se juntando √† efici√™ncia do Chile e a boa qualidade da Col√īmbia. Honduras e Gr√©cia podem deixar a Copa do Mundo como as duas sele√ß√Ķes que mais "bateram" nos advers√°rios com as jogadas mais viris e os pis√Ķes. E ainda agem como se fosse tudo normal. Realmente, o futebol anda pobre de criatividade e se tornou um esporte de cabe√ßadas, de choques e de zagueir√Ķes tamanho guarda-roupa, de quatro portas, com muito miolo (de l√°pis) e pouca sabedoria.

- √Č o pobre futebol rico da atualidade.

Exposi√ß√£o P√ļblica

As brigas de um casamento desfeito continuam repercutindo na m√≠dia de forma altamente negativa entre J√ļnior Mendon√ßa e a sua ex- Kharina Nogueira. Pelo sim ou pelo n√£o, a colunista social acendeu o estopim que detonou um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro em Mato Grosso, deixando para tr√°s (e muito!) o escandaloso rombo que faliu o Bemat (falecido Banco do Estado de MT). Daquele velho esc√Ęndalo ainda tem gente na pol√≠tica at√© hoje, por a√≠. O ex-poderoso Eder de Moraes tinha o nome inserido em camisetas de times de futebol em Nobres, na cidade e na zona rural, com o seu programa de tev√™ servindo para enganar, a quem n√£o se sabe?

- Atos e Fatos que ocorrem em Mato Grosso.

Sal√°rios Milion√°rios

Dentre aqueles que recebem vultosas somas no atual mundo do futebol, nenhum jogou nada at√© agora. A empresa de publicidade de Ronaldo Naz√°rio √© respons√°vel pela imagem de Neymar e a TV Globo s√≥ fala no nome do camisa 10, que at√© agora n√£o correspondeu junto com o time. Daniel Alves √© um lateral comum e est√° devendo; Messi ainda n√£o jogou tudo o que sabe e o portugu√™s Cristiano Ronaldo, certamente, que n√£o teria vaga nem no ataque do NQA, do bairro Jardim Petr√≥polis. Ganham muito e jogam pouco e se forem nesse ritmo, essa vai a ser a Copa dos P√©s Duros e das sele√ß√Ķes que s√≥ jogam na defesa. O Trof√©u "Cabe√ßa de Bagre", at√© agora, est√° nas m√£os do capixaba P√©pe, da sele√ß√£o portuguesa e do Real Madrid.¬†

- Al√ī, Elias, tem vaga a√≠ para Cristiano Ronaldo?

Arestas

A administra√ß√£o do prefeito Sebasti√£o Gilmar em que pese algumas adequa√ß√Ķes feitas, muito mais econ√īmicas que t√©cnicas, ainda vai precisar queimar algumas gordurinhas localizadas no que se refere √† quest√£o do comprometimento, da aus√™ncia de maior participa√ß√£o dentro da estrutura de governo por parte de determinadas pessoas. Dizer que est√° tudo bem, isso n√£o reflete a realidade e algumas pe√ßas precisam ser reparadas, reposicionadas ou, na pior das hip√≥teses, trocadas. Se h√° investimentos al√©m do normal em determinada pasta e esta n√£o corresponde, nem t√©cnica e nem politicamente, √© preciso se reunir para ver como realmente est√£o todas as engrenagens.¬†

- Sendo assim...

Críticas 

Uma pessoa, vinda de Cuiab√°, adentra a um com√©rcio e flagra um di√°logo entre tr√™s pessoas, sendo uma delas a propriet√°ria do estabelecimento, puxando a fila das cr√≠ticas tecidas contra o governante. Nada contra as cr√≠ticas, direito reservado a quem se acha prejudicado ou que n√£o gosta do que est√° vendo. Num certo per√≠odo, l√° atr√°s, pelo simples fato de soltar o gog√≥ num programa de r√°dio, tinha gente se achando com perfil para ser candidato a prefeito. Ser candidato a prefeito √© direito conferido a qualquer cidad√£o que seja portador de t√≠tulo eleitoral e que possa votar e ser votado; articular-se politicamente e conseguir a pr√©-candidatura e depois a candidatura e chegar l√°, ser√° preciso percorrer um longo caminho. E uma vez no poder, a√≠ sim √© que as pessoas v√£o conhecer quem √© quem em Nobres. Toda filosofia at√© agora colocada por a√≠ se afigura como v√£ quando de fato se conhecer os meandros do poder, seus por√Ķes e as masmorras onde se encerram os fantasmas que fazem parte do castelo.¬†

- Não é como trocar palavras por galinha assada.

 

Taxista de Luxo?

Depois de Emerson Fittipaldi, de Nelson Piqu√™ e do inesquec√≠vel e √ļnico Ayrton Senna da Silva, o Brasil e os nossos domingos est√£o cada vez mais vazios e √≥rf√£os de talentos no automobilismo. Esse Massa seria uma r√©plica de Barrichello, ao menos, √© o que se viu at√© agora e no domingo (08/06) o nosso piloto teve momentos √ļnicos em 2014 e acabou fazendo mais uma hom√©rica "cagada" ao deixar escapar at√© o 5¬ļ lugar ao bater no carro daquele que estava em quarto lugar. Quem estava em quarto (Vettel), pulou para terceiro; e quem estava em segundo, foi parar em primeiro, fazendo uma ultrapassagem na √ļltima volta sobre o l√≠der Nikko Rosberg. N√£o por acaso, Louis Hamilton j√° tem t√≠tulo de campe√£o, marcado pela aud√°cia e muitos erros. Teremos mais um taxista de luxo na F1?

- Quando poderemos dizer: "esse domingo foi massa e dem√°s de bom"!?

Cantadas 

Um canal de tev√™ dedicou parte do seu tempo no domingo a mostrar que algumas mulheres andam p... da vida com as cantadas que recebem na rua, algumas, com prazo de validade vencido. "Fechado para pousos e decolagens, abriria uma exce√ß√£o pra voc√™ no meu aeroporto, avi√£o(z√£o)". Mais antiga que algumas m√ļmias famosas. Sem cantadas, n√£o aquelas absurdas e nem aquelas insistentes e persistentes atrav√©s do msn e em hora impr√≥pria, como flertar? H√° quem pense que essa proposta, contra as cantadas, parta de algum movimento feminista, o que j√° seria razo√°vel. Dizem que cantada √© ass√©dio sexual l√° na B√©lgica, aqui no Brasil a mais comum tem gosto de fruta, ao menos √© o que se pensa quando dizem: "gostooosaaaaa!".

- E a m√£e, fdp...?

Domingo 

Sem programa no domingo, o jeito foi ver falar de Neymar desde o Globo Rural at√© o Fant√°stico. Pausa para se ver como a Alemanha leva o futebol a s√©rio desde a inf√Ęncia. Em Cuiab√° e na Baixada Cuiabana, o futebol s√≥ existe por insist√™ncia de algumas pessoas que se agarraram √† FMF e n√£o querem largar mais. O futebol de MT est√° na UTI embora o seu quadro cl√≠nico seja est√°vel... nem melhora e nem piora. Quem bate uma bolinha mais ou menos em Cuiab√°, vai jogar futebol amador em troca de cach√™ de R$ 200,00, por partida, mais churrasco, cerveja e uma "perereca", √† solta; isso, em caso de o sujeito n√£o ser muito estragadinho e gostar da fruta. Na Alemanha, a institui√ß√£o de maior credibilidade, acima da pol√≠tica e algo mais, √© a Liga Alem√£ de Futebol. No Brasil, a CBF tem servido ao locupletamento dos seus mandat√°rios e a Fifa... idem, segundo Rom√°rio.

- Como se v√™, a seriedade tem l√° seus quil√īmetros de vantagem.

Entulhos & Entulhos

Entulhos est√£o por toda parte √†s margens das ruas no bairro S√£o Jos√©. Em alguns bairros, quando a Prefeitura realizava a retirada dos entulhos em parceria com as ind√ļstrias calcareiras, no outro dia, podia passar que j√° encontrava na mesma rua, mais entulhos colocados. Infelizmente, a quest√£o ambiental √© um caso s√©rio em Nobres e por mais que a fiscaliza√ß√£o atue sobre tais fatos, as pessoas n√£o demonstram preocupa√ß√£o com o visual da cidade e ainda reclamam. A maioria, √© bom que se diga, tem essa preocupa√ß√£o e paga pela retirada. De outro lado, uma minoria insiste em tornar feia a cidade onde moramos.

- Conscientização Já!

Legislativo I

A C√Ęmara de Vereadores de Nobres, se deixar passar do primeiro semestre sem dar respostas a popula√ß√£o sobre as a√ß√Ķes de investiga√ß√Ķes que est√£o em curso, corre o risco de cair em descr√©dito e de ver o nome da institui√ß√£o em n√≠vel de desconfian√ßa al√©m do que j√° est√° registrado. √Č lament√°vel que algu√©m que tenha prestado servi√ßos ao Legislativo tenha que recorrer √† Justi√ßa para receber pelo que fez. O est√°gio atual √© o do "√© ou n√£o √©", do "foi ou n√£o foi" ou da informa√ß√£o ao cidad√£o sobre o que ocorreu ou que deixou de ocorrer; se estava certo ou se estava errado. O poder √© de fato ef√™mero, mas as atitudes (individuais e coletivas) tornam-se duradouras com o tempo e passam √† hist√≥ria.

- √Č pegar ou largar.

Legislativo II

N√£o h√° lugar melhor para se buscar parte da hist√≥ria pol√≠tica de um munic√≠pio que numa Casa de Leis ou C√Ęmara de Vereadores. Atrav√©s das atas das reuni√Ķes, das leis aprovadas, dos valores or√ßament√°rios analisados e votados pelos vereadores em cada legislatura √© poss√≠vel construir cap√≠tulos da hist√≥ria do munic√≠pio. O que ser√° de um munic√≠pio de cujas sess√Ķes plen√°rias n√£o haver nenhuma ata das reuni√Ķes ordin√°rias e extraordin√°rias? O que buscar da hist√≥ria de um munic√≠pio onde n√£o h√° passado, n√£o h√° um presente que possa acrescentar positivamente para o futuro? A Lei Org√Ęnica do Munic√≠pio de Nobres j√° est√° defasada e qualquer altera√ß√£o que se possa cogitar, ela tem que se dar atrav√©s da forma√ß√£o de uma comiss√£o de vereadores e n√£o de forma aleat√≥ria como ocorreu no passado, fazendo com que o munic√≠pio de Nobres tivesse dois modelos de Carta Magna. Enquanto se registra uma "briga" interna que pode trazer respostas imprevis√≠veis (ou seria previs√≠vel?) ao poder, a Casa de Leis patina no pr√≥prio desinteresse pela adapta√ß√£o a uma otimiza√ß√£o da Lei Org√Ęnica.

- Conceitos precisam ser revistos embora tenha gente que acredite que esteja tudo bem.

Sem Deixar Rastros?

"At√© hoje, 14 anos e 45 dias depois, a Pol√≠cia jamais conseguiu, sequer uma pista da quadrilha. V√°rias foram √†s vers√Ķes apresentadas na √©poca, mas at√© hoje, a Pol√≠cia de Mato Grosso nunca conseguiu identificar e prender, pelo menos um dos integrantes da quadrilha. Tudo que a Pol√≠cia conseguiu, foi localizar, no dia seguinte ao crime, dezenas de caixas de papel√£o vazias, deixadas quase que propositalmente no estacionamento do galp√£o de uma pequena empresa localizada no bairro Santa Isabel, na periferia de Cuiab√° dentro e fora de um carro sem proced√™ncia", como conta o rep√≥rter policial Jos√© Ribamar Trindade no Portal 24 Horas News. O local habilmente visitado foi a ag√™ncia da Caixa Econ√īmica Federal, √† av. Historiador Rubens de Mendon√ßa (av. do CPA), de onde foi levado cerca de 3 bilh√Ķes de reais e para se ter uma no√ß√£o de valor, √© algo bem superior ao que se tem contado sobre a movimenta√ß√£o financeira descoberta parcialmente pela Opera√ß√£o Ararath.

- √Č coisa para qualquer (bom) cineasta avaliar e fazer filme.

Sem Deixar Rastros? II

"Extraoficialmente, segundo alguns funcion√°rios da Caixa - todos morrem de medo em tocar no assunto -, foram mais de R$ 3 bilh√Ķes. Outros, no entanto, garantem que dentro de centenas de caixas de papel√Ķes estavam guardados mais de R$ 5 bilh√Ķes em joias de ouro, diamantes, pedras preciosas e, principalmente pe√ßas car√≠ssimas, cujos valores s√£o incalcul√°veis como estima√ß√£o para fam√≠lias. At√© hoje, 14 anos e 45 dias depois, a Pol√≠cia jamais conseguiu, sequer uma pista da quadrilha. V√°rias foram √†s vers√Ķes apresentadas na √©poca, mas at√© hoje, a Pol√≠cia de Mato Grosso nunca conseguiu identificar e prender, pelo menos um dos integrantes da quadrilha". O apontamento √© feito na mat√©ria de Trindade para o site 24 Horas News. Essa not√≠cia contrasta com o que vemos diariamente nos notici√°rios policiais acerca de "estouro" de bocas de fumo, onde s√≥ h√° lambaris ou "p√©s de chinelo". Um roubo dessa monta n√£o faz de nenhum membro de quadrilha "ra√ßa infame"; pelo contr√°rio, tornam-se not√≥rios an√īnimos, se √© que exista algum not√≥rio gatuno an√īnimo.

- No rabo do contribuinte n√£o falta fumo. Quem rouba banco √© ladr√£o; e quem tira dinheiro p√ļblico para si no exerc√≠cio da fun√ß√£o p√ļblica, diz-se que foi apenas desvio de finalidade. Mas, nem Sherlock Holmes n√£o conseguiu ver nem um fio de cabelo na ag√™ncia da CEF? √Āgatha, que passa?

Last Updated ( Saturday, 13 September 2014 13:08 )

 

Trincheira XXXVIII

Maior da História

A julgar pela sequ√™ncia dos fatos e dos elementos que v√£o sendo juntados no intrincado quebra cabe√ßas, a Opera√ß√£o Ararath pode se tornar o maior esc√Ęndalo financeiro da hist√≥ria de Mato Grosso. E olha que j√° houve casos esca


Last Updated ( Friday, 06 June 2014 11:02 )

Trincheira XXXVII

Salva Vidas?

O jogador de futebol amador que age com violência excessiva na prática do esporte é considerado antiesportivo e, portanto, passível de punição por parte de alguma comissão disciplinar. Isso é óbvio. O que não pode é alguém "in

























































































































































































Last Updated ( Tuesday, 18 March 2014 10:52 )

Trincheira XXXVI

Contra Indicação
Nessas idas e vindas da vida, um ex-secretário, bastante poderoso ontem e que costumava dar chá de cadeira em muita gente, em dias recentes e já passados, experimentou do próprio chá e parece não ter gostado, a ponto de reclam
































































































































































Last Updated ( Monday, 23 December 2013 13:28 )

Trincheira XXXV

Selo Unicef
Vinte e nove munic√≠pios mato-grossenses assinaram o Termo de Ades√£o ao Selo Unicef Munic√≠pio Aprovado Edi√ß√£o 2013 ‚Äď 2016. A solenidade de lan√ßamento do Selo foi realizada na sexta-feira (25/10) no audit√≥rio da Associa√ß√£o Mato-gr






















































































































































































































Last Updated ( Saturday, 26 October 2013 12:20 )

Page 4 of 11

TRINCHEIRA LIV

Troca de Farpas Todos estavam no mesmo barco para destronar Silval Barbosa (MDB), agora, todos se voltaram contra Pedro Taques e a união histórica entre PMDB e PFL volta a acontecer só que, com a maquiagem da mudança de nome embora os ocupantes das naus sejam os mesmos. A política mato-grossense

Raz√£o desconsiderada

O impasse gerado entre a categoria dos profissionais da Educa√ß√£o e o Executivo municipal est√° longe de terminar em Nobres. Nenhum dos dois lados cede e o prazo para que os alunos voltem a estudar est√° sendo esticado. As negocia√ß√Ķes est√£o emperradas e a crise entre educa√ß√£o e governo permane
Banner
Banner
Banner
Banner