You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

20/11/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Trincheira

Trincheira

Trincheira XXV

Na Forquilha
O estado da ponte sobre o rio Cuiabazinho, ligando Nobres a Forquilha do Rio Manso, √© cr√≠tico e a travessia sobre motos √© das mais arriscadas. Enquanto isso, o Governo de Mato Grosso diz que n√£o tem dinheiro para pagar √† empreiteira e a obra n√£o ata e nem desata, prejudicando centenas de fam√≠lias assentadas em diversas comunidades rurais existentes do lado de Ros√°rio Oeste. Nem uma √ļnica autoridade compareceu ao ato que reuniu centenas de moradores na cabeceira da ponte para reclamar do abandono a que est√° entregue a ponte. Passar ali sobre motos √© mais perigoso que trabalhar no globo da morte em qualquer circo. A balsa, supostamente, mantida em troca de apoio pol√≠tico teve os servi√ßos suspensos e agora, s√≥ pagando.
- Cobrar impostos, eis o papel do governo que chega bem próximo da perfeição. Devolver os impostos em forma de melhoria, bem, essa tarefa é dificílima e encontra 1001 obstáculos.

Sumiu?
Durante o ato reclamat√≥rio, realizado na tarde de 4 de novembro na cabeceira daquela que j√° foi uma ponte, o que mais se falou ali foi sobre uns tais "pranch√Ķes" que teriam sumido da obra e a falta de meros R$ 241.000,00 como entrada para a obra. H√° quem acredite que a desist√™ncia da empresa ganhadora da licita√ß√£o fique de bom tamanho para que todos se sintam satisfeitos, evitando males maiores. Ser√° mesmo? O caso √© complexo e s√≥ o povo na causa, afinal, eles (os moradores dali) sabem o que querem e do que precisam... de uma travessia menos perigosa, por exemplo.
- J√° sobre os pranch√Ķes, quem teria a resposta?

Sorte Lançada
S√°bado (03/11/12), pela manh√£, um ve√≠culo oficial parado em um estacionamento de supermercado, √† sombra, e algu√©m sentado na cabine de comando, ao volante do utilit√°rio, preenchendo volantes de loterias diversas. √Č em Nobres, vale ressaltar. Esse neg√≥cio de querer dist√Ęncia do povo √© um sinal de que o resultado da elei√ß√£o foi mal digerido. Mas, ser√° que se estava esperando esvaziar ou haveria um garoto de recados para ir enfrentar a fila para registrar as apostas? Pode, a utiliza√ß√£o de carro p√ļblico aos s√°bados? A √ļltima vez que se viu isso, curiosamente, foi ao p√°tio de uma loja atacadista. T√° certo, a aposta tem que ser pelos n√ļmeros da sua escolha, j√° que os bol√Ķes n√£o acertam nada, mesmo.
- E lá se vai uma caixa de fósforos à caça de um palito.

Transição
Depois dos chap√©us que a Nina deu no Tuf√£o, a transi√ß√£o √© a palavra mais falada por aqui. Olha, tem gente se roendo para saber aonde foi parar todo o patrim√īnio p√ļblico. E sobre os sal√°rios, ocioso perguntar sobre o seu paradeiro, j√° que o governo est√° escolhendo a quem pagar. Mas, e a Lei de Responsabilidade Fiscal, s√≥ vale para evitar ren√ļncia de receita? O governo √© bom cobrador de impostos e muito mal pagador das suas d√≠vidas, a come√ßar pela pr√°tica de trabalho escravo em Nobres, onde os sal√°rios dos servidores p√ļblicos municipais est√£o em atraso h√° dois meses e n√£o se toma nenhuma provid√™ncia sobre o caso.
- Ao TRT-MT;ao TCE-MT; ao MPE-MT; a LC 101; ao CN (Cadeia Neles) ou a quem mais interessar.

Mais Bronca

Aquilo que j√° se transformou em mais um caso neste governo vai ser investigado. Caso Bomba d'√Āgua; Caso Milharal; Caso Cooperativa e agora, o Caso Leal, da ind√ļstria que nunca funcionou em Nobres, mas teve terreno p√ļblico dado como garantia a aval banc√°rio para capta√ß√£o de algo em torno de 600 mil reais. Com mais de 600 mil reais em caixa, quanto foi investido no barrac√£o? O munic√≠pio investiu em aterro, aplicando ali cerca de R$ 15.000,00 em aterro, que mais tarde foi transportado por m√°quina p√ļblica, no domingo, para outro local, sem que ningu√©m soubesse. Isso √© o que se pensava, mas o Caso Leal vai parar no Minist√©rio P√ļblico Estadual e o prefeito √© a figura principal disso tudo.
- Ou ser√° que ele n√£o sabia?As investiga√ß√Ķes v√£o provar quem √© quem nisso tudo. E ainda falam em LRF para cobrar impostos.

Mais Bronca II
Foram buscar um cobrador de impostos que n√£o √© daqui e n√£o vota aqui para "revolucionar" a cobran√ßa junto com 55 empresas de assessorias contratadas e o cidad√£o sai √†s ruas, s√≥ consegue ver buracos em asfalto novo, com menos de um ano e meio de "idade". Com que prest√≠gio se cobra impostos se os servi√ßos p√ļblicos s√£o de p√©ssima qualidade? Com que prest√≠gio se cobra impostos quando o sistema de sa√ļde √© p√≠fio? Com que moral se cobra impostos quando o governo se nega a pagar at√© o que comeu em pajelan√ßas noturnas? Com que respeito se cobra impostos quando a popula√ß√£o fica sabendo de uma empresa que nunca investiu em um √ļnico picol√© em Nobres e consegue oferecer bem p√ļblico como aval banc√°rio?
- A primeira provid√™ncia a ser tomada pela transi√ß√£o √© no setor de patrim√īnio p√ļblico, onde at√© um "trailler" de fiscaliza√ß√£o sumiu do p√°tio.

Mais Bronca III
A C√©sar o que √© de C√©sar? Com que moral se cobra impostos quando se sabe que uma viatura que pertence ao patrim√īnio p√ļblico esteve sempre em m√£os de um ungido pelo governo? Esse ve√≠culo, para quem ainda n√£o sabe, encontra-se parado √† porta da sede do governo municipal trancado, por tr√™s dias, porque o seu condutor teria perdido as chaves. √Č isso? E seria esse mesmo cidad√£o a vetar nomes a um governo ao qual ele n√£o pertencer√°. Daqui, por este autor, que todos j√° sabem quem √©, tivemos uma nota extraviada por esse mesmo cidad√£o, a qual nunca mais foi vista. Mas, voltando ao P√°lio Weekend, vale a pena perguntar, a quem pertenceria essa viatura? E o barco? E as motos? O outro P√°lio Weekend, o mais ruim dos dois, repousa em um p√°tio de oficina e s√≥ servir√° a leil√£o p√ļblico, mas precisa ser entregue ao p√°tio municipal at√© 31 de dezembro de 2012.
- Algum servidor p√ļblico saberia dizer em que circunst√Ęncias se deu o desaparecimento da chave que abre as portas e aciona a igni√ß√£o? O chaveiro, enfim. Chame o chaveiro, mas arque com essa despesa, ao menos essa.

Cobrança
A Prefeitura de Nobres se acha no direito de expedir cartinha em forma de cobrança e invocando a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) para cobrar empresas. Quem vai deixar dívidas para o contribuinte pagar quer receber; quanta incoerência, não é mesmo? E por que não, pagar as despesas com o fornecedor dos famosos peixes na telha? Come, bebe e agora não demonstra interesse em pagar. Temos aqui a lista das pessoas que mais se utilizaram do sistema de "delivery" e esta é a quinta vez que repetimos isto aqui. Por que não cobrar impostos da Leal Engenharia Química?
- L√° de Joa√ßaba, em Santa Catarina, dirigiu-se uma situa√ß√£o que culminou com empr√©stimo banc√°rio de R$ 600.000,00 tendo um terreno p√ļblico como aval. Onde est√° a responsabilidade fiscal nisso?

Cobrança II
Pode abusar, pode retaliar e pode apelar pela cobran√ßa via judicial, mas daqui, continuaremos a ser a pedra no sapato desse cobrador de impostos que √© o principal respons√°vel pelo desequil√≠brio econ√īmico municipal. Cad√™ o pagamento salarial de setembro? Outubro vence hoje (31) e nada; onde est√° o pagamento do acordo assinado para saldar compromissos com a Previ? Ah! Vai pagar? Resta saber quando? E como se explica pessoas que estavam na campanha receberem pela Prefeitura de Nobres? A C√©sar o que √© de C√©sar... desde que o cobrador de tributos saiba como investir o que n√£o √© seu, mas pertence ao povo. A Prefeitura de Nobres gasta mais de R$ 15.000,00 com aterros para a tal f√°brica e mais tarde o aterro √© retirado de l√° e o terreno, que √© um bem p√ļblico, √© dado como aval a empr√©stimo banc√°rio; algu√©m consegue entender isso?
- Aí, invoca-se a Lei de Responsabilidade Fiscal para cobrar impostos. Se situa, secretário, curta os dias de poder restantes no ar condicionado e só.

Veja Bem Veja

Destinado ao p√ļblico nacional, a Revista Veja desta semana estampa um coment√°rio que serviria como cartilha a qualquer prefeito e vereador eleitos recentemente. O texto tem a autoria do ex-ministro da Fazenda Ma√≠lson da N√≥brega e, de alguma forma, esbarra em fatos bem recentes ocorridos em Nobres e o seu t√≠tulo √© "De volta √†s trevas or√ßament√°rias". O cutuc√£o √© ao PT, mas nos reporta √†s cagadas administrativas hom√©ricas ocorridas em Nobres em 2012, quando o prefeito tomou para si o or√ßamento p√ļblico e fez festa, acreditando que aquelas orgias com as finan√ßas p√ļblicas fossem se transformar no passaporte √† sua reelei√ß√£o.
- A ficha do prefeito caiu tarde demais e a presunção de humildade que ele possa demonstrar agora não condiz com a realidade apresentada desde janeiro até o dia da eleição, em 07 de outubro de 2012.

Veja Bem Veja II
A cutucada no PT e que aborda o or√ßamento p√ļblico passa, de alguma forma, pela cabe√ßa, nossa, de Nobres, quando vemos um cidad√£o aportar nesta terra e, mesmo sob intensa recomenda√ß√£o, virou e revirou o or√ßamento p√ļblico municipal, colocando todo o dinheiro do povo a seu dispor e a seu livre talante (palavra extra√≠da do texto de Ma√≠lson da N√≥brega). √Č lament√°vel que s√≥ agora surja aos olhos dos incautos esses arroubos de humildade da parte de um governante que fez o que bem quis com a popula√ß√£o de Nobres, com os parlamentares municipais, com os aposentados, com o funcionalismo p√ļblico municipal, com a sa√ļde e com o or√ßamento p√ļblico, administrado por um √ļnico secret√°rio, cujas refer√™ncias, trazidas por fontes externas, n√£o eram as melhores.
- Ocioso dizer que or√ßamento p√ļblico n√£o √© propriedade privada e se pisou na jaca, quem for complacente com os desmandos assumir√° pelo que n√£o fez.

Veja Bem Veja III
Como √© poss√≠vel, tirar tantas conclus√Ķes de um pequeno texto macro, algu√©m haveria de perguntar? E a resposta seria percep√ß√£o de realidade quando vemos nos balancetes da Prefeitura de Nobres, relativos a dezembro de 2011 tr√™s ou quatro folhas (cheinhas) de pagamentos on line, de alta recomenda√ß√£o ao prefeito para que n√£o se operasse dessa forma. Percep√ß√£o de realidade ao vermos gastos abusivos com empresas de assessorias, cujos valores n√£o ultrapassavam o teto m√°ximo que evitaria licita√ß√£o. E para qu√™ essas empresas de assessoria quando o governo se apresentava e ainda se apresenta coxo? Gastos com festas que passaram do meio milh√£o de reais no ano de 2011 e que em 2012 atingiram patamares absurdos. Isso √© governar com o regulamento (or√ßamento) debaixo do bra√ßo?
- E quando as finan√ßas p√ļblicas v√£o mal, mas determinados assessores de governo v√£o bem financeiramente? As conclus√Ķes s√£o l√≥gicas embora a humildade repentina de certas pessoas destoe da realidade. Que cada um assuma o seu pr√≥prio erro e por ele pague pre√ßo justo.

Bem Sabido
√Č como dizia minha saudosa av√≥: "A esperto, esperto e meio...". Quando me engra√ßo com algu√©m, nada acontece por acaso. Gostei de Dudu, aquele marqueteiro, dos bons (que nunca deveria vindo parar aqui). Olha, Dudu n√£o era nenhum b√ībo nessa corte que est√° com os dias contados, mas tinha borogod√ī e levava a coisa a s√©rio. Pois n√£o √© que Dudu levou embora o note book de um sabid√£o?
- Hasta la vista, sabid√£o.

Modismo
Desde janeiro de 2011 até hoje que o nosso município se tornou "fashion" e aí começaram a surgir àqueles eventos estilosos, do gênero "The Brokebeck Mountain". Então, assim meio na moita, se pode dizer que o "Nobres Fashion Week" acontece por aqui. Quem é vip passa por Nobres e vai embora..., ficando a nossa curva de rio meio abandonada. Mas, quem é chegado num barraco, aí acha que deve ficar, mesmo que o baile tenha acabado. Mas, vamos respeitar a Constituição e conceituar o direito de ir e de vir... mas não para ficar. E por falar nisso, nos segredos da montanha, e os salários do funcionalismo, será quando que vai ser pago? Mas, setembro e outubro, juntos?
- Papai Noel, você existe mesmo, né?

Leitura Política
Os analistas pol√≠ticos nacionais anunciam que o resultado das urnas teve rotulado e patenteado o desejo de mudan√ßa. Em Nobres, isso ficou mais que evidente e as absten√ß√Ķes ficaram no patamar de 15,31% dos eleitores, ou seja, 1.762 eleitores deixaram de votar. Segundo o jornal eletr√īnico "A Gazeta", de Cuiab√°: "Dos mais de 397,6 mil eleitores cuiabanos, 74,7 mil n√£o compareceram √†s urnas no domingo (28/10/12), segundo turno das elei√ß√Ķes municipais. Entre os que exerceram o direito √† escolha do novo prefeito, 3,9 mil decidiram votar em branco, enquanto 8,4 mil anularam o voto". O que representa mais de 18% do eleitorado e se todos votassem, poderia influir decisivamente no resultado das urnas.
- √Č√©√©√©..., a cren√ßa nos pol√≠ticos est√° em queda livre e a mudan√ßa parece ser necess√°ria em nossos laborat√≥rios de testes.

Cidade Violenta
A viol√™ncia que toma conta da Grande S√£o Paulo assusta ao Pa√≠s e ao menos tr√™s policiais aposentados foram eleitos vereador na capital paulista, j√° recebendo o r√≥tulo de "bancada da bala". Entretanto, h√° quem diga que o policial tem como refer√™ncia o contato com a esc√≥ria social, da√≠ a cita√ß√£o de que o "Policial conhece a sociedade porque mexe com o lixo social", o que n√£o deve ser usado em favor pr√≥prio, mas de atitudes para corre√ß√£o de rumos no setor da seguran√ßa p√ļblica. Falamos de S√£o Paulo, √© bom que se saliente, conforme os principais ve√≠culos da m√≠dia apontam os fatos e discorrem sobre a elei√ß√£o dos policiais aposentados.
- Como ser√° que S√£o Paulo vai virar esse jogo na Seguran√ßa P√ļblica?

O Bruxo
O "propriet√°rio" do estacionamento municipal, Xuxa, para os √≠ntimos, previu a queda do governante atual em Nobres, meses antes das elei√ß√Ķes. Consultou os astros e suas companhias e tamb√©m teve a premoni√ß√£o de que o vereador Fermino seria reeleito. Essa linha direta de Xuxa com o al√©m o fez assinalar que o prefeito levaria uma "surra" nas urnas. Quarta-feira, 31 de outubro, vamos perguntar a ele quais as dezenas da Mega Sena que ser√£o sorteadas naquele mesmo dia. Ser√° que 38 milh√Ķes d√° pra acertar alguns pepinos que o munic√≠pio tem pendurado? Se isso acontecer, vamos pagar todos os u√≠sques e peixes na telha que esse pessoal comeu e agora n√£o quer pagar.
- São Hellinton que olhe por nós... amém.

Dondocas
Temos a lista aqui de quem mais usou o sistema de "delivery" por conta do contribuinte e agora n√£o faz nenhum esfor√ßo para pagar. Picanha mineira, peixe na telha com molho t√°rtaro e √°gua de c√īco eram as mais pedidas nessa parada de sucesso. Agora, na hora de pagar, √© amanh√£, depois de amanh√£ e assim vai, e ainda reclamam quando mandam a equipe do Capit√£o Jack Sparrow para aquela cobran√ßa(zinha) b√°sica. √Č hora de devolver a quem bem serviu o que √© de direito, o pagamento pelo que comeu, sob risco de ver aquela listazinha b√°sica no Facebook. O reverso da medalha √© comer peixe na telha e arrotar...
- ...traíra ao molho de banha de porco. Comeu, tem que pagar.

Na Lista
A dire√ß√£o do hospital conveniado fez distribuir a todos os vereadores atuais, cujos mandatos se encerram em 31 de dezembro de 2012, o montante da d√≠vida com aquela casa de sa√ļde, que perfaria o total de R$ 340.960,11 at√© setembro de 2012 atrav√©s do conv√™nio 036/2012. Al√©m do conv√™nio, consta cl√°usula contratual de aluguel do pr√©dio onde funciona o hospital. √Č como se o prefeito eleito tivesse que pagar da sua remunera√ß√£o como prefeito, aluguel do gabinete que utiliza para exercer as fun√ß√Ķes de prefeito, n√£o? Tem coisas que passariam longe do entendimento de S√≥crates, Plat√£o, Albert Camus, Ren√© Descartes, Michel Foucault, Jean Paul-Sartre, entre outros.
- √Č como diria vov√≥, que entendia bulufas de filosofia: "A pensar morreu um burro".

Patrim√īnio
Seria capaz de apostar duas moedas de R$ 1,00 cada, que o setor de patrim√īnio n√£o teria catalogado e etiquetado todos os bens patrimoniais municipais adquiridos entre 02 de janeiro de 2.009 at√© hoje. Apostaria tamb√©m mais duas notas de R$ 2,00 que todos os aparelhos de ar condicionado adquirido entre 2011 at√© 2012 n√£o ser√£o encontrados, muito menos catalogados e etiquetados. Uma licita√ß√£o feita de 800 mil reais com uma papelaria ser√° que foi cumprido integralmente? S√£o situa√ß√Ķes que a equipe de transi√ß√£o precisaria ver de perto e se for o caso, acionar a PJC para acompanhar o processo. Se o caso for de legalidade e se a equipe de transi√ß√£o for bem atendida, ser√° preciso verificar tudo isso; se ocorrer o inverso e se quiserem endurecer o jogo, o caso passar√° a ser de pol√≠cia. E a Lei Complementar 101, como ficar√°?

- E aquele barco, vindo de Foz do Iguaçu, estaria ancorado onde? Na Marina da Barra... do rio Nobres, que despeja no rio Cuiabá?

Eleitos

Um aviso importante, os candidatos eleitos tem que estar em dia com o servi√ßo militar para serem diplomados. Uma resolu√ß√£o aprovada traz como disciplina que a presta√ß√£o de contas ter√° que ser apresentada por advogado constitu√≠do, segundo informa√ß√Ķes anunciadas pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Quem n√£o tiver em dia com o servi√ßo militar √© fazer...
- ...meia volta, volver.

Sigilos
O que mais se ouve falar é em pagamentos de prestação de serviços que nunca ultrapassam aos R$ 8.000,00, conforme uma fonte informativa. Isso, obviamente, só vai aparecer anos mais tarde e toda a responsabilidade recairá só sobre o prefeito. A Lei de Responsabilidade Fiscal será que incide sobre assessores diretos do governante? Quem vai arcar com isso tudo será o prefeito, inclusive com o incidente que ocorreu ontem (25 de outubro) nos corredores palacianos, com uma correria e estupefação dos servidores. Teve um que deu um "migué" e passava pelo corredor supostamente falando ao telefone e nem aí para a paçoca. E gente com trabuco na mão.
- Na campanha política você é atirador de elite, passada a campanha você vira alvo, como é essa sensação, diz aí, caro sábio. E os paparazo's, aonde estavam?

Sigilos II
A f√°brica de frald√Ķes da marca "Segura a Peteca" deve ter lucrado com a venda de produtos num espa√ßo de pouco mais de 30 minutos. Foi um tal de mijar sem parar pelos corredores palacianos. √Č como vov√≥ dizia, mesmo sem nenhuma no√ß√£o de filosofia: "Quem tem c... tem medo". E nenhuma multid√£o para amparar os alvos da rapaziada, nem aquele mega economista que veio de Harvard se salvou. E depois, o contribuinte √© que √© ot√°rio. E novamente repristino vov√≥ e a pedra filosofal: "Quem n√£o deve n√£o teme".
- J√° quem deve, a√≠, a bronca √© outra. E n√£o √© o que salvador econ√īmico precisa de salva√ß√£o?

Sigilos III
Em uma administração em que se exige nível superior a muitos, quem toma conta das finanças não o tem e nenhuma referência de onde trabalhou, só poderia dar nisso, a presença de pistoleiros dentro da sede do governo segundo revelou uma fonte interna. O clima esteve tenso por lá e isso nos remete ao caudal de negligências administrativas que passarão pelo leito das nossas vistas daqui em diante. E depois, o otário somos nós, os que pagamos nossos impostos. E será como se sentem aquelas pessoas que fizeram espalhar panfletos em campanha política atacando pessoas, supostamente piores que aquelas que costumam cheirar canos de "tresoitãos"?
- Seria uma quest√£o de "pedigree"?

Visita Inoportuna
√Ā uma hora dessas, toda a cidade j√° deve saber dos visitantes que estiveram na sede do governo no meio do dia at√© por volta das 13:00 horas. O clima ficou tenso e portas foram fechando, uma a uma, para n√£o se dizer que outros sa√≠ram pela tangente. N√£o seria o momento de se aplicar a esse caso a palavra "desespero"? Nunca uma palavra foi t√£o mal colocada numa contextualiza√ß√£o de momento. Quem ri por √ļltimo, ri muito melhor, √© o que diria a l√≠der sindical a respeito da agiotagem de que foi acusada. E se h√° agiotas √© porque h√° tomadores de empr√©stimos.
- Que ser√° que houve? Que fim levou a conversa? Esse filme j√° passou aqui em idos anos.

Visita Inoportuna II
N√≥s avisamos, muitos avisaram, mas ningu√©m acreditou sobre as companhias novas que o chefe de governo passou a ter de janeiro de 2011 para c√°. Mas n√£o h√° nada de t√£o ruim que n√£o possa piorar, o pior vem depois dessa cobran√ßa, quando a LRF (LC 101) cobrar os resultados desse sonho de reelei√ß√£o que vai virar pesadelo. De Santa Rita do Trivelato vinham informa√ß√Ķes seguras do que poderia suceder em Nobres nos dias vindouros ao 10 de janeiro de 2011. Tragic√īmica a situa√ß√£o dentro do governo neste meio de dia para come√ßo de tarde, com a presen√ßa de cobradores e seus m√©todos, nada convencionais. A reelei√ß√£o foi como o voo da galinha e a aterrissagem, um tanto quanto ortodoxa. E como fica aquela panfletagem que tinha at√© fundo com a dezena Fifty-five? Aqueles secret√°rios escalados eram t√£o ruins assim ou aqueles que est√£o a√≠, cheirando cano de trabuco, √© que s√£o bons?
- Alguém para esclarecer? Correr pra debaixo da cama, não dá... não tem.

Escalação

Chega ao nosso conhecimento que tem gente do atual governo j√° "escalando" quem vai continuar na Secretaria de Sa√ļde e est√° l√° na pr√≥pria pasta aguardando pelo continu√≠smo. Tem uma que se diz "especialista" na √°rea e at√© j√° garantiu a sua perman√™ncia no mesmo setor. Realmente, ningu√©m quer largar o osso e ainda tem gente que diz que √© ruim e que, quem vai assumir, s√≥ encontrar√° pepinos. O compromisso com os cargos de confian√ßa quem tem √© o atual prefeito e tudo se acaba em 31 de dezembro e cabe ao prefeito a ser empossado as escolhas e quando e quem escolher√°.
- Sendo assim, quem anda escalando quem, não procede a informação.

Anonimato
Ficamos imaginando com que estará Pedro Paulo que nunca foi Pedro Paulo e que postou vários comentários num portal de notícias de Cuiabá se utilizando do anonimato. Pedro Paulo, o seu gosto musical denunciou você, que fez um tipo tacanho ao se eximir da responsabilidade e preferir o anonimato para aparecer. "Agora, taí, co cara de tácho". Terá sido esse mesmo Pedro Paulo que dizia que tinha alguém aqui deste jornal que gostaria de ser "marajá" da prefeitura? Pois é, Pedro Paulo, nós já falamos disso pessoalmente, não? Até lembrei de quem você cuidou muito bem, né Pedro Paulo?
- A propósito, Kitaro a folha de pagamento dos servidores municipais relativas a setembro?Hilário, esse Pedro Paulo.
LC 101
A Lei Complementar 101, a denominada Lei de Responsabilidade Fiscal, a que fim foi criada, editada e sancionada? Alguém, em algum dia há de respeitá-la. Deixar dívidas para outros pagarem, até quando isso? Queda na arrecadação ou crença em dados estratosféricos de receitas? Foram muito criticados os gastos com os eventos artísticos de renome nacional entre 27 de abril a 01 de maio de 2012, além da camoeca gerada no camarote vip. No ato de inauguração da Praça Josino Serra, o que mais se ouvia falar era em cefaléia pós-alcoólica e tropeço de um ou outro nas borboletas deixadas pelo caminho.
- A conta vem depois e quem gastou deve assumir pelos riscos. E aquelas revistas, feitas por gente com experiência internacional, quem paga essa conta? A LRF vai cobrar isso.

LC 101 II
Gastos abusivos com publicidade em ano eleitoral e o "sábio" do governo dizia, "este ano o TCE não vem e tudo será feito por estimativa". Então, vamos à gastança. Hoje, de volta a realidade, é preciso mendigar para que o veículo do Conselho Tutelar seja abastecido. E adivinhem quem nega o combustível à viatura do CT? O que tropeçou nas borboletas naquela admirável noite do camarote das mil e uma... nigth. Very Nice. Só que, o atual governo tem compromisso com a população até o dia 31 de dezembro de 2012 e quem está no poder sabe disso. Logo... abastecer o carro do Conselho Tutelar não passa de uma obrigação do governo para com o Conselho Municipal da Criança e do Adolescente.
- Ou será que os discursos de palanque eram só fantasia?Au, au, au... a cachorrada late mais agora, quando a caravana já vai pelo fim da estrada.

Hipocrisia Disponível
Fulano ama Nobres; Quero ver Nobres crescer; Quero só o bem estar do povo e mais nada. Tudo discursos de literatura de cordel, aliás, um excelente tipo de aprendizado através dos repentistas. A hipocrisia que vemos e que tão cedo não acabará é a que diz que na política só há mercenários, rótulos colocados só sobre os que entram, aos que estão ou aos que saem, diz-se de amor sublime amor por Nobres. E a cidade e a zona rural, a cada quatro anos, termina em cacos. Hipócritas de plantão dizem que todas as atividades comerciais podem ser exercidas com a Prefeitura de Nobres, exceto uma, integrante da lista negra do atual governo. Então tá, excelência, vamos despachar lá no Pindura, que é para melhorar o nosso alcance.
- Xiiiiiiiiiiiiiiiiaaaaaaaaaaaaaaaa, chega de hipocrisia!!!!!!!!!!

Profissional/Oferta
Se em algum dos 5.565 munic√≠pios do Brasil, menos Nobres, que chega ao n√ļmero de 5.566 prefeituras, estiver necessitando de um profissional em extravio de documentos p√ļblicos, √© s√≥ encomendar. Por aqui, exporta-se esse tipo de "know how" para o resto do Pa√≠s. Nunca se viu tanto extravio de notas como de um tempo a este aqui em Nobres. O "cara" √© bom nisso.
- Alguém para fornecer o endereço do bom rapaz?A propósito, que fim levou os estudos sobre a implantação do lixão?

Transição

A transfer√™ncia de informa√ß√Ķes de um governo para outro, prevista para acontecer nos pr√≥ximos dias, nos reporta a um s√°bado, dia 08 de janeiro de 2011, quando o prefeito Jos√© Carlos da Silva teria recebido em seu gabinete o empres√°rio Gilmarzinho da Ecoplan. Independentemente do que trataram na conversa, na segunda-feira, 10 de janeiro de 2011, quase todos os que se simpatizavam com Gilmarzinho foram demitidos, sem nenhuma satisfa√ß√£o. Nova leva de demitidos saiu em 03 de agosto do mesmo ano, logo ap√≥s uma reuni√£o realizada na resid√™ncia de Gilmarzinho, dia 30 de julho de 2011.
- E agora o sujeito vem com reuni√Ķes fortuitas, diplomacia e humildade para anunciar que muitas d√≠vidas ficar√£o. Isso √© com o TCE-MT, com o MPE-MT, com a PGJ, com o TCU ou quem mais quiser e a quem couber.

Transição II
O prefeito vai deixar d√≠vidas, ent√£o ele que re√ļna os credores e anuncie o que pretende fazer em rela√ß√£o aos seus pr√≥prios gastos. Deixar para os outros pagarem e sair de fininho, isso n√£o se faz. No m√≠nimo, espera-se que assuma isso publicamente, ao inv√©s de reuni√Ķes fortuitas e diplomacia de fundo de quintal com conversas reservadas. E o cara que se oferece para ajudar no futuro governo, quanta pretens√£o? Como se passa da arrog√Ęncia √† humildade, feito a pot√™ncia de arranque de um motor de Ferrari? Ao menos √© isso que vemos na tev√™, de 0 a 100 em tr√™s segundos. Cidad√£o, se √© por falta de adeus, v√° resolver problemas de INSS l√° em Kandharar ou em Cabul, no Afeganist√£o.
- Respeite ao menos o fundo de pens√£o dos trabalhadores e diga isso aos credores, publicamente.

Transição III
Em abril de 2012, supostamente, quando esteve na reda√ß√£o deste jornal pela primeira e √ļnica vez, o secret√°rio de Finan√ßas, Valdinei, veio com a miss√£o de aproximar o governo da empresa jornal√≠stica e foi mal sucedido. Naquela oportunidade, disse que as nossas principais fontes informativas estariam dentro da prefeitura e quase acertou, mas elas est√£o em quase todos os lugares e estavam dentro de uma loja, onde teria sido trocada a quantia de R$ 6.000,00 em cheques, quando dois entraram pela porta da frente e sa√≠ram pelos fundos, conforme a nossa fonte. N√£o vimos quando foi dado um cheque para pagar o milho adquirido em transa√ß√£o errada. Mas, temos mais hist√≥rias de cheques por aqui e at√© contaram que tem um l√° no bairro Petr√≥polis. √Č mesmo? Ser√° de quem?
- Ah! Deixa pra lá, a eleição já passou e os paparazzo's estão em férias ou hibernando, não é mesmo?E aquele secretário que lia a Trincheira e corria pra contar ao chefe?

Mal S√ļbito
Que coisa bacana, n√£o? Depois da derrota escachapante nas urnas, o sujeito se oferece para continuar no governo porque o governo, infelizmente, n√£o conseguir√° pagar todas as contas que fez. Depois de exercer o poder como franco atirador, eis que os governistas viraram diplomatas e fazem at√© visitinhas fortuitas e "amig√°veis". Quem se dispuser a pagar contas dos outros, parab√©ns pela boa vontade. Mas, desconfiai desse tipo de diplomacia, porque √© mal s√ļbito. Nunca na hist√≥ria de Nobres se viu tamanho terrorismo sobre pessoas atrav√©s de uma mal inventada "obriga√ß√£o" de colocar placas √† porta das casas. Como se tornaram bonzinhos de uma hora para outra, n√£o?
- Vai um peixe na telha para ajudar nessa conversa particular?

Mudança de Comportamento
Qualquer um que n√£o tenha boa mem√≥ria h√° de lembrar-se que at√© o dia 07 de outubro, at√© √†s 17:00 horas, tinha gente que andava com os vidros do carro abertos e esticavam os bra√ßos para cumprimentar, na maior alegria quando passavam. Com o resultado das elei√ß√Ķes, "elegeram" como culpadas todas as pessoas, as quais mal cumprimentam e pelas quais sentem certa ojeriza. Quem aparece como eleito n√£o gostou da vota√ß√£o e quem n√£o foi, menos ainda. O povo √© culpado de tudo isso? E novamente um fato repete-se, a compra de votos para chegar ao poder.
- Pobre povo rico... de sabedoria, em sua grande maioria. Mas, ser√° que em 2016 eles (os candidatos) voltar√£o a acenar para o povo?

Licitação
Primeiro falou-se na tal TransCoqueiral, uma estrada que atravessaria o PA Coqueiral/Queb√≥, estabelecendo conex√£o entre as duas MT's, a 240 e a 241. "Como n√≥is num √© b√ībo", ningu√©m caiu nesse KO. Depois, "armaram" um processo licitat√≥rio mais duvidoso que ver perna de cobra, que era para cair matando sobre um dinheiro que viria do Incra para recupera√ß√£o das vicinais rurais. Como o dinheiro n√£o veio porque teria sido barrado no seu nascedouro, quem venceu a licita√ß√£o n√£o viu a cor do dinheiro e os servi√ßos n√£o foram executados. Afinal, quem vai trabalhar de gra√ßa? Foram tantas mentiras pregadas em campanha e ainda tinha gente que postava fotos no Face se passando por tola ao acreditar em balelas e na possibilidade de uma virada, da mentira sobre a realidade.
- Depois que o povo aprendeu que eleição não se ganha com mentiras, o processo nunca mais foi o mesmo.

Fogo Amigo
Uma vit√≥ria que vai precisar ser comemorada por muito tempo vai ser a do jovem Adelian Messias, v√≠tima do chamado "fogo amigo". A campanha do rapaz foi "torpedeada" por todos os lados e por √ļltimo tentaram associar o seu nome a muitos fen√īmenos errados ocorridos na zona rural. Todas essas arma√ß√Ķes vinham de dentro do QG "amigo" e ele superou a todos com uma expressiva vota√ß√£o. Como se v√™, os inimigos n√£o est√£o fora das coliga√ß√Ķes, mas dentro delas. Na coliga√ß√£o "Mudar √© Preciso" tamb√©m tinha "amigo" contra "amigo" na disputa proporcional.
- Quer conhecer alguém, participe dos bastidores de uma campanha política. Quando se ganha, muitos lavam as mãos; quando se perde, se lava todas as mãos e mais alguma coisa.

Ar Condicionado

Uma pessoa ligada aos governistas alertou que sabe para onde foi parar um aparelho de ar condicionado de 24.000 BTU's. Não disse de onde saiu, mas diz que sabe para onde foi levado. Disse que sabe, então é preciso informar a quem de direito. Será mesmo? Na lista de bens patrimoniais do povo estão um barco, duas motos e dois veículos, modelos Pálio Weekend, verdadeiras sucatas trazidas de uma excursão a Foz do Iguaçu e, consequentemente, uma esticadinha até Ciudad del Leste. As motos nunca ninguém por aí, o barco é tido como rastro de cobra e os dois veículos, estes chegaram a circular e um deles tinha até rótulo, um adesivo em umas das portas, visto microscopicamente.
- √Č a chamada "Opera√ß√£o Desmonte".

Hora do Acerto
Se n√£o conseguir receber, tem gente prometendo divulgar conte√ļdo da segunda via impressa dos produtos adquiridos e ainda n√£o pagos em muitas noitadas de pajelan√ßas por conta do er√°rio. Olha! Seria de bom alvitre que se pagasse logo, que √© para evitar vexame maior. E j√° sabemos que somente duas pessoas costumavam pagar as suas contas com dinheiro dos pr√≥prios bolsos, esses estar√£o livres da possibilidade de vexame. E temos tamb√©m a lista de quem mais usou dos servi√ßos de "delivery" for pajelan√ßa.
- Ah! O peixe na telha tem o seu lugar entre os bons "gourmet's"... por conta dos outros, o sabor é exótico. Um bom malt escocês tem o seu lugar e à sua hora. Que tal a dica?

Hora do Acerto II
Tinha um gaiato que comia e bebia e depois davas as costas, deixando a conta para um parente próximo. Mas é assim mesmo, foi assim, todavia, porém, felizmente, acabaram-se os dias de moleza e quem quiser comer coisa boa vai ter que meter as mãos nos bolsos. Certa vez, uma cambada ficou esperando o líder chegar para começar a pajelança e o sujeito não apareceu, ninguém quis mais nada e saíram cabisbaixo. Nem me peça para contar quem mandou dar uma banana para a cambada. Mas... se insistir eu conto. "Manda todos pra pqp...", foi o recado dado.
- 'Anssim', na lata? Quem tem nariz empinado não pensa duas vezes. By, by e até mais ver.

Uma Bombada
√Äs v√©speras das elei√ß√Ķes municipais a ag√™ncia do BB foi arrombada e os terminais de auto atendimento explodidos, 15 dias depois a ag√™ncia segue com atendimento prec√°rio e os clientes tendo que se submeter a longas filas e muita espera. Realmente, tudo o que √© em favor do cidad√£o no que se refere √† presta√ß√£o de servi√ßo p√ļblico de qualidade, a m√° vontade predomina. Ali√°s, tudo o que se faz ali √© pago, com altas taxas e ainda assim ocorre essa longa demora na solu√ß√£o do problema, prejudicando dezenas de clientes de alguma forma.
- E a Lei da Fila?

Votos

Para quem acredita que o n√ļmero de votos seja determinante para qualquer posicionamento na C√Ęmara de Vereadores, √© bom ir tomando ci√™ncia de que Odson Ara√ļjo tem os mesmos direitos que Joel J√ļnior e assim por diante. A quantidade de votos s√≥ valeu para determinar quem ocuparia as 11 cadeiras existentes no Parlamento e uma vez empossados, todos s√£o iguais perante o Regimento Interno da Casa. Essa √© a primeira luz amarela a ser acesa para que todos reflitam sobre a presid√™ncia da Casa, que depende muito de di√°logos e de costura√ß√Ķes e nada a ver com a quantidade de votos. Trata-se de uma propriedade comutativa em que a ordem dos fatores n√£o altera o produto; sendo assim, o vereador ser√° o produto do seu meio, n√£o importando quantos votos obteve nas urnas.
-  Ou seja: 9 + 2 = 11 ou 2 + 9 = 11 = Regimento Interno + Comportamento Individual = 0000000.

Legislativo
Em 1.996, quando da elei√ß√£o do ent√£o prefeito Devair Valim, o nome que surgiu para ser o futuro presidente da Casa, Odonel Real da Silva, parecia n√£o ser o preferido do prefeito e Odonel Real foi tomar uma bebida forte e revigorante para tentar encarar o desafio da rejei√ß√£o do prefeito eleito, n√£o sem antes conversar com algu√©m que lhe desejou boa sorte. O resultado foi de 11 a 0 em favor de Odonel, eleito presidente do Legislativo. √Ä √©poca, o vereador Ado foi o mais votado, com 263 votos. Hoje, o vereador Joel J√ļnior √© o mais votado, mas n√£o anda brigando pela presid√™ncia e se o seu nome for apontado, a√≠ ser√° outra hist√≥ria. Mas a elei√ß√£o futura ter√° outros desdobramentos e ser√° discutida, mesmo, a partir de dezembro.
- Não há pressa, só para se conhecer o resultado das urnas, que todos já sabem.

Deu na Gazeta
"Dependendo do resultado do julgamento dos recursos no TSE, em especial no que diz respeito aos candidatos a vereador, os tribunais regionais eleitorais terão que retotalizar votos em dezenas de municípios em todo o país. Isso porque a votação recebida pelo candidato a vereador, ainda que não seja suficiente para elegê-lo, pode influenciar no coeficiente eleitoral, somando votos para os demais candidatos, membros de seu partido ou coligação".
- Ai, ai, ai... ser√° que Nobres faz parte desse roteiro? Aguardemos, sem pressa e sem receio.

Sal√°rios Pagos
Finalmente, come√ßou a ser paga a folha de setembro/2012, onde alguns setores j√° est√£o sendo pagos, desde o dia 17 de outubro. Os credores, bem, estes v√£o entrar na lista de sorteio ou de prefer√™ncia de algum poderoso para poder receber. Onde est√£o aquelas pessoas que diziam, antes das elei√ß√Ķes municipais, ser a salva√ß√£o do governo e que governariam em lugar do prefeito? Uma contribui√ß√£o nesse momento seria da maior import√Ęncia para ajudar a tirar a economia do buraco. S√≥ se necessita de solu√ß√£o quando h√° problema, sem estes, pra que gente para dependurar na folha "inchada"?.
- Tragam ao menos 11 solu√ß√Ķes e 55 motivos para evitar de ajudar quando mais se necessita.

Ao Pé do Ouvido
A fun√ß√£o de tesoureiro na Prefeitura de Nobres vem fazendo algumas v√≠timas ao longo do tempo. Seria compensadora a fun√ß√£o? √Č que os titulares ouvem cada coisa no cotidiano. Imagine o que o Florentino (n√£o confundir com Nicolau Maquiavel) tem ouvido nos √ļltimos dias. "Neg√£o", para simplificar. Ontem (17/10) foi um desses dias de "descarrego" sobre os ouvidos. Mas, e quem chegou para fazer a diferen√ßa na tal super-secretaria, n√£o ouve nada?
- No mínimo, ficaria de joelhos no milho por três dias, rezando 55.555 Ave-Marias e Pai Nossos... perdoai as nossas dívidas assim como perdoamos os nossos devedores (digo, eleitores) que não nos sufragaram.

Retrovisor
"Vinha voando na minha mula, quando vi pela frente...", mas, olhando pelo retrovisor, vimos que somente nas urnas 0148, 0107, 0154 e 0155 que o candidato da situa√ß√£o andou pr√≥ximo de alcan√ßar o candidato oposicionista Gilmarzinho da Ecoplan. Tudo a ver com a estrat√©gia de campanha, de passar por onde Gilmarzinho j√° havia passado. √ďbvio, aquele que corre atr√°s, s√≥ pode chegar em segundo, assim mesmo, porque s√≥ dois estavam na disputa. Daqui, tivemos a coragem de anunciar que o vereador Joel J√ļnior apresentava melhor densidade eleitoral que o prefeito. Dito e feito, JJ obteve 539 votos contra os 3.534 do candidato JCS, o que, proporcionalmente, confere prest√≠gio ao parlamentar municipal.
- Olhando para tr√°s...

Crise Econ√īmica

Proporcionalmente, nem no ano de 2.000 a cidade de Nobres viveu tamanho caos econ√īmico e que pode virar social tamb√©m a partir das d√≠vidas p√ļblicas que est√£o contabilizadas do per√≠odo 2011/2012. Avalia√ß√Ķes especulat√≥rias apontariam que o d√©ficit p√ļblico, hoje, chegaria perto dos 6 milh√Ķes de reais. Para ser pago em pouco menos de tr√™s meses, nem com milagre econ√īmico e nem com a presen√ßa do Rei Midas; menos ainda com qualquer alquimista, capaz de transformar papel podre em moeda.
- N√£o ter√° sido por falta de aviso.

Crise Econ√īmica II
A manh√£ de hoje (17/10) foi de tumulto na sede do governo, com os fornecedores se aglomerando e se acotovelando ali para tentar receber. O quadro √© tenebroso e quem perde com isso s√£o os servidores p√ļblicos municipais e o com√©rcio, ainda que o pagamento saia hoje ou amanh√£, j√° est√° atrasado e os juros corroem os sal√°rios. Lamentavelmente, esse √© o cen√°rio que se apresenta em Nobres ap√≥s o resultado das urnas em 07 de outubro. Se n√£o se estabelecer uma equipe de transi√ß√£o coerente com o tamanho do problema, a tend√™ncia √© que o quadro piore e o futuro gestor receba uma heran√ßa maldita.
- E naquela Secretaria de Plenos Poderes, a vida parece seguir sem nenhuma preocupação.

Crise Econ√īmica III
Tudo o que est√° ocorrendo agora era presum√≠vel e n√£o h√° nada de novo, bastando ver as nossas publica√ß√Ķes anteriores, baseada em conversas informais e em investiga√ß√Ķes feitas por vereadores junto aos balancetes de receitas e de despesas do munic√≠pio de Nobres. Tudo come√ßou a ruir a partir de fevereiro de 2011, quando se anunciou que "mudamos pra melhor". Aquele show de pirotecnia patrocinado pelo governo dentro da sede do Parlamento municipal, em 29 de fevereiro de 2012 n√£o trouxe nada de novo e na semana compreendida entre 27 de abril a 01 de maio deste ano os gastos se avolumaram e as finan√ßas nunca mais se acertaram na Prefeitura de Nobres.
- Está no final a "Grande Transformação".

Crise Econ√īmica IV
Onde est√£o aquelas revistas e publica√ß√Ķes feitas por gente que morava em Portugal, It√°lia, Fran√ßa e por a√≠ afora? Revistas car√©simas para tentar passar uma imagem que o governo nunca teve, tanto que a credibilidade dessas publica√ß√Ķes foram praticamente nulas e o resultado das urnas √© a prova mais cabal de que nem tudo que reluz √© ouro. Seis mil reais por uma capa de revista e algumas mal tra√ßadas linhas em p√°ginas internas com relatos de quem n√£o tinha nada a ver com Nobres. N√£o me consta que o Morro Vermelho seja alguma localidade da It√°lia... come se ha parlato.
- Para quem ainda n√£o sabe, Morro Vermelho √© ali na Vaj√ļ, onde se localiza o Shopping F√≥rmula.

Paparazzo
Um carro de entregas de uma empresa local teria sido seguido quando as compras dos clientes eram entregues como habitualmente se faz todos os dias da semana. Um camarada, bastante petulante, seguia o carro de entrega, e filmava por interesse político. Mas, veja só, o paparazzo deve essa empresa, cujo carro de entrega ele seguia. Como se vê, a falta de retrovisor faz com que o ponto cego seja ampliado. Sabem quem é a figura?
- Sai pra l√°, bundud√£o? "√ďia, Man√©, oc√™ me mata de vergonha!".

Last Updated ( Monday, 05 November 2012 21:07 )

 

Trincheira XXIV

Bate/Rebate
Repercutiu a Carta Aberta do líder sindical Anderson Boaventura e alguns vereadores rechaçaram a iniciativa do educador. A liberdade de expressão é garantia constitucional e gostar ou não gostar é papel que convém a cada um, como te
































































































































Last Updated ( Wednesday, 17 October 2012 10:40 )

Trincheira XXIII

Rua Bahia
Pedir votos na rua Bahia ap√≥s aquelas enchentes, isso √© dif√≠cil, muito dif√≠cil. Arriscar, √© ouvir, ao p√© da letra e do ouvido. Ser√° que tem algu√©m que arriscou? Ter√° que ouvir poucas e boas, aquele que arriscar. Dizem que algu√©m j√





























































































































Last Updated ( Tuesday, 25 September 2012 17:08 )

Trincheira XXII

Impasse Brabo
Os times de futebol que disputam a Copa Rural 2012 estão no impasse por conta de um regulamento que se apresenta equivocado, contra a participação de mais de três atletas "estrangeiros", ou seja, de fora da zona rural ou do municípi
















































































































































Last Updated ( Tuesday, 28 August 2012 18:44 )

Trincheira XXI

Mobilização
Os profissionais da educa√ß√£o sinalizam para o governo com uma mobiliza√ß√£o pela regulariza√ß√£o no calend√°rio de pagamento. Eles querem o cumprimento da lei, que prev√™ o pagamento at√© o quinto dia √ļtil de cada m√™s e a partir de h




































































































































































































Last Updated ( Thursday, 09 August 2012 11:28 )

Page 7 of 11

Trincheira LVI

Sem Rumo Tem gente dando pulos por conta do mais absoluto repensamento de objetivos. N√£o sabe se vai ou se fica, mas a verdade √© que a Lei Eleitoral mexe com muita coisa na pol√≠tica paroquial e alguns partidos ser√£o meramente figurantes nas pr√≥ximas elei√ß√Ķes municipais. Se n√£o houver uma reav

Rumos e Defini√ß√Ķes

A política municipal em Nobres parece que converge para um rumo que difere completamente do sistema político nacional. Longe da crise de confiança estabelecida no cenário nacional a partir da corrupção que ainda é marca nacional e a política exercida sorrateiramente por antigas cobras de um
Banner
Banner
Banner
Banner