You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

18/08/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Colunas Trincheira

Trincheira

Trincheira LV

À Flor da Pele

Um exorcista, por favor. A C√Ęmara Municipal de Nobres precisa chamar um padre e benzer o ambiente ou do contr√°rio, ‚Äúafastar‚ÄĚ os maus esp√≠ritos que rondam ali. Em dois anos e meio j√° se contabiliza ao menos um barraco por sess√£o. E por mais que se diga, a Casa de Leis tem a imagem que tem por conta dos seus ‚Äúinquilinos‚ÄĚ. O vereador Andr√© Avelino Bezerra, presidente da Mesa Diretora, vai chegar uma hora em que a sua paci√™ncia de monge tibetano vai se romper feito o dique de uma represa. Na sess√£o de retorno do recesso Parlamentar, pra n√£o variar, mais um barraco entre semelhantes.

- E quando n√£o se registrou nenhum barraco, h√° quem tenha dito: ‚Äúo Gardenal foi ingerido na medida certa‚ÄĚ.

À Flor da Pele II

No √ļltimo barraco uma situa√ß√£o ficou clara, o vereador Magal discursa pensando em 2.020, abordando a busca da reelei√ß√£o por seguidas falas. Consta que tem se dado ao prazer de ler e comentar as mat√©rias a um s√≥ tempo quando o seu papel √© √ļnico: ler e s√≥ ler. De outra parte, o vereador Nilson Filho, radialista e figura popular, precisa tirar a farda de poderoso e ser s√≥ vereador e representante do povo. Da imprensa ele √©, mas √© l√° na emissora, no Parlamento √© outra pessoa e representa todo um povo.

- Não diria onde ele esteve até pouco antes de chegar para a sessão legislativa. Cartão amarelo pra ambos. Sob risco de o eleitor dar vermelho, afinal, nem todos são surdos.

À Flor da Pele III

Como pensar em outubro de 2.020, se a ningu√©m √© dado o direito de pensar sobre o minuto seguinte? Como pensar no voto do eleitor se numa primeira chance fazem tudo errado? A Casa de Leis representa as aspira√ß√Ķes do povo e se o que fazem √© ‚Äúbrigar‚ÄĚ pelos interesses pr√≥prios, pensar em reelei√ß√£o √© prematuro. Em meio a tudo h√° um regimento interno e o vereador √© apenas um instrumento da vontade popular. Qual o papel do primeiro secret√°rio? Qual a compet√™ncia do segundo secret√°rio?

- Silvio Santos disse, no ar, a sua jornalista, Raquel Sheherazade: ‚ÄúVoc√™ √© paga para ler a not√≠cia e n√£o para comentar. Quando quiser comentar, compre um canal de tev√™ pra voc√™‚ÄĚ. Uuuuuiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!

Sabedoria Finita

Uma mulher, tomada pelo desejo de faturar uns trocos, teve a habilidade de montar os n√ļmeros sorteados na Mega Sena sobre um bilhete qualquer e foi receber a bolada. Mal comparado, √© como um marginal que se arma de um simulacro e vai assaltar pessoas, n√£o sendo dif√≠cil prever que isso n√£o vai dar certo. No caso da dona da Mega Sena, h√° outros fatores impressos que ‚Äėn√£o casam‚Äô com a sabedoria dela... t√£o curta quanto um coice de c√°gado.

- Se a inten√ß√£o era se tornar celebridade instant√Ęnea, deu certo.

Especialidade Rosariense (A Reprise)

Em Ros√°rio Oeste, ainda que j√° se tenha feito preces para S√£o Marcos e S√£o Bator√©, por l√° √© ruim de receber da Prefeitura. Eles solicitam publica√ß√Ķes e depois caem na maior ‚Äúamn√©sia‚ÄĚ para n√£o pagar. De outra parte, tinha mat√©ria de cunho pessoal que era paga como ‚Äėservi√ßos de inform√°tica‚Äô. Tem gente com essa papelada em m√£os. E o prefeito ainda pensa em fazer o sucessor, sem esse prest√≠gio pol√≠tico todo.

- Aceita-se √īnibus escolar sucateado como pagamento.

Especialidade Rosariense (A Reprise II)

Um certo sindicato l√° em Ros√°rio, com o pessoal, tamb√©m dado a amn√©sia, fez publicar edital da classe e depois trocou a tal diretoria e ningu√©m pagou. E a√≠ a gente v√™ aquela dona ‚Äúfabricando‚ÄĚ bilhete premiado da Mega Sena e acha que ela est√° errada, mas n√£o... √© apenas um lapso de mem√≥ria. H√° quem pense que aquela queixada de burro utilizada por Sans√£o para se livrar de cerca de 1.000 Filisteus tenha sido enterrada em Ros√°rio Oeste.

- A fama j√° vai longe.

Ros√°rio Emperrado

O munic√≠pio de Ros√°rio Oeste vai precisar dos grandes campe√Ķes em misticismo para lavar a cidade com guin√©, arruda, √°gua de fumo e sal grosso. At√© na obra da Prefeitura morre gente; p√°tio com √īnibus sucateado; e o prefeito na ‚Äúr√°dio‚ÄĚ, conversando com seus s√ļditos sobre o sexo dos anjos. Tem um site de not√≠cias que tem uma dona com dons premonit√≥rios e quem se sabe se o prefeito de Ros√°rio n√£o esteja recebendo dicas do al√©m. Al√©m do nada, faz-se o poss√≠vel para nada fazer.

- Será que a cabeça de burro estaria enterrada ali no meio do lago, em frente do Paço Municipal?

Ros√°rio Emperrado II

Saindo do Jo√£o, Ros√°rio pode ir de ‚ÄúBicicleta‚ÄĚ... assim como naquele filme de Spielberg, pedalando ao lado da Lua. Tamb√©m, numa terra onde tem lobisomem e ca√ßadores de animais silvestres (pode isso, Arnaldo?) se deparam com discos-voadores, tomar caf√© com os ‚Äújo√£os‚ÄĚ √© se deleitar em quimeras. √Č como diria o Marechal Tito, n√£o o da Forquilha: "Proteja a irmandade e a uni√£o como a coisa mais preciosa".

- De Bicicleta depois do João... ninguém merece. 

Sexo Exótico

Dentre as hist√≥rias que mais se ouve por a√≠ sobre os fetiches, conta-se sobre flagras dados em casais praticando o coito em cemit√©rio, no lix√£o, no tal do ‚Äúburac√£o‚ÄĚ, ali na serrinha, um pouco al√©m do residencial. Francamente, as prefer√™ncias sexuais j√° foram melhores um dia, em avi√£o, sobre o fog√£o, no √īnibus, mas essas apontadas aqui em Nobres com personagens locais, s√£o ex√≥ticas.

- Até demais.

Sexo Exótico II

O que n√£o dizer de um cara, ruim de mui√©, que... caso do acaso bem marcado em cartas de tar√ī, encontra uma namorada virtual e o caso vira realidade. Uma cartomante, pra variar, com capacidade para checar quando a antena vai levantar. Esse mundo cibern√©tico √© mesmo surpreendente, uma cartomante dispon√≠vel, avulsa, vai de dar de cara com o ex da Princesa Fiona, realmente, nem Freud conseguiria explicar.

- Deu na NCC Brasil/Nobres. √Č isso? O site de busca daqui est√° desatualizado.

Sexo Exótico III

H√° quem garanta um amor √† base da mandinga, com vela vermelha, farofa de an√ļ branco com azeitona e champanhe (cidra) em prato de barro, ‚Äúdespachado‚ÄĚ na esquina. Ali√°s, est√° perto de recome√ßar a temporada de despachos na ‚Äúencruza‚ÄĚ que, preferencialmente, faz parte do ritual pol√≠tico. Se macumba influenciasse em resultado, o Bahia bateria o time milion√°rio do Flamengo por 3 a 0.

Paraíso Fiscal?

O munic√≠pio de Nobres est√° prop√≠cio para se fazer e acontecer, na maior ‚Äúcara-dura‚ÄĚ de alguns espertinhos. Primeiro, o munic√≠pio ganhou uma legisla√ß√£o sobre regulagem da atividade tur√≠stica que √© exemplar, a Lei Municipal n.¬ļ 1420/2016, depois, a lei √© copiada aos interesses de outro munic√≠pio; um pouco mais adiante, aquele que copiou a lei fatura mais... ou seja, a criatura est√° acima do criador. E de mais a mais ou de menos a menos, onde n√£o h√° sequer uma √ļnica ag√™ncia, l√° os dados apontam que se vende mais que o local de origem.

- Então, compramos um cavalo e só andamos na garupa.

Paraíso Fiscal? II

Propaganda de biscoito. Nobres vende mais porque √© fresquinho... ou fatura menos porque √© bobinho? A equa√ß√£o √© simples: em Nobres est√£o concentradas a maioria absoluta das ag√™ncias de turismo, mas √© em Ros√°rio Oeste que os resultados aparecem muito mais positivos no Fisco de l√°. Nobres d√° a ra√ß√£o, engorda os cavalos aqui e os ‚Äúroyaltie‚Äôs‚ÄĚ do capim v√£o para outro munic√≠pio. Tem gente sonegando e o munic√≠pio est√° um verdadeiro Para√≠so Fiscal. Algu√©m precisa colocar um paradeiro nesse papel de ser aqui o ‚Äúpara√≠so‚ÄĚ e os lucros v√£o para outro lado. Ainda que v√°, o que estaria ocorrendo em Nobres? A sonega√ß√£o continua?

- Dizem que o olho do dono que engorda o boi, mas vemos que tem muito olho gordo sobre a nossa boiada.

Paraíso Fiscal? III

A sonega√ß√£o sempre correu solta por aqui. O CEFEM, por exemplo, era e ainda √© recolhido ao bel prazer dos empres√°rios, que sugam o meio ambiente √† exaust√£o e os lucros v√£o para investimento em outros munic√≠pios. Aqui, a comunidade come poeira de calc√°rio diariamente e um ou outro fiscal municipal ainda √© denominado de ‚ÄúFiscalzinho‚ÄĚ. Mais essa agora, de ser dono da bicicleta e s√≥ andar na garupa. N√£o saber ‚Äúpedalar‚ÄĚ n√£o √© o caso, mas fazer o papel de b√ībo numa corte que s√≥ sabe culpar o munic√≠pio e auferir lucros, a√≠ a cedilha do C √© mais em cima.

- √Č preciso jogar duro contra a ‚Äúind√ļstria da sonega√ß√£o‚ÄĚ.

Paraíso Fiscal IV

Quem teima em comparar Nobres com Bonito, s√≥ se for em rela√ß√£o aos ambientes naturais, j√° que l√° a palavra Bonito √© quase que uma mantra por l√°, est√° nas canetas, nas camisetas, na preserva√ß√£o ambiental, na legisla√ß√£o, na cabe√ßa dos empres√°rios e dos guias tur√≠sticos que n√£o permitem uma √ļnica visita√ß√£o sem o ‚Äúvoucher‚ÄĚ. E mais, dono de atrativo √© dono de atrativo; dono de ag√™ncia de turismo √© dono de ag√™ncia de turismo; os dois n√£o se misturam. Dizer que em Nobres n√£o h√° sonega√ß√£o, √© a maior mentira. H√° incompatibilidade de interesses entre donos de ag√™ncia e de atrativos em rela√ß√£o ao Fisco municipal, para o qual n√£o √© recolhido o imposto devido.¬†

- Nobres não é Caribe, mas tem lá seus piratas.

Cabra Danado

Esse m√©dico que foi prefeito por quantas vezes quis e depois elegeu a esposa, l√° naquela cidade do Cear√°, era cabra danado e ‚Äúmamador‚ÄĚ. Fazia testes dando uma mamada nos seios das pacientes, mesmo sem ter especialidade em ginecologia. Bom de perer√©ca e de administra√ß√£o, j√° que foi eleito, reeleito e colocou a patroa como prefeita para n√£o atrapalhar nos neg√≥cios.

- Eita! Imagine a cara do ‚Äėcabra‚Äô depois de tudo isso.

Cabra Danado II

A patroa/prefeita ainda desmentiu sobre o que dizem dele embora ele afirmasse que fora do consult√≥rio chegou a ‚Äútra√ßar‚ÄĚ tr√™s pacientes. E o cabra ainda sofreu apenas uma interdi√ß√£o cautelar. As cidades onde os m√©dicos s√£o tratados como semideuses, correm o risco de ocorr√™ncias estranhas ao exerc√≠cio da Medicina. Uruburetama √© a cidade... seria um flamenguista esse caboclo mamador?

- Vai encarar uma ‚Äúrola‚ÄĚ daqui pra frente.

Uruburetama e Afins

Vi dizer que em uma outra cidade, sei l√° onde... o ‚Äúdot√ī‚ÄĚ se reunia em rodinha de amigos e a alguns descrevia como seria a ‚Äėperer√©ca‚Äô de algumas pacientes. Risos sobre a descri√ß√£o, mas entre elas (as pacientes citadas), teve ou tem uma que ficou famosa. Aus√™ncia de √©tica √† parte, l√° no Cear√° o cabra era danado mesmo era pra mamar. E algu√©m diria: ‚Äút√° c‚Äôo sodade de cha m√£e, fdp...‚ÄĚ.

- Aquele cantor, o Silvio Brito, dizia que ‚Äút√° todo mundo loco...‚ÄĚ e ningu√©m acreditou.

Especialidade Rosariense

Em Ros√°rio Oeste, ainda que j√° se tenha feito preces para S√£o Marcos e S√£o Bator√©, por l√° √© ruim de receber da Prefeitura. Eles solicitam publica√ß√Ķes e depois caem na maior ‚Äúamn√©sia‚ÄĚ para n√£o pagar. De outra parte, tinha mat√©ria de cunho pessoal que era paga como ‚Äėservi√ßos de inform√°tica‚Äô. Tem gente com essa papelada em m√£os. E o prefeito ainda pensa em fazer o sucessor, sem esse prest√≠gio pol√≠tico todo.

- Aceita-se √īnibus escolar sucateado como pagamento.

Especialidade Rosariense II

Tem um sujeito, especialista em fazer dinheiro, dizendo que vai comprar um caminhão com pás e picaretas e distribuir em Rosário Oeste, colocando R$ 2.000,00 como prêmio para quem achar primeiro a cabeça de burro que está enterrada em algum lugar da cidade. Mas, vai que seja despacho na encruzilhada... não há quem dê jeito ali. Só falta mesmo o município importar o prefeito de Uruburetama.

- Cabra danado, que nem cabrito novo. Capaz de mamar até numa onça.

Garimpo

As administra√ß√Ķes municipais que adquiriram im√≥veis de pol√≠ticos e at√© de ent√£o conselheiros do TCE-MT, teriam sido de uma inabilidade a toda prova. Um antigo im√≥vel, adquirido na gest√£o da ent√£o prefeita L√≠dia Barbosa, especificamente para ser o Lar dos Idosos, com aval da C√Ęmara de Vereadores, est√° sendo reivindicado como propriedade de um velho pol√≠tico. Com mais de duas d√©cadas e meia da negocia√ß√£o, tem gente mexendo os pauzinhos por a√≠.

- Alguém está errado nisso tudo e não é a população municipal e nem o gestor atual.

Garimpo II

Algu√©m vai ter que pagar essa conta e n√£o vai ser o povo. Como √© poss√≠vel a negocia√ß√£o ter o aval da C√Ęmara Municipal, ter sido pago e agora surge um reclamante. A rela√ß√£o, no m√≠nimo seria estranha para os dias atuais, um ent√£o conselheiro ‚Äúvendendo‚ÄĚ im√≥veis ao munic√≠pio. Algu√©m ter√° que acionar o Minist√©rio P√ļblico Estadual para se saber at√© onde vai a legalidade do ato e quem estaria certo ou errado? Pagar de novo?

- Tem centelha nesse capim seco.

Consultando os Astros

Um jornalista, cr√≠tico √°cido da administra√ß√£o do prefeito Jo√£o Balbino, de Ros√°rio Oeste, teria recebido uma ‚Äúconsulta astral‚ÄĚ, de gra√ßa, em que a cartomante recomendaria que ele ‚Äúdeixasse‚ÄĚ de lado essas quest√Ķes e s√≥ se preocupasse com aspectos positivos. Ou seja, deixa pra l√°..., isso est√° parecendo at√© cartas marcadas. Deixa de ser oposi√ß√£o e vem ser situa√ß√£o, ser√° que √© isso que diziam as cartas?

- Mas, cruzar a fronteira sem pa$$aporte, n√£o h√° risco? Well! Embaralha de novo.

Cozinhando o Cozinhado

Est√° na moda a cita√ß√£o ‚Äúviralizou‚ÄĚ, mas na √©poca da jovem guarda a palavra era ‚Äúcoqueluche‚ÄĚ, mas o assunto aqui n√£o tem nada a ver com v√≠rus nenhum, mas tratar-se-ia de um suposto ‚Äúbalde‚ÄĚ onde seria armazenado √≥leo de cozinha de reuso para ser reusado (pleonasticamente enfatizando) na fritura de pastel... por a√≠. A quem caberia essa averigua√ß√£o nas melhores casas do ramo da alimenta√ß√£o? A gordura j√° queimada em outras frituras, esfriada e reutilizada deve ser algo que nem uma pia consegue desvencilhar daquele material. Ocioso dizer que para a sa√ļde n√£o √© e nunca ser√° um santo rem√©dio.

- A informa√ß√£o ‚Äúvisa‚ÄĚ despertar a aten√ß√£o de quem compra e daqueles que se utilizam desse artif√≠cio do reuso indiscriminado.

Cozinhando o Cozinhado II

Obviamente, esse ‚Äúcozinho‚ÄĚ n√£o √© dos melhores, com o √≥leo queimado. Olha, tem cada pastel, por a√≠, que √© de causar azia em urubu. Esse papo do balde de √≥leo guardado est√° virando uma coqueluche na cidade... √© uma brasa, mora? Pode at√© n√£o vir da √©poca da jovem guarda, mas o √≥leo de que tanto falam, vem sendo reutilizado por seguidas frituras. Caso seja fato, mesmo, algu√©m precisa frear essa coisa. A verifica√ß√£o √© necess√°ria e de tamanha contribui√ß√£o para a sa√ļde da popula√ß√£o e at√© pra melhorar a imagem do bom e velho pastel que a gente gosta.

- Vamos ver?

Retos e Curvas...

J√° vimos coisas surpreendentes e at√© o que n√£o vimos chega a surpreender. H√° d√©cadas atr√°s, um goleiro do Corinthians, em Cuiab√°, no ent√£o Cine Tropical, circulava com uma revistinha de palavras cruzadas pela m√£o. Era o Tobias, que mais tarde usou o exemplar como papel higi√™nico. Nada de anormal, mas inusitado, mesmo, foi algu√©m lan√ßar m√£o de uma esponja, utilizada para a limpeza de pratos e de vasos em substitui√ß√£o ao papel higi√™nico. Sinal de que... quem tem c.. tem medo... de arranh√Ķes. Acredita-se que tenha sido um improviso ante o apuro moment√Ęneo, j√° que o barro j√° havia ca√≠do e a alternativa encontrada foi a esponja... em lugar errado, na hora errada.

- O assunto viralizou numa prefeitura por aí. Será que foi o Bob...?

Ciclos sem Vias

O TCE-MT, voltou a citar os ex-prefeitos de Nobres por conta de um conv√™nio ‚Äúmal executado‚ÄĚ. O governante n√£o pode ser t√£o inocente a ponto de se deixar cair numa cilada dessas. O valor conveniado foi fruto de uma emenda parlamentar do ent√£o deputado Campos Neto, hoje conselheiro do TCE-MT, mas haveria outras situa√ß√Ķes por tr√°s do valor total da emenda em ano eleitoral e teria a ver com uma ent√£o candidata em Ros√°rio Oeste. Seria mesmo isso que se comentava √† √©poca? Os ex-prefeitos s√£o ‚Äús√≥cios‚ÄĚ na desventura de ter que pagar a conta, acima dos 120 mil reais. Aquilo que seria emenda, teria vindo toda ‚Äúreemendada‚ÄĚ e sobrou para algu√©m... alguns, melhor retificando.

- Foi ajudar e a ajuda se virou contra o ajudante.

Sucess√£o 2.020

O Democratas em Nobres segue como a √ļnica sigla pol√≠tico partid√°ria a espalhar poss√≠veis nomes √† sucess√£o municipal do ano que vem. O ex-vereador Manoel Fermino Pinho √© o ‚Äúrei‚ÄĚ das especula√ß√Ķes e j√° sugere nomes como o de Gilmarzinho da Ecoplan, Sergio Takeuti e em √ļltima inst√Ęncia o pr√≥prio nome. √Č o famoso ‚Äėjogo de cena‚Äô para valoriza√ß√£o do passe quando come√ßar o leil√£o.

- Mas, parece que as regras mudaram, n√£o?

Sucess√£o 2.020 II

Segundo se fala, quem estaria firme para a disputa proporcional seria o m√©dico Dhener Hebart. Pode come√ßar por uma cadeira ao Legislativo, mas dele mesmo n√£o se sabe se isso seja verdade. √Č do Democratas, que tem uma ‚Äúcasa‚ÄĚ superlotada e, ao que consta, o atual prefeito Leocir Hanel teria convite para se filiar ao DEM a partir da alta c√ļpula Democrata sob Jaime, J√ļlio e outros nomes. O prefeito de Nobres n√£o parece propenso a aceitar, mas vai que...

- ... muda de ideia, seria um problem√£o e tanto para os antigos.

Sucess√£o 2.020 III

Dizem que aquele que tiver mais bala na agulha pode levar (...), com o fim das coliga√ß√Ķes. Madre de Dios, vai ser uma esp√©cie de corrida do ouro em vers√£o pol√≠tica, onde alguns barcos podem naufragar. E aqueles que j√° estiverem em alto mar... morrem afogado ou ser√£o comidos por tubar√Ķes. Em alto mar, pra bom entendedor, s√£o os que ficaram sem mandato ou foram ‚Äúdespejados‚ÄĚ pelo eleitorado, em Nobres, √© bom que se diga.

Sucess√£o 2.020 IV

Sem coligação, só com a força do voto, quem já foi vereador e até quem é vereador, para muitos, a coisa ficar complicada. Para quem caiu do trem em movimento, retomar uma nova viagem é tão complicado quanto catar papel na ventania. Sem dinheiro, só na lorota, aí que não vai subir no trem, mesmo, ainda que este esteja parado na estação.

- Como diria Agnaldo Tim√≥teo: ‚ÄúQuando o trem parar na esta√ß√£o; Eu sentirei no cora√ß√£o; A alegria de chegar...‚ÄĚ. Se chegar...

Zap-zap

Tivemos acesso a algumas postagens no grupo da TV Cidade... pensa num grupo animado e que anda na contramão da situação. A administração municipal é tratada como piranha depois de fisgada... tome paulada para não ficar pulando no barco, pronta a morder o pescador. Desde outubro de 2.016 o grupo segue ativo e agora que o pau vem comendo solto. A popularidade da administração municipal passa longe dali.

- Não é de Rondonópolis... mas é o União.

Zap-zap II

Longe da temporada de mangas, nas redes sociais circula uns v√≠deos de uma manga que √© do gosto popular (√© mesmo?). Miss Bourbon √© realmente show e viralizou nas redes sociais. E pensar que Antonio Carlos Jobim ganhou o mundo com a sua ‚ÄúGarota de Ipanema‚ÄĚ. Algu√©m pra se antecipar a temporada de manga e fazer uma can√ß√£o para essa manga, que n√£o √© a rosa, mas a borb√£o. Algum letrista por a√≠?

- "Olha que coisa mais linda; Mais cheia de gra√ßa...√Č ela, menina... Que vem e que passa...Mo√ßa do corpo dourado...‚ÄĚ.¬†

Entenda se Puder...

... e quiser. O vereador Magal, √†s turras com Bator√©, foi receber ‚Äúafago‚ÄĚ daquele pessoal que n√£o deixa passar uma chance de ‚Äúporretear‚ÄĚ o emblem√°tico parlamentar. T√™m instantes em que os leigos em trairagem chegam a acreditar que a vida √© mesmo um ‚ÄúBig Brother‚ÄĚ ao natural e ao l√©o... onde o que mais importa √© chegar √† final e abiscoitar aquele ‚Äúmilh√£o‚ÄĚ, h√≠brido.

- E ainda tem gente que pensa que já viu de tudo. 

Especula√ß√Ķes

O que j√° se especulou nos √ļltimos dias sobre o novo secret√°rio municipal de Sa√ļde de Nobres n√£o foi brincadeira. Tem gente roendo as unhas pra falar e outras para saberem. Gatos, dizem que tem sete vidas, mas v√°rios deles j√° morreram por conta da curiosidade. Muita gente vai se surpreender com o que est√° chegando... roam as unhas e esperem. Sabem quem √©?

- 100 respostas.

Gente Criativa

Tem um pessoal desocupado que anda criando pontes sem pilar. A m√°gica √© tamanha que andam falando no lan√ßamento de uma candidatura majorit√°ria da namorada de uma alta figura pol√≠tica. Desde que n√£o seja aquela que aplicou o maior 171 no pobrecito do Neymar, v√° l√°. Em per√≠odo pr√©-eleitoral, tem gente com capacidade para superar at√© aquele pastor evang√©lico que tem o "poder" de tornar coxos verdadeiros campe√Ķes nos 100 metros rasos em atletismo de ponta.¬†

- O clone de Valdemiro Santiago é visto em locais de muito burburinho. 

Caminho √ćngreme

O prefeito de Ros√°rio Oeste, Jo√£o Balbino, parece estar com dons premonit√≥rios e est√° buscando as pazes com alguns inimigos, como a fazer uma esp√©cie de ‚Äėvia crucis‚Äô ou o ‚ÄúCaminho de Compostela‚ÄĚ, ainda que saia sem as costelas. A r√°dio j√° foi uma dessas esta√ß√Ķes da sua via crucis; depois foi um certo jornalista, que hoje morre de amores por aquela gest√£o.

- Ossos do ofício de prefeito?

Caminho √ćngreme II

Faltaria um para o complemento de outra esta√ß√£o dessa via crucis, mas esse osso parece mais duro de roer e acredita-se que venham mais bordunadas por a√≠. Parece que a√≠... entremeado, h√° um que quer a vaga a ser deixada pelo Jo√£o. Segundo o Evangelho de S√£o Marco: "Ele p√īs-se a proclamar: ‚ÄúDepois de mim vem outro mais poderoso do que eu, ante o qual n√£o sou digno de me prostrar para desatar-lhe a correia do cal√ßado."

- E assim se sucedeu...

Segurança?

De vez em quando, o controvertido (não entender como convertido a outra doutrina) Batoré sai por aí com um grandão e há quem suponha que seja o seu segurança particular. Na verdade, ali está o aluno de Nicolau Maquiavel... em reencarnação pessoal. O danado é que naquela web tevê tem até cartomante e já foram consultar até aquele pai-de-santo daqui de Nobres, o homem do tarot.

- Pelas cartas, leu-se que Jo√£o faz o sucessor. Ser√°? Ciberneticamente falando... jo no credo.

Ros√°rio nas Cartas

As cartas da tarot dizem que h√° muitos problemas em um cemit√©rio de japu√≠ras, descoberto recentemente. Not√≠cias e bruxarias... isso est√° parecendo aquele comercial de carro da Renault Kwid, com bruxos, magos, drag√Ķes. Estava escrito em cartas bem marcadas de tarot, que ao inv√©s da coruja, s√£o as japu√≠ras que trazem maus agouros.

- Orai, irmãos, vem fumo por aí.

Fama às Avessas

Amea√ßado de levar um ‚Äėcacete‚Äô, o popular Bator√© n√£o anda muito descuidado l√° em Ros√°rio Oeste... e nem em Nobres. Fez circular uma esp√©cie de auto nota de rep√ļdio que ganhou a simpatia de outros sites e ficou assim, famoso, instantaneamente. Mas, nada que afaste o risco. Na Forquilha, n√£o vai nem em dorso de boi voador.

- O líder dos partisans... Marechal Tito, promete guerra contra as forças do eixo (vide, Segunda Guerra Mundial).

Fama às Avessas II

De outra parte, e$creveu e não leu... o pau comeu. Está por aí, uma notinha indireta que nem flecha certeira, com versão sobre um certo caso extraconjugal de alguém em Rosário da área governista. De capa de revista a comentário insinuante. Cada um dá o que tem e o que gosta. O fim do namoro com a mídia gera descobertas tais e como tais... $ão revelada$.

- Cada qual com a sua ideologia de gênero, independentemente de ser bi... ou tri. Tem tétra e trêta.

Arrumando a Casa

‚ÄúA Prefeitura de Ros√°rio Oeste atrav√©s da Secretaria Municipal de Infraestrutura continua os reparos das ruas e avenidas dos principais bairros da cidade. Segundo o Secret√°rio de Infraestrutura Maxmar Cezar, nesta semana os reparos est√£o sendo concentrados no bairro Santa Izabel que apresenta alguns pontos cr√≠ticos em sua malha vi√°ria.Ainda segundo Maxmar, o servi√ßo de reparos nas ruas e avenidas do munic√≠pio est√° seguindo uma determina√ß√£o do prefeito Jo√£o Balbino e ser√° realizado gradativamente nos pontos mais cr√≠ticos da cidade para melhorar a trafegabilidade das pessoas que passam por esses locais‚ÄĚ.

- A nota acima est√° no portal municipal de Ros√°rio Oeste.

Sob Vigil√Ęncia

Nobres t√™m 13 vereadores atualmente e a Matem√°tica tem sua exatid√£o na medida em que se sabe que dois parlamentares fiscalizam Ros√°rio Oeste e Nobres embora perten√ßam ao Legislativo de l√°. Um deles esteve em Bom Jardim no ano passado, exigindo ambul√Ęncia em um jogo de futebol para atendimento de um atleta que teria esquecido em casa a sua bombinha ‚Äúanti-asm√°tica‚ÄĚ. O outro, ‚Äėfiscaliza‚Äô com tamanha regularidade o Di√°rio Oficial da AMM, o Portal Transpar√™ncia do munic√≠pio de Nobres e sabe (tim por tim) tudo o que o munic√≠pio faz, chegando a impressionar tamanha regularidade.

- Isso que é fiscalizar, mas vai o eleitor fiscalizá-los pra ver como é o pau de galinheiro.

Sob Vigil√Ęncia II

Fiscalizar os outros é bom, mas o parlamentar municipal não tem esse poder de atuar em dois municípios, devendo ficar, mesmo, com o seu lugar ao Sol do lado de lá, em Rosário Oeste. Fiscalizar é dever de ofício, mas quando isso vira uma obsessão, aí a questão é bem outra. Cá é cá, lá é lá, e a preocupação com o município onde foi votado é a que deve prevalecer embora se saiba que a mudança de domicílio eleitoral seja permitida. Vem pra cá, aqui deve abrir 11 vagas, ano que vem. Por ora, cuidem do lado de lá e não se esqueçam que tem gente de olho em vocês também.

- Bora trabalhar que é melhor, antes que o eleitor perceba qual o interesse nisso tudo.

Apoio Político

Todos os indicativos são de que o prefeito João Balbino vá apoiar a sua vice-prefeita à sua própria sucessão. Um dos pontos observados é a aproximação do prefeito com setores da imprensa que descia a borduna sobre a sua gestão, mas parece que não funcionou 100%, considerando-se que o pau ainda vem comendo. Foi um tiro disparado na água, lembrando ainda que um vereador, hoje na oposição, sonha com o lugar do João Balbino, mas não se sabe se vai ter pique pra chegar lá. Quando se diz pique, é necessário lembrar do bereré, que quase ninguém tem e não vai ser do jogo do bicho que se vai capitalizar para campanha. Primeiro que Arcanjo e Dom Fred não apóiam político, só empresta; jogando no bicho, só se acertar um milhar a cada extração diária ao menos um mês, o que nem Pitágoras conseguiria tal feito.

- Mas..., sonhar não é proibido.

Apoio Político II

A vice-prefeita T√Ęnia Conrado seria a eventual candidata de Balbino, que n√£o est√° bem na fita, mas teria o apoio de Zeno Gon√ßalves, o que representaria alguns passos adiante. De outra parte, a oposi√ß√£o que se apresentou at√© agora √© fr√°gil e sem apontar sa√≠das, n√£o ser√° com pedradas que os resultados ser√£o positivos, at√© porque, financiamento com ‚Äúduzentinho‚ÄĚ por m√™s, nem um engolidor de facas e que durma numa cama de pregos ag√ľentaria. Pode ser que surja um candidato com cacife financeiro em busca da simpatia popular, mas esse ainda estaria camuflado.

- ‚ÄúDuzentinho‚ÄĚ por m√™s gera desist√™ncia, principalmente quando algu√©m oferece o que tem nos bolsos - 270. Aiaiai... uiuiuiu.

√Ārea de Fronteira

‚ÄúEm sete dias, 151 autores de crimes foram presos pelas for√ßas de seguran√ßa na Regi√£o Integrada de Seguran√ßa P√ļblica (Risp 6), que tem como sede o munic√≠pio de C√°ceres (217 km ao Oeste de Cuiab√°). A opera√ß√£o ‚ÄúFronteira Integrada‚ÄĚ, deflagrada pela Secretaria de Estado de Seguran√ßa P√ļblica (Sesp-MT) terminou na √ļltima sexta-feira (31.05) e contou com um efetivo empregado de 286 profissionais que atuou nos munic√≠pios de C√°ceres, Mirassol D‚Äôoeste, Porto Esperidi√£o, S√£o Jos√© dos Quatro Marcos, Araputanga, Rio Branco e Lambari D‚ÄôOeste‚ÄĚ.

- Muitos lobos entocados at√© ent√£o. A informa√ß√£o est√° no portal da Seguran√ßa P√ļblica de MT.

√Ārea de Fronteira II

‚ÄúAinda durante a opera√ß√£o foram abordados 3.952 pessoas e 1.205 ve√≠culos, totalizando 11 ve√≠culos recuperados. Ao todo, 11 armas foram apreendidas e o Corpo de Bombeiros Militar realizou 149 fiscaliza√ß√Ķes em estabelecimentos comerciais. Nove adolescentes foram apreendidos por envolvimento nos crimes na fronteira‚ÄĚ, conforme o portal.

- Devidamente fiscalizados e a garotada frequentando o mundo do crime.

Renovação/Legislativo

A C√Ęmara Municipal de Nobres est√° reformulando alguns conceitos e um deles √© a finaliza√ß√£o burocr√°tica em rela√ß√£o a um portal oficial que ofere√ßa transpar√™ncia e seguran√ßa em tempos de ‚Äúinvas√£o‚ÄĚ cibern√©tica como tem ocorrido em muitos Parlamentos na √°rea da oficializa√ß√£o de informa√ß√Ķes. Com quase cinco meses da nova Mesa Diretora, o presidente Andr√© Avelino Bezerra tem procurado acertar as quest√Ķes administrativas e reorganizar a Casa. S√£o quest√Ķes burocr√°ticas que est√£o sendo acertadas e o entendimento do l√≠der da Mesa Diretora √© que as solu√ß√Ķes n√£o ocorrem ao simples uso de uma varinha m√°gica.

- Mas não deixa de entender que funcionar legalmente não é exceção, mas deve ser regra.

Renovação/Legislativo

Ao que se sabe, a C√Ęmara Municipal de Nobres est√° finalizando a parte contratual com uma empresa mantenedora de portais de plataforma consistente. √Č a preocupa√ß√£o contra os hackers e a invas√£o da privacidade oficial, com sequestro de dados e cobran√ßa de resgate. Ademais, segundo se sabe, todas as informa√ß√Ķes necess√°rias s√£o disponibilizadas no Aplic, enviado normalmente ao TCE-MT. Mas, quanto mais transpar√™ncia, tanto melhor para o agente p√ļblico preocupado com a sua gest√£o administrativa e com a informa√ß√£o oficial aos seus representados, conforme tem sido a impress√£o daqueles que integram a Mesa Diretora e o colegiado de parlamentares.

- Então, publicamente, é isso que está sendo alinhado.

Sem Alardes

Aqui na regi√£o do M√©dio Norte, o portal de um Legislativo foi invadido e n√£o faz tempo. √Č um vasculhamento total e ocorre o ‚Äúsequestro‚ÄĚ de dados da folha, de sorte que nos Parlamentos n√£o h√° demonstra√ß√Ķes de dados sobre transa√ß√Ķes deste ou daquele com agiotas. Valha-nos, Jesus, informa√ß√Ķes vazadas nesse sentido ali pelas bandas da cinematogr√°fica ‚ÄúRos√°riwood‚ÄĚ.

- Mam√£e... eu quero queijo.

Palpite Aí?

Acusado de vender senten√ßa, o juiz de MT, Evandro St√°bile, al√©m da tornozeleira eletr√īnica, est√° proibido de frequentar qualquer ZBM, boteco ou arriscar jogar uma caixeta, pif-paf ou truco. Nem arriscar fazer uma fezinha no Le√£o ele est√° podendo, dar palpites para o milhar, menos ainda. N√£o conhecemos ningu√©m que tenha uma aposentadoria (na marra) de pouco mais de 30 mil pilas e queira frequentar ZBM, at√© porque, esse tipo de ambiente anda ‚Äúdemod√™‚ÄĚ. ¬†

- Restrição mesmo, é aposentar-se aos 80 anos, com a próstata tamanho de uma laranja e o velho instrumento de trabalho mais murcho que maracujá maduro engavetado.

Na VG

O lugar danado para aparecer coisa estranha √© V√°rzea Grande. L√°... boi voa, tem gente vendo coruja com tr√™s olhos, cobras de tr√™s cabe√ßas e at√© polvo aparece em c√≥rrego de √°gua doce. Guardadas tais coisas m√≠sticas, a noticiada informa√ß√£o de que uma empresa de Eduardo Botelho, virtual candidato √† sucess√£o municipal no ano que vem, tenha ganho uma licita√ß√£o de mais de 8 milh√Ķes na Vaj√ļ, isso, l√°, √© t√£o trivial quanto comer fil√© de botoado e arrotar salm√£o.

- Conta outra.

...√īrra Meu

A identificação genética a partir do confronto entre o material coletado de vítimas de violência sexual de Mato Grosso e do suspeito pelo crime, ocorrida em 2016, figurou em terceiro lugar como um dos casos mais emblemáticos do mundo. O reconhecimento é de um importante concurso internacional, denominado DNA Hit Of The Year. O Brasil concorreu com 17 finalistas de quatro países.

- Se no futebol vamos mal, no combate à criminalidade o filme é outro.

...√īrra Meu II

O caso premiado foi o primeiro confronto positivo de DNA realizado através do Banco de Perfis Genéticos, que cruzou os dados do perfil do suspeito, coletado em vítimas no Mato Grosso, com os materiais coletados em outras vítimas nos estados de Goiás e Amazonas. O acusado foi identificado como Célio Roberto Rodrigues, que também utilizava o nome de Herley Nascimento Santos. Enquanto esteve foragido em Mato Grosso, ele cometeu quatro estupros com o mesmo modo de atuação. O primeiro foi em 2013 e outros três em 2015, nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande.

- Fora de combate.

..√īrra Meu III

Na ocasi√£o, as informa√ß√Ķes gen√©ticas de vest√≠gios coletados nas v√≠timas foram confrontadas com o perfil de DNA do suspeito, a pedido da Delegacia de Defesa da Mulher, e tiveram resultado positivo. Conforme a administradora estadual do Banco de Perfis Gen√©ticos em Mato Grosso, perita criminal Ana Cristina Lepinsk Romio, foi o primeiro registro de crime sexual serial solucionado pelo cruzamento de informa√ß√Ķes gen√©ticas com outro Estado. ‚ÄúCom a pris√£o do acusado em Rond√īnia, a delegada Eliane Moraes se deslocou at√© o Estado para acompanhar a coleta de material gen√©tico do suspeito e encaminh√°-lo para a per√≠cia, juntamente com a indica√ß√£o dos casos em que houve o mesmo modus operandi", explicou.

- Estamos avan√ßando em tecnologia e dever√≠amos utilizar essas ferramentas contra o crime do colarinho branco. As informa√ß√Ķes s√£o do portal da Seguran√ßa P√ļblica de Mato Grosso.

Ruim Para o Crime

Quinze pessoas foram presas durante a opera√ß√£o integrada Salutem, deflagrada nas Regi√Ķes Integradas de Seguran√ßa P√ļblica (Risp‚Äôs) de Cuiab√° e V√°rzea Grande nos dias 16 e 17 de maio. A a√ß√£o policial da Secretaria de Estado de Seguran√ßa P√ļblica (Sesp), por meio da Adjunta de Integra√ß√£o Operacional (Saiop) foi realizada em prol da repress√£o dos crimes de roubos e furtos de ve√≠culos e cargas, adultera√ß√Ķes de sinais de identifica√ß√£o veicular, tr√°fico de entorpecentes e transporte irregular de cargas. A opera√ß√£o resultou ainda em 1.690 pessoas e 701 ve√≠culos abordados, 75 ve√≠culos apreendidos, 506 notifica√ß√Ķes de tr√Ęnsito, 262 atividades periciais pela Politec e apreens√£o de tr√™s menores.

- Informa√ß√Ķes da Secretaria de Estado da Seguran√ßa P√ļblica de MT.

Ruim Para o Crime II

O secret√°rio do Saiop, coronel PM Victor Paulo Fortes, destacou o resultado positivo da a√ß√£o e disse que o objetivo √© deflagrar outras a√ß√Ķes integradas nas demais Risp‚Äôs de Mato Grosso. ‚ÄúConclu√≠mos a fase ostensiva com √™xito, que terminou com a pris√£o de autores de v√°rios delitos. O trabalho continua com a investiga√ß√£o a ser desempenhada pela delegacia de roubos e furtos de ve√≠culos. Nosso foco √© ampliar estas a√ß√Ķes repressivas para todo o Estado‚ÄĚ, destacou. Ao todo, foram empregados 196 profissionais das for√ßas de seguran√ßa: Pol√≠cia Militar, Pol√≠cia Judici√°ria Civil, Corpo de Bombeiros Militar, Politec, Detran, Ciopaer, al√©m das unidades da Guarda Municipal de V√°rzea Grande, Indea, Pol√≠cia Rodovi√°ria Federal e Sefaz.

- Mais uma da Secretaria de Estado da Seguran√ßa P√ļblica de MT.

Ciscando Muito

Ele diz que desta vez √© pra valer e est√° ‚Äúciscando‚ÄĚ l√° pelos lados da Prefeitura, cumprimentando a todos. Quem chega da zona rural para algum tipo de servi√ßo na sede do governo, l√° est√° ele estendendo as m√£os para um cumprimento. √Č o Maico Preto, alcunha popular que o caracteriza na comunidade. Est√° candidat√°vel a uma das vagas ao Parlamento e assegura que est√° descompromissado com qualquer nome e que acredita ser a sua vez, agora, no ano que vem. Bem at√© l√° tem conven√ß√£o, tem a tal da PEC da prorroga√ß√£o de mandato.

- Falou, é acreditar.

Ciscando Muito II

Bom de p√īquer, o virtual candidato acredita que √© hora do seu ‚ÄúRoyal Straight Flush‚ÄĚ. E tal e qual um manequim, acredita que a sede do Executivo seja uma vitrine, da√≠, Maico Preto n√£o deixar passar uma oportunidade de cumprimentar quem passa. Estrat√©gia ou pressa? Vai que cola. Como tem muitos sabi√°s e tucanos naquela √°rea, bem frequentada por p√°ssaros, tem dado al√ī a todos. Tem cara e jeito de santista, mas diz que √© Flamengo s√≥ para contar com mais adeptos ao seu projeto.

- Será que decola? Bora ver. Um certo site, uma certa ver, lançou esse mesmo nome e foi como fogo simbólico...

Articula√ß√Ķes Colocadas

O prefeito Leocir Hanel n√£o tem escondido o seu desejo de reelei√ß√£o, mas de outra parte, a possibilidade de amplia√ß√£o de mais dois anos de mandato agradaria a muitos, mas muitos mesmos. A proposta avan√ßa na C√Ęmara Alta de Bras√≠lia a partir do deputado federal Valtenir Pereira e milhares de vereadores no Brasil inteiro assistem a tudo de camarote, torcendo pra tudo dar certo. Economia em tempos de reorganiza√ß√£o do Pa√≠s ap√≥s os rombos estratosf√©ricos nas finan√ßas.

- Pena de quem buscaria um mandato no próximo ano.

Articula√ß√Ķes de Bastidores

Estaria em curso a tentativa de aproxima√ß√£o entre governistas e oposi√ß√£o em Nobres. Ser√° mesmo? A tal incompatibilidade de g√™nios em pol√≠tica n√£o √© aquela coisa absoluta, mas torna-se vol√ļvel conforme o interesse de quem ou dos quem. Duvidar n√£o √© de nosso direito irrevog√°vel, acatar, tamb√©m n√£o. Como n√£o somos testemunhas, que siga o flerte e o casamento vem depois.

-  Aguardemos.

‚ÄúSurpraise‚ÄĚ

Essa Suprema C√īrte √© mais vol√°til que perfume importado de nossos hermanos paraguaios. Por 6 a 5, decidiram que a Assembl√©ia Legislativa tem poder de mandar prender e mandar soltar deputados estaduais. Onde impera o corporativismo, algu√©m haveria de mandar prender um colega em flagrante delito? Colocando a pacoteira nos bolsos do palet√≥, n√£o √© flagrante, mas trata-se de um caso de vis√£o distorcida, um ato de puro ilusionismo. O falecido presidente franc√™s Charles De Gaulle disse, d√©cadas atr√°s, que o Brasil n√£o √© um pa√≠s s√©rio.

- T√£o certo quanto dois e dois s√£o 4.

Sorte

Algu√©m com dons premonit√≥rios para sonhar com as seis dezenas da Mega-Sena at√© s√°bado (11/05) e contar pra n√≥s? E agora, Jos√©?¬†Certa vez Jos√© sonhou assim: ‚ÄúEst√°vamos amarrando os feixes de trigo no campo, quando o meu feixe se levantou e ficou em p√©, e os seus feixes se ajuntaram ao redor do meu e se curvaram diante dele.‚ÄĚ. A partir de ent√£o, Jos√© do Egito passou a viver dos pr√≥prios sonhos. Tivesse algu√©m com o sonho das dezenas da Mega, n√£o precisaria contar pra muitos, e se me dissesse, guardaria esse segredo at√© a hora de preencher o bilhete da CEF.

- Bora esperar esta noite, seu Zé. As filas nas lotéricas estão mais compridas que sucuri visto por pescador.

Pesquisa

Será que alguém dentre os 11 atuais vereadores se chatearia com a prorrogação do mandato até 2022? Onze entre onze vereadores não se chateariam com essa possibilidade, bem próxima da realidade. A margem de erro é 000,1% para mais ou para menos. Quem está de fora, louco para entrar... não opinaram ou não souberam responder.

- Stand by. Hasta la vista em 2.022.

Revis√£o J√°

O Bolsa Fam√≠lia, por a√≠, j√° foi avaliado em termos de cadastro, cujos dados constam como benefici√°rios, empres√°rios, donos de ZBM, essa gente que comercializa a perer√©ca alheia. O midi√°tico Bolsonaro tem que reorganizar essa quest√£o a partir do seu ‚Äúex√©rcito‚ÄĚ de assessores de alta patente. N√£o √© poss√≠vel mais ver esse tipo de coisa nos notici√°rios, enquanto quem realmente precisa n√£o √© de todo atendido.

- Lastim√°vel, isso.

Guardados

‚ÄúPoliciais militares e civis prenderam nesta quarta-feira (08), em Alta Floresta (a 803 quil√īmetros de Cuiab√°), tr√™s homens e apreenderam um menor envolvidos no roubo a m√£o armada em um estabelecimento comercial durante a madrugada. Foram presos A.M.R.S., (19), G.G.P., (28) e W.S.D.A., (20), e apreendido B.N.G.R.D., (17), al√©m da arma artesanal calibre 36, com tr√™s cartuchos intactos, e os produtos roubados‚ÄĚ.

- A assessoria da PMMT é que informa.

Guardados II

‚ÄúA identifica√ß√£o dos envolvidos aconteceu depois que a taxista que transportou os suspeitos foi abordada e disse n√£o ter qualquer participa√ß√£o na ocorr√™ncia e acrescentou ter deixado o grupo em Carlinda. Na cidade, os militares, junto com policiais civis, identificaram um dos suspeitos andando pela √°rea central da cidade. Ele carregava uma bolsa com dinheiro, a arma e as muni√ß√Ķes. De volta √† Alta Floresta, o suspeito detido disse onde os outros envolvidos estariam. Na abordagem de um deles houve resist√™ncia mesmo j√° imobilizado, mas foi contido. Em seguida, o quarto suspeito foi identificado e tamb√©m tentou fuga, mas foi capturado. Todos confirmaram terem participado do assalto e foram entregues na delegacia para as devidas provid√™ncias‚ÄĚ.

- Bicho t√° pegando e a rapaziada segue abusando.

Clima de Festa

O munic√≠pio de Nobres viveu praticamente 10 dias de intensa movimenta√ß√£o em torno dos eventos que estiveram voltados ao anivers√°rio do munic√≠pio. A zona rural recebeu a visita de uma grande comitiva em tr√™s oportunidades, na Roda d‚Äô√Āgua (1) e em Bom Jardim (2), entregando obras e interagindo com a comunidade atrav√©s de shows art√≠sticos, inaugura√ß√Ķes de obras, mutir√£o e programas sociais de integra√ß√£o entre comunidade e governo.

- Apesar de algumas críticas, lazer, esporte e entretenimento também fazem parte de uma gestão administrativa.

Papo Furado

Conquistar o eleitor atrav√©s de percep√ß√Ķes vazias e observa√ß√Ķes desconexas, isso n√£o trar√° resultados nas urnas, conforme tem sido a observa√ß√£o deste ou daquele que tem criticado os eventos esportivos. Nenhum coment√°rio vai na dire√ß√£o da solu√ß√£o de um problema. De outra parte, quem est√° vereador consegue enxergar um pouco melhor. Caso do vereador Gida, que vislumbrou a necessidade de se fazer uma mo√ß√£o de reconhecimento aos coordenadores da Coordenadoria Municipal de Esporte, F√°bio e Thiago Albuquerque, pelo que ambos vem fazendo pelo esporte no munic√≠pio. √Ä frente de uma equipe de colaboradores, eles tamb√©m atuam na organiza√ß√£o da feira e de todas as atividades esportivas realizadas em Nobres.

- A√≠ vem um ‚Äúapedrejador‚ÄĚ de oportunidade falar do que mal sabe.

Papo Reto

Ningu√©m chegar√° a vereador munido apenas do tom cr√≠tico. √Č preciso apontar sa√≠das, estas que v√£o muito al√©m do olhar cr√≠tico sobre tudo. Falar do esporte sem ter uma base do que joga como palavras ao vento, √© desconhecer que o Grupo Polo Centro tem sido um dos maiores apoiadores do esporte em Nobres e na regi√£o do M√©dio Norte. A marca Polo Centro tem sido importante para o desenvolvimento de todo um trabalho na base do esporte e quem critica desconhece o que √© uma parceria.

- Aqueles minutos de fama n√£o come√ßam assim. √Č gol contra atirar palavras ao vento.

Poeira Dissipando

Um clima tenso no campo pol√≠tico foi atirado ao ar nos √ļltimos dias, mas h√° indicativos de que o c√©u pode voltar a ser de brigadeiro. Quantas saudades daqueles analistas e seus div√£s. A psican√°lise ou a terapia de regress√£o por hipnose ajudam a curar certos comportamentos. O danado √© que aquele analista fica l√° longe, em Bag√©. O p√īrra l√īca do Sigmund Freud achou de morrer e n√£o h√° nenhum renomado psicanalista para certas consultas.

- Mas, ser√° que Freud explicaria?

Poeira Dissipando II

√Č de se pensar, em caso de a coisa ficar preta, o jeito √© recorrer ao bom e velho despacho na encruzilhada, com marafo, farofa de galinha (pode ser da Sadia) e n√£o precisa ser preta, pano vermelho... que √© para espantar coisa feita. O danado de tudo isso √© que essas m√ļsicas sertanejas parecem at√© praga de madrinha. A letra delas s√≥ falam em sofr√™ncia, em cora√ß√£o despeda√ßado. A√≠, nem terreiro de macumba cura.

- Olha s√≥ esta letra: "No estado decadente que eu 't√ī‚Äô; A tristeza decora essa casa; Eu sei que ningu√©m morre de amor... Mas cacha√ßa e saudade mata...". Parece at√© coisa feita.

Falando do Que Sabe

Em Nobres, dia 04 de maio, √† noite, o atual deputado estadual Toninho de Souza, que tamb√©m √© apresentador do programa televisivo ‚ÄúCadeia Neles‚ÄĚ, fez um discurso duro e incisivo em rela√ß√£o ao processo migrat√≥rio de bandidos, que estariam recebendo tratamento duro em Cuiab√° e V√°rzea Grande. Segundo o deputado estadual, eles estariam ‚Äúatacando‚ÄĚ nos munic√≠pios e Nobres, Ros√°rio Oeste, Acorizal e Jangada s√£o alvos do roubo de gado, raz√£o pela qual os organismos da seguran√ßa p√ļblica precisam refor√ßar o combate a esse tipo de crime.

- Bustamante neles!

Falando do Que Sabe II

O deputado Toninho de Souza disse que seguir√° cobrando a√ß√Ķes en√©rgicas da Seguran√ßa P√ļblica na √°rea da intelig√™ncia para o combate aos criminosos que migram para o interior. Obviamente, vai refor√ßar a√ß√Ķes junto ao dr. Alexandre Bustamante no sentido de organizar opera√ß√Ķes de intelig√™ncia e de repress√£o direta aos roubos que vem ocorrendo em nossa regi√£o.

- A comunidade saber√° agradecer.

Poderosos

Dois ex-vereadores, um tanto quanto chateados, teriam ‚Äúprovidenciado‚ÄĚ o lan√ßamento de candidatura de dois nomes, atirados ao vento para assustar, sabe-se l√°, quem. O nome dos ex-parlamentares foi ‚Äúentregue‚ÄĚ, de bandeja, a quem de direito. Foi um blefe total a manobra e ainda entregue. Seguem no ‚Äúquarador‚ÄĚ, pendurados com bons prendedores de roupa. Amargam a reserva e n√£o h√° titular que queira ceder √† vaga.

- Feitiços costumam se virar contra feiticeiros.

Poderosos II

Certa vez, uma dupla de jornalistas foi contratada para atacar o ent√£o presidente da C√Ęmara de Vereadores, Odison Ara√ļjo. De quebra, ainda tentaram ‚Äúbeliscar‚ÄĚ uns trocados do ent√£o prefeito. E com a negativa, algumas alfinetadas surgiram. E quem contratou? Ou quais os contratantes? Rapaz..., tem um pessoal que exerce ‚Äúfasc√≠nio‚ÄĚ nos meios da imprensa, onde √© o ‚Äúpapa-tudo‚ÄĚ.

- Don Juan do Tombador.

Poderosos III

Amanh√£, 19/04, √© dia de comer um peixe. Todo cuidado √© pouco com a ‚Äútra√≠ra‚ÄĚ, pelos espinhos. Do mar vem o peixe de nome ‚ÄúNamorado‚ÄĚ, que dizem ser gostos√£o. Realmente, cada qual com seu fasc√≠nio e poder sobre o universo feminino. O peixe t√° frito, bora experimentar? Isso, enquanto esse pessoal segue de molho a√≠... querendo, querendo.

- A nota ‚Äúplantada‚ÄĚ n√£o funcionou, vamos pra pr√≥xima.

Matreiro e Crítico

A lideran√ßa do PFL ou DEM, como queiram, Manoel Fermino Pinho, teria gostado de ver a dupla Gilmarzinho/Esmeraldo em evid√™ncia e tascou: ‚Äúvai que cola.‚ÄĚ. Depois √© que se soube que seriam dois reservas exercitando a lei da gravidade, ou seja, fazendo press√£o por um lugar ao Sol nesta nossa Gal√°xia. Daqui at√© o ano que vem, quando as janelas de um novo horizonte se abrir, vai ter tanta gente em busca das luzes que vem da ribalta.

- √Č como diria Raimundo Fagner, aqui nesse nosso deserto de ideias e de muito romance: ‚ÄúEu tenho a boca que arde como o sol; O rosto e a cabe√ßa quente; Com Madalena vou-me embora; Agora ningu√©m vai pegar a gente...‚ÄĚ.

Rumores Rancorosos

Esse lan√ßamento de virtuais candidaturas foi como a letra daquela m√ļsica do Raimund√£o Cearense: ‚ÄúN√£o chora n√£o querida que este deserto finda; Tudo aconteceu e eu nem me lembro; Me abra√ßa minha vida, me leva em teu cavalo; Que logo no para√≠so chegaremos... Vejo cidades, fantasmas e ru√≠nas; A noite escuto o seu lamento;¬†S√£o pesadelos e aves de rapina; No sol vermelho do meu pensamento...‚ÄĚ.

- Eita! Desert√£o danado... ‚ÄúVem, vamos voando minha Madalena; O que passou, passou, n√£o tem mais jeito... Ou√ßo um trov√£o e penso que √© um tiro... A noite escura me condena...‚ÄĚ.

Pauleira

O assunto pol√≠tica j√° domina a zoeira nos grupos de whatsapp e l√° na Forquilha o pau come solto contra um certo vereador e o prefeito Jo√£o Balbino. Com diria um ex-prefeito: ‚ÄúT√£o apanhando que nem catchorro de bugre...‚ÄĚ. Em Nobres, n√£o menos discretamente, rufam o bombo e o que parece ‚Äúligth‚ÄĚ ou ‚Äúlait‚ÄĚ na nossa linguagem √© o da TV Cidade. N√£o fosse um membro rufando o pau no Cati√ß√°, nada de novo.

- O assunto seria a indicação a um cargo cobiçado em nível estadual.

Pauleira II

Um grupo de whatsapp restrito a amigos (e que amigos?), o pau come solto entre os membros. Clima tenso nos √ļltimos dias no Sub-100 por conta de amea√ßas de que v√£o entregar o jogo sobre a utiliza√ß√£o da rede. A ‚Äúexpuls√£o‚ÄĚ de um membro √© sempre anulada pelo VAR na sala de justi√ßa, via de regra, comandada por um funcion√°rio do vai-e-vem... que nem coro de prep√ļcio. Um frango teria detonado nova crise... quem comprou e n√£o pagou ficou nas entrelinhas.

- Cruz credo!

Pauleira III

Essas informa√ß√Ķes j√° viraram caso de pol√≠cia por conta de ‚Äúcomida‚ÄĚ. De outra vez a ‚Äúbriga‚ÄĚ come√ßou por conta de uma banda de porco e agora √© um frango... comido e mal pago... e olha que n√£o √© de nenhum goleiro. Tem amea√ßa no ar e o clima anda tenso, principalmente sobre quem joga no time de quem... no SPFC ningu√©m assume que √©; no time de Diamantino ningu√©m diz que joga. Vai mudar pra Sub-24?

- As rapariguinhas est√£o assanhadas.

Indo para Mar...à cangalha

No √ļltimo dia 11/04, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) condecorou Mauro Mendes com uma medalha alusiva aos 300 anos de Cuiab√°. Tamb√©m receberam a honraria os ex-prefeitos Chico Galindo, Wilson Santos e Anildo Lima Barros.¬†A nota est√° exposta na Coluna ‚ÄúCuiab√° Urgente‚ÄĚ de o Di√°rio de Cuiab√°. Obviamente, s√≥ pelo fato de terem sido ex-prefeitos e nada mais. Chico Galindo tem um hist√≥rico de gest√£o que n√£o mereceria nem um muito obrigado. Quanto a Wilson e Anildo, idem.

- Na sua ausência da probidade, quem passar primeiro leva um par de asas quando deveria receber uma cangalha, cada um.

Filme Repetido

Seria pretensão demais, sugerir que os Parlamentos, conjuntamente, propusessem iniciativa de interligar Nobres e Rosário Oeste através do Pindura, por uma rodovia turística saindo na MT-010? Há muitas pequenas propriedades com potencial turístico para a receptividade de pessoas que desejam se livrar do stress da cidade grande e entre Nobres e Rosário Oeste, notadamente no Pindura, há possibilidade de se comer galinha com arroz, cabeça assada, peixe frito e peixe assado entre outros pratos da culinária regional.

- Isso é bem mais que a oferta de moção de aplauso, aos bamburros.

Sugest√£o

Nenhum vereador de Rosário Oeste sabe ou faz questão de não saber que um dos maiores craques de futebol de Mato Grosso, o também professor e técnico João Batista Jaudy, seja natural de Rosário Oeste. Até hoje, nenhuma homenagem ao seu nome, nem em Rosário Oeste e nem em Cuiabá. O professor Batista é uma personalidade do esporte nesses 300 anos de Cuiabá, já falecido, mas uma figura proeminente no futsal e no futebol de campo.

- Onde estavam os vereadores que n√£o pesquisaram nada disso.

Lei Aprovada

A Lei Municipal n.¬ļ 1.420/2016, tecnicamente, √© considerada uma das mais completas editadas em Nobres, a que trata da Pol√≠tica Municipal de Turismo e sobre o Sistema Municipal de Turismo, produzida com a contribui√ß√£o de t√©cnicos do Instituto Votorantim. A legisla√ß√£o √© t√£o boa que Ros√°rio Oeste j√° copiou e dela tem se beneficiado para pretender implantar a sua pol√≠tica tur√≠stica. Atrav√©s da legisla√ß√£o tem-se permitido que ag√™ncias de outras localidades operem em Nobres na atividade tur√≠stica. O Voucher Eletr√īnico √© uma realidade em Nobres, fruto de anos de trabalho pela sua efetividade.

- Há que se reconhecer que tudo tem começo, meio e fim.

Lei Aprovada II

N√£o √© proibido copiar, mas sempre que puder, diga-se, de passagem, que a lei √© fruto de um trabalho de qualidade dos t√©cnicos que atuam no Instituto Votorantim em parceria com a administra√ß√£o p√ļblica municipal de Nobres. O secret√°rio municipal de Turismo de Nobres, Daniel Martins da Cruz, tem se empenhado em apontar que a lei √© tecnicamente uma das mais completas. Quem copia, cite a fonte por favor.

- Voucher é fonte de renda.

Furto

O que mais faltaria acontecer ao cidad√£o que paga os seus impostos? Um absurdo detectado ultimamente e que coloca o im√≥vel em risco √© o furto da fia√ß√£o de aterramento dos medidores de energia el√©trica. Voc√™ vai ver, o meliante j√° passou e cortou a fia√ß√£o de aterramento, levando uma perna aqui outra dali da fia√ß√£o, para vender e fazer dinheiro para comprar a merda da droga. √Č lament√°vel o que vem ocorrendo ap√≥s um per√≠odo em que um expert em roubo de l√Ęmpadas das √°reas residia por aqui. Agora, um sujeito tem passado e cortado a fia√ß√£o de aterramento.

- Vê se pode isso.

Tiro ao √Ālvaro

No bairro S√£o Jos√©, temos o absurdo de saber que algumas pessoas est√£o utilizando espingardas de ar comprimido para disparar em dire√ß√£o aos quintais dos vizinhos. As reclama√ß√Ķes se sucedem e algu√©m deve mesmo encaminhar a informa√ß√£o ao setor competente. Quando o sujeito n√£o puder ter paz em sua pr√≥pria casa, onde mais. O pior √© quando o reclame acontece e as provid√™ncias n√£o s√£o tomadas. E quando s√£o tomadas, vem a mer... da audi√™ncia de cust√≥dia para abrandar tudo. Tem mais raz√£o o meliante, o desocupado, o errado que qualquer um que respeite a lei.

- Pqp... onde vamos parar?  

Ilusionismo 

Uma infinidade de virtuais candidatos a vereador tem acreditado que o eleitor de Nobres seja ‚Äúleso das ideias‚ÄĚ e passam a buscar cabelo em ovo para se mostrar preocupado com a cidade. Deve ser mais uma dessas crises de ilusionismo que acomete alguns pretensos candidatos a m√°gico. N√£o √©, e nunca foi proibido candidatar-se a cargo nenhum, mas a solu√ß√£o a todos os problemas n√£o vem com postagem com segundas inten√ß√Ķes e meramente eleitoreiras.

- -√Č acreditar que o eleitor seja b√ībo.

Por que N√£o Te Calas

A maior autoridade pol√≠tica do Pa√≠s, de dimens√Ķes continentais, est√° se especializando em tecer coment√°rios comprometedores. Bolsonaro e os seus filhos tem feito cada coment√°rio, de fazer d√≥ a Magda, campe√£ de indelicadezas e trocadilhos. Sai de Baixo com essas figuras palacianas metidas a ‚Äúreis das redes sociais‚ÄĚ, fazendo renovar o velho bord√£o: ‚ÄúCala a boca, Magda‚ÄĚ.

- Falar pouco e agir mais seria uma boa saída.

Quase Isso

Tem gente acionando a Pol√≠cia ao menor sinal de barulho, tipo assim, as bombas de S√£o Jo√£o, colocadas em lata. Dia desses, algumas viaturas foram parar em um certo bairro por conta de algu√©m que acionou por conta de ‚Äútiroteio‚ÄĚ e foram ver, n√£o passavam de bombinhas detonadas em lata por crian√ßas. Francamente, isso tipo de chamada s√≥ atrapalha e ainda gasta combust√≠vel. Esse Jardim Petr√≥polis tem crian√ßa... e alguns adultos querendo ser.

- Fica uma certeza, quem tem c... tem medo.

Fama

O programa municipal ‚ÄúIntegrando seu Bairro‚ÄĚ tem proporcionado a algumas pessoas aqueles 15 minutos de fama a que todos, supostamente, t√™m direito. A atra√ß√£o do momento, o Gato Louco, tem proporcionado isso e alguns an√īnimos t√™m buscado os holofotes em apresenta√ß√Ķes de dan√ßa. √ďbvio, √© apenas um complemento daquilo que √© o foco, levar as a√ß√Ķes sociais e de sa√ļde para cada bairro.

- Uma iniciativa louv√°vel.

 Maluf/TCE-MT

H√° algumas d√©cadas atr√°s, mais de tr√™s, por a√≠, foi um esc√Ęndalo a indica√ß√£o do farmac√™utico √änio Carlos Vieira para conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso. E novamente, o nome e a influ√™ncia pol√≠tica falaram mais forte e √änio Vieira foi para o TCE-MT. Atualmente, o deputado estadual Guilherme Maluf √© acionado pelo MPE-MT por conta de suas atividades pol√≠ticas mal explicadas e mal ditas, e por essas e outras raz√Ķes n√£o o querem na Egr√©gia Corte de Contas de Mato Grosso.

- A população mato-grossense já deve estar acostumada com esses acontecimentos pouco ortodoxos.

AL-MT/Maluf

O problema n√£o seria a ida de Maluf para o TCE-MT, mas o conjunto da obra. Sai Maluf e entra Carlos Avalone, onde a Assembleia Legislativa aparece, sob Eduardo Botelho, como a ‚Äúsalva√ß√£o‚ÄĚ a muitas almas no purgat√≥rio. Avalone tem problemas na Justi√ßa por conta do pano de fundo de tudo o que ocorre em Mato Grosso ‚Äď as empreiteiras. O TCE-MT, agora, que estava deixando de ser sarc√≥fago de muitas m√ļmias da pol√≠tica mato-grossense, eis que ressurge a velha pol√≠tica colonialista em busca de uma vaguinha.

- O pobre, quando ocupa um cargo p√ļblico, morre contente. O rico, quer os valores monet√°rios e todos os t√≠tulos poss√≠veis, os quais n√£o levar√£o para uma vaga permanente, a sete palmos ou no espalhar das cinzas.

 AL-MT/História

¬†Os Parlamentos realmente s√£o produtores de muitas hist√≥rias, algumas lendas e a fama de catapultador de milagres econ√īmicos. E ningu√©m quer largar o osso, desde que o cargo tenha benesses. N√£o por acaso, ainda vemos muitos candidaturas laranjas ou formiguinhas, carreando votos para complementar a vota√ß√£o de uma candidatura milion√°ria.

- Lá na frente ou a qualquer momento, o sujeito morre e lá vão todos reverenciar o seu currículo, extenso... inclusive nos fóruns da Capital.

Levantou Poeira

Espia s√≥ o que os ‚Äúl√≠ngua de trapo‚ÄĚ anda comentando, sobre um flagra num reduto conhecido do ‚Äúbas-fond‚ÄĚ ou esc√≥ria social, onde as mo√ßoilas comercializam prazer. Poucos podem atirar a primeira pedra, mas ainda assim o fazem quando uma figura impoluta √© atra√≠da para esse ‚Äúhabitat‚ÄĚ das sereias que, pressup√Ķe-se, encantem alguns recatados lordes do rio acima. Comenta-se que Ivete Sangalo tenha feito inserir em sua m√ļsica esse acontecimento, da√≠: ‚ÄúPegou me deu um la√ßo; Dan√ßou bem no compasso; De prazer levantou poeira; Poeira, poeira, poeira... Levantou poeira‚ÄĚ.

- Eitaaaaa! O bicho pegou, mesmo? Conta aí...

Semelhanças

Em dias bastante passados, um camarada teria perdido a moto, por a√≠, e para ‚Äúdriblar‚ÄĚ a patroa, falou que sumiu de um p√°tio de um certo posto de combust√≠veis. Pois n√£o √© que a dona foi l√° e solicitou imagens da c√Ęmera de seguran√ßa e concluiu que a informa√ß√£o era improcedente. Levantou poeira... poeirararara... de novo. A prostitui√ß√£o, dizem que √© uma das profiss√Ķes mais antigas do mundo, mas a d√ļvida que persiste √©: ‚Äúquem chegou primeiro ‚Äď a prostitui√ß√£o ou o drible da vaca?‚ÄĚ. S√≥ que, quando o marcador √© esperto, nada de drible.¬†

- Não colou e o cartão amarelo foi mostrado. O segundo amarelo complica. Ninguém pode reclamar, com essa chuvarada danada, não há poeirão. Xiiiiiii...

Rede Pitbull

√Č impressionante e at√© raro, como h√° uma defesa apaixonada da fam√≠lia Bolsonaro nas redes sociais. A defesa do filho Carlos no epis√≥dio que derrubou o ministro foi qualquer coisa impressionante. O filho est√° certo em dar opini√£o sobre administra√ß√£o do pa√≠s, dizem os internautas. √Č aceit√°vel que apenas em dois meses nenhuma solu√ß√£o acontecer√° como m√°gica, mas a paci√™ncia √© extrema... t√™m sido.

- E quando ela acabar?

Rede Pitbull II

Ataques contra a TV Globo e prioridade a outras emissoras, e em menos de 60 dias um ministro j√° caiu. A ministra Damares n√£o deve demorar e o ministro do Meio Ambiente j√° balan√ßa. Isso n√£o √© sinal de que a coisa segue como o desejado, exatamente por conta dessa tagarelice de muitos quando a gest√£o √© de um pa√≠s continental. √Č da Globo: ‚ÄúCala a boca, Magda‚ÄĚ. Se falar muito representasse solu√ß√£o, Collor n√£o teria sido destronado.¬†

- Ministra que fala como cacatua desvairada, a vida é curta no poder.

Rede Vira-lata

Gente, o que tem de candidat√°vel pelas ruas de Nobres n√£o √© brincadeira. Tem gente cumprimentando poste de energia e mandando al√ī pra papagaio e arara. Um virtual candidato, segundo revelaram, teria postado uma cr√≠tica contra um certo trecho de rua e responderam a ele sobre a possibilidade de registrar B.O contra ‚Äúuns‚ÄĚ que estariam surrupiando material de obra p√ļblica paralisada.

- Pois não é que o comentário negativo sumiu da rede social.

Rede Vira-lata II

Ser√° que munido apenas de popularidade um candidato pode ser eleito vereador em Nobres? Como diria o profeta ‚ÄúMalem√°‚ÄĚ: ‚Äúh√° mais coisas entre a vontade de uns e a assun√ß√£o ao poder... que a nossa v√£ filosofia n√£o pode entender‚ÄĚ. Por exemplo, o maior deles, dinheiro. Depois, articula√ß√£o pol√≠tica e para finalizar, ap√≥s uma guinada de 360 graus... dinheiro, de novo.

- Bem, vamos aguardar a chegada do Dia Seguinte após a eleição, que ainda é 2.020. A pensar morreu um burro...

Rede ‚ÄúCachorro de Madame‚ÄĚ

N√£o d√° pra entender esse filme... l√° em Ros√°rio Oeste, dois assessores que assessoram uma que ganha em lugar dos dois. O enigma foi revelado ap√≥s uma agress√£o f√≠sica, cuja informa√ß√£o foi repassada por um correspondente de ‚Äúguerra‚ÄĚ, camuflado, mas que n√£o era pra divulgar. O ‚Äúfuro‚ÄĚ foi dado, meio a contragosto... mas foi. O agressor saiu de cena atrav√©s de uma demiss√£o e com menos um, a chefe nomeada perdeu um auxiliar. Realmente, √© um enigma essa informa√ß√£o sobre o que teria ocorrido em Ros√°rio Oeste, mas a prefeitura tem ‚Äúknow how‚ÄĚ em exportar crise.

- Dois assessores assessoram uma que ganha no lugar dos dois, isso pra quem sabe (e muito mal) que dois e dois s√£o cinco (ou n√£o?), a soma dos fatores altera o produto. 9 X 9=9 porque 8 + 1=9.

B.O do B.O

Um certo repórter policial não gostou nadinha da comparação de uma notícia com outra, acerca de um assassinato ocorrido no Bairro São José, dia 10, pela madrugada. Ele questionou que, entre dar um furo e ser furado há uma grande diferença. Ser furado (não pensar pornograficamente!) sem exatidão, isso ele não faz. Demorou pra rapaziada entender esse negócio de furo.

- Então tá... eles só pensam naquilo.

Passageiro Descuidado

Est√° cada vez mais dif√≠cil oferecer carona, principalmente quando o meio de transporte for moto. √Č que tem passageiro folgado, que pensa estar em um Boeing 737 e quer tirar um cochilo. Um desses passageiros, dos que viajam na maionese, quase caiu da garupa de uma moto ap√≥s uma dessas sonecas de mil√©simos de segundo. √Č que o piloto √© bom e pelo retrovisor viu o seu √ļnico passageiro balan√ßando que nem galho de goiabeira em dia de ventania e acionou o alarme. E que alarme.

- Acorda, p√īrraaaaa! Estamos passando pelo Canal da Mancha.

Temporada de Delírios

Como n√£o h√° cobran√ßa de nenhum imposto sobre sono e sonhos, j√° tem gente ‚Äėviajando na maionese‚Äô em rela√ß√£o a uma vaga √† C√Ęmara Municipal de Nobres. √Č o vento que mais sopra por a√≠, sobre popularidade conquistada aqui ou acol√°, o que pode garantir caminho a uma vaga dentre as 11 que est√£o ocupadas at√© 31 de dezembro de 2.020. Quem ser√° o novo Bolsonaro de Nobres, que n√£o ir√° gastar nada e se eleger vereador? Esperem por isso e vejam tamb√©m, bois voando, coelhos botando ovos, Papais Noel descendo pelas chamin√©s, mulas sem cabe√ßas e rastros-de-lobisomens.

- Mas n√£o parem de fazer o que fazem atualmente, sob risco de passar necessidades.

Temporada de Delírios II

H√° quem diga: ‚Äúcabe√ßa vazia, oficina do diabo‚ÄĚ. J√° tem virtual candidato, virtualmente eleito... at√© com os votos virtualmente totalizados. Tem gente que est√° sendo cumprimentado na rua e j√° se v√™ como candidato eleito. A ilus√£o √© realmente qualquer coisa anormal. H√° uns anos atr√°s, por conta de um programa de r√°dio, tinha gente que delirava com uma candidatura a prefeito. √Äs v√©speras do ano eleitoral, tem gente divagando pra todos os lados e como n√£o h√° nenhum ant√≠doto contra esse processo de sonho acordado, deixa rolar.

- Pra quem dorme em beliche, o estrago ‚Äú√© deveras‚ÄĚ estrondoso e ‚Äėesborrachante‚Äô (com neologismo e tudo).

Na Moda

A concession√°ria que fornece energia el√©trica, a substituta da extinta Cemat, √© hoje uma das empresas ‚Äúmais na moda‚ÄĚ em Nobres e no Mato Grosso. Audi√™ncias de F√≥rum foram suspensas por falta de energia, resid√™ncias ficaram sem energia el√©trica por seguidas horas e as quedas no fornecimento de energia el√©trica se tornaram constantes ao menor sinal de chuva. Na d√©cada de 1960, em Cuiab√°, isso era considerado at√© normal, mas, quase seis d√©cadas depois, a√≠ j√° √© absurdo. Enquanto isso, a empresa investe pesado contra os ‚Äúgatos‚ÄĚ, ou roubo de energia, o que n√£o √© errado. Mas, pelo custo da energia el√©trica, quem n√£o est√° aguentando um gato pego pelo rabo, s√£o os consumidores de energia el√©trica.

- √Č muita despesa para pouca explica√ß√£o.

Na Moda II

Enquanto a Energisa ca√ßa gatos, o consumidor paga pela linha de transmiss√£o, paga pela condu√ß√£o; paga pela energia que n√£o consome, paga pelos gatos, pelos ratos, pelos Fins, pelos Cofins, pelo ICMS, pela energia importada da caixa do prego, paga pelo termoel√©trica, pela √°gua rasa, pela √°gua funda e demais escambaus. E onde estariam os nossos representantes nos Parlamentos que n√£o prop√Ķem uma audi√™ncia p√ļblica envolvendo o Minist√©rio P√ļblico para avaliar essas despesas que aparecem na tarifa (conta de luz).

- Só fumo no povo. Orai por Nobres são Bolsonaro.

Amnésia I

Os deputados Wilson Santos e Roberto Fran√ßa em seus tempos legislaram para os funcion√°rios receberem juros por atraso nos sal√°rios. Foram parar do outro lado do balc√£o como prefeito de Cuiab√°, a√≠ a situa√ß√£o mudou e tiveram embates com o funcionalismo. Agora, Wilson Santos, que passou arranhando nas √ļltimas elei√ß√Ķes, est√° novamente do lado dos servidores p√ļblicos. Roberto Fran√ßa, agora como apresentador televisivo, condena Mauro Mendes na ‚Äúbriga‚ÄĚ contra o funcionalismo.

- Vamos plagiar?: mem√≥ria e esquecimento... ‚Äúcerraram fogo no espa√ßo, o cansa√ßo vence o cio...‚ÄĚ e os pol√≠ticos se d√£o bem.

Amnésia II

A deputada Jana√≠na Riva est√° na maior saia justa nesta legislatura. Bateu no Pedro Taques e subiu o conceito no meio do funcionalismo. √Č da base aliada do governo por pertencer ao MDB e come√ßou com discurso de complac√™ncia, mas vislumbrou a fogueira de ‚ÄúJoana D‚ÄôArc‚ÄĚ e tem evitado passar perto de fogo. Se ela for candidata √† prefeita e se vencer as elei√ß√Ķes em Cuiab√°, ser√° que apoiar o funcionalismo municipal em tudo?

- No ‚Äúbolicho‚ÄĚ pol√≠tico, quando se est√° do outro lado balc√£o... ou d√° ou desce. ‚ÄúWiiirrrrsoooo‚ÄĚ.

Amnésia III

Quem diria, Eder de Moraes volta a Assembleia Legislativa para discutir sobre corrup√ß√£o em congresso. Na mesma mesa, Yuri Bastos, aquele...(?) do MT-Sa√ļde, tamb√©m tinha as suas teses na audi√™ncia p√ļblica, congresso ou sabe-se l√°, o qu√™. Algu√©m os convidou. Essa AL-MT tamb√©m tem suas situa√ß√Ķes horripilantes embora n√£o seja uma Casa dos Horrores, mas tem muito de sinistro ali.

- Nem o Padre Quevedo resistiu... e já partiu. Pra onde vai a alma desses políticos? Alguém pra ir lá ver e voltar pra contar?

Às Avessas

O eleitor, obrigado a pagar os seus impostos, e que tamb√©m √© contribuinte, obrigado os seus impostos, fica sem entender qual √© a real situa√ß√£o financeira de Mato Grosso e o tamanho do poder de certos pol√≠ticos. Por exemplo, a AL-MT sempre uma ‚Äúvaguinha‚ÄĚ para alguns ‚Äúex‚ÄĚ da Casa com problemas na Justi√ßa. Romoaldo J√ļnior est√° sendo salvo pelo sacrif√≠cio do professor Allan Kardec que foi ser secret√°rio. O irm√£o de Romoaldo J√ļnior foi parar na Metamat. Eder de Moraes entrou triunfalmente na sede da AL-MT e rebate duramente o Minist√©rio P√ļblico acerca da sua condena√ß√£o. Ser√° que ele estaria mal financeiramente?

- Enfrenta seu inferno astral com desenvoltura e sem perder a pose. Ser√° que seus amigos o ajudam (por fora)?

Compara√ß√Ķes

Senhor de si e do governo que praticou, Pedro Taques entrou triunfalmente e saiu apedrejado. E olha que n√£o andou com tanta m√° companhia como tem Mauro Mendes. Como MM deixar√° o governo com esse seu estilo, de tentar apequenar o funcionalismo p√ļblico estadual? Os que governaram de forma equivocada e permissiva, hoje, n√£o estariam com o prest√≠gio abalado, do ‚Äėtant√£o‚Äô que est√° Mauro Mendes. Ser√° que a classe trabalhadora vai se acomodar l√° pelo meio do trajeto?

- Aguardemos.

Surreal

Pode entrar para o livro dos recordes (das asneiras, obviamente!) o que vem ocorrendo por a√≠ acerca da m√≠dia e da necessidade (esdr√ļxula) da exig√™ncia de porte de DRT (Registro do MTb) at√© para entrevistados em r√°dio. Os apresentadores de programas evang√©licos t√™m recebido cobran√ßa sobre porte de DRT. A exig√™ncia teria v√≠nculo com o pagamento de anuidade, na casa dos R$ 250,00 ou mais. Nos est√°dios de futebol, se a exig√™ncia ‚Äúcolar‚ÄĚ, cada jogador de futebol, al√©m da carteirinha da CBF, vai ter que portar DRT. O mundo moderniza-se, mas alguns comportamentos seguem arcaicos. Uma consulta (ou den√ļncia, que seja) ao Minist√©rio P√ļblico Estadual jogaria essa exig√™ncia na lata do lixo. Ou seria exagero?

- Papagaios e araras sem DRT serão expulsos do paraíso.

Surreal II

A coisa est√° mais pra conto de fadas que para a realidade. Assalto a m√£o armada com a utiliza√ß√£o de pistola de cola quente √© qualquer coisa cinematogr√°fica e o tiro saindo pela culatra. A abordagem foi em um policial, que meteu bala na galera l√° em Rondon√≥polis. Realmente, a bandidagem est√° desesperada e ningu√©m quer mais pegar no batente. Deu azar no confronto com o ‚Äúp√© preto‚ÄĚ. Entre a fic√ß√£o e a realidade, a pistola de cola quente e a pistola de chumbo grosso.

- Zebra na ‚Äúpescaria‚ÄĚ dos meliantes.

Pobre Estado

O governador Mauro Mendes, apesar de bem intencionado, corre o risco de ver a sua administra√ß√£o descarrilar logo nos primeiros meses. √Č um tal de colocar culpa em tudo e todos, jogando a responsabilidade para o funcionalismo e se utilizando de ila√ß√Ķes para tentar impor o seu modelo de gest√£o aos mato-grossenses. E quem ele chamou para avalizar as suas medidas de comprova√ß√£o de ‚Äúatestado de pobreza‚ÄĚ de MT. Ningu√©m menos que Rodrigo Maia, um carioca com ‚Äúknow how‚ÄĚ em situa√ß√Ķes de desastre econ√īmico (vide o Rio de Janeiro). Ele fala de um lado, o seu vice ‚Äúberra‚ÄĚ de outro e ambos parecem pretender contrariar a m√°xima de que ‚Äúo bom cabrito n√£o berra‚ÄĚ.

- Mauro... menos.

Midas

Seria o momento estrat√©gico para Riquinho I e Riquinho II darem o seu toque de Midas no Estado de Mato Grosso e tornar esse grande produtor de gr√£os um estado promissor, muito al√©m das fantasias produzidas pelo Estado Agro de pobrezas mil. O agroneg√≥cio tem muito de pessoas que s√≥ sabem produzir notas fiscais frias para dar ‚Äúbicicleta‚ÄĚ no fisco e posar de bem sucedido. Querendo ou n√£o, Mato Grosso ainda √© um eldorado, onde muita gente enriqueceu e ainda enriquece e cospe no prato que come.

- Por que o Estado é pobre e seus políticos só enriquecem? Muitos dos aliados de Mauro Mendes estão na política por no mínimo quatro décadas e não dão a dica de como sair da crise apenas com o uso de uma varinha de condão.

Baixando a Borduna

At√© o senador Carlos Bezerra, uma figura apagad√©rrima na pol√≠tica resolveu soltar o verbo contra o agroneg√≥cio. Veja o que falou em discurso na C√Ęmara Federal: ‚ÄúHoje, n√≥s temos a√≠ os tubar√Ķes, bar√Ķes, que √© meia d√ļzia com fortuna acumulada aqui. E o Estado a√≠ falido, quebrado e partindo pra cima principalmente dos pequenos e dos menores‚ÄĚ. √Č assim, os que eram cegos passaram a enxergar e os que viam, fingiam-se de cegos. A pol√≠tica √© o territ√≥rio onde reside a conveni√™ncia.

- Discurso bonito é agro, agro é riqueza, agro é pop... tá na Globo.

Mistério

√Č preciso ser claro, ent√£o vamos l√°. Toda vez que morre uma pessoa, naquele momento de grande sensibilidade e dor, a pessoa (parentes) √© apanhada por uma presta√ß√£o de servi√ßo funer√°rio que caberia ao Procon investigar melhor. A press√£o vem com uma tal necessidade de se evitar poss√≠vel ‚Äúmau cheiro‚ÄĚ e o servi√ßo de embalsamamento cobrado √© de algo em torno de R$ 1.500,00. Se algu√©m recusa, vem √° press√£o: ‚Äúent√£o voc√™ se responsabiliza por isso?‚ÄĚ. √Č uma press√£o psicol√≥gica que leva o parente a disponibilizar de um valor que n√£o tem. Ser√° necess√°rio isso para um vel√≥rio de 12 ou 18 horas?

- Alguém para esclarecer tecnicamente isso? Está esquisito, não?

Chegando Junto

No futsal entre o pessoal da Prefeitura de Nobres, no jogo de segunda-feira (07/01), um controvertido rep√≥rter, n√£o muito habilidoso com a danada da bola, ganhou de presente uma ‚Äúchegada‚ÄĚ daquelas de rachar. O advers√°rio foi no Bator√© como se aquele fosse o √ļltimo ‚Äúalmo√ßo‚ÄĚ e botou no meio. Nessa hora, Bator√© foi habilidoso (at√© demais!) e pediu pra sair. V√īte! Da cintura pra cima √© canela.

- Não é macumba, mas vai saber se é coisa mandada. Curuzes!

Sess√£o de Reclames

O governador Mauro Mendes anda num clamor de fazer d√≥ sobre a quest√£o da economia do Estado. Casou com a vi√ļva, mas n√£o pensa nos filhos dela? Quando se prop√īs a uma alian√ßa com a velha guarda da pol√≠tica mato-grossense, decerto que sabia que os empr√©stimos internacionais em d√≥lar e o ‚Äúrombo‚ÄĚ nas contas p√ļblicas n√£o nasceram em 2014. √Č √≥bvio, Pedro Taques √© o cara com o maior n√ļmero de inimigos em todo o estado e ningu√©m deixaria barato esse seu modo de fazer justi√ßa contra a pr√≥pria classe pol√≠tica, onde o corporativismo √© predominante.

- Ter√° que assumir o esp√≥lio completo da vi√ļva com quem casou.

Sess√£o de Reclames II

O corporativismo √© t√£o claro, que a AL-MT e o pr√≥prio Governo do Estado j√° levou para debaixo do seu sovaco o deputado e professor Alan Kardec (ex-PT) e dado ao moralismo. Kardec abre vaga para ningu√©m menos que o deputado reserva e problem√°tico Romoaldo J√ļnior. Como se v√™, o corporativismo funciona para salvar vidas amigas e o contribuinte que pague e cale-se. Outros deputados ser√£o acomodados na Casa Legislativa.

Ent√£o t√°.

Febre de Consumismo

As lojas fazem propaganda e o povo fica louco para comprar. Quem trabalha... muitos não receberam. E os que não trabalham, intensificam as atividades de roubos e furtos, assaltos a bancos e cositas más. Será que Papai Noel recomenda isso? A galera está louca por dinheiro e os roubos e furtos só crescem. A mídia está atarefada na divulgação de um cenário desigual, onde quem trabalha não recebe e quem não trabalha quer ter, a qualquer custo.

- Se é esse o tal mundo cão, chamem a carrocinha.

Fogo Amigo

O servi√ßo p√ļblico est√° bem de informante. O fato nem aconteceu, assim, totalmente, e a informa√ß√£o j√° foi parar no notici√°rio. Realmente, a tarefa de dormir com o inimigo √© ingrata. Essa rede de informa√ß√£o tende a ser mais atuante na medida em que a elei√ß√£o se aproximar. Resta saber, quem √© o ‚ÄúX-9‚ÄĚ. Mas √© isso, a ‚Äúrede tamandu√°‚ÄĚ sempre funcionou, entre um abra√ßo aqui e outro acol√°. √Č uma gente bastante realista e verdadeira...

- ... taí as cédulas de R$ 3,00 que não nos deixam mentir.

 Auto-Fama

Um vereador, l√° em Rosariowood City, de posse de um celular, falava em alto e bom som: ‚Äún√≥s mand√ī a patror pra a√≠. Sabe, n√©, fazer o bem sem ver a quem...‚ÄĚ. E seguia o di√°logo: ‚ÄúN√£o, n√≥s ganh√ī, com 253 votos contra 70. Fraquinho o advers√°rio...‚ÄĚ. E quem n√£o tinha a ver com di√°logo, ouviu o discurso via telefone. O que ningu√©m ainda n√£o viu, √© vereador faltar no dia de pagamento. Essa proeza ningu√©m ainda n√£o viu acontecer. Aquela quantia passa a fazer parte do or√ßamento, at√© mesmo para aqueles que tem outras profiss√Ķes. E para os que vivem s√≥(lamente) dessa prebenda, √© quase uma maravilha.

- Mas, e se ela vir a faltar? Os anos n√£o passam, eles voam.

Generosidade

O prefeito Jo√£o Balbino decretou a cria√ß√£o de recesso em rela√ß√£o aos trabalhos do Executivo, de 20 de dezembro de 2018 √† 20 de janeiro de 2019, resguardando-se os servi√ßos essenciais e o expediente interno para atividades administrativas. Resta saber se o pessoal estar√° com dinheiro no bolso, 13¬ļ e sal√°rio de dezembro. Uma atitude bastante generosa e que ajuda a conter gastos com luz, √°gua, cafezinho e outros materiais de expediente.

- Nesse quesito, o Jo√£o anda bem acordado.

Cipoada

O vereador Marco Donato encontrou um amigo em comum e incomum, l√° dos lados da VG. Foi alvo de nota num tal Zero Hora, que n√£o √© o ga√ļcho, com ataques, mais de cunho pessoal que propriamente informativo. No Legislativo h√° uma guerrinha interna e √© a que fomenta esse tipo de notici√°rio que dep√Ķe contra o Parlamento e n√£o na individualidade de cada vereador. A tentativa de pavimenta√ß√£o do caminho que leva ao Executivo tem esses atalhos, escorregadios e √≠ngremes, que representam riscos de acidente de percurso e no percurso. Isso, para o munic√≠pio, √© qualquer picha√ß√£o midi√°tica; para o Parlamento, uma n√≥doa dif√≠cil de ser removida.

- Mas... guerra √© guerra. Como diria o falecido ex-presidente do Cor√≠nthians: ‚Äúj√° que entrou na chuva, √© pra se queimar‚ÄĚ.

Cidade Limpa

As lixeiras que serão implantadas na cidade, com um trabalho preventivo de combate à sujeira por parte de algumas empresas comerciais é atitude louvável. Falta o Executivo combinar com a comunidade de um modo geral, evitando a sujeira que se espalha pelas ruas, guias de sarjeta e empesteiam o Baixo Pantanal com garrafas pet, sacos plásticos e embalagens de difícil decomposição na natureza. Até o lendário frigorífico tem parcela de colaboração com lixeiras levando a sua logomarca. Mas, quando vai funcionar, mesmo?

- Não se trata da preservação ambiental, mas o frigorífico?

Sa√ļde Zero

A pris√£o do ex-secret√°rio municipal de Sa√ļde de Cuiab√°, Huark Doglas Correia, repercute na m√≠dia. A den√ļncia partiu da C√Ęmara de Vereadores e vinha sendo protelada at√© que a bomba estourou, fazendo criar a Opera√ß√£o Sangria atrav√©s da Pol√≠cia Judici√°ria Civil, deflagrada na manh√£ de 18/12. Com Huark h√° mais nomes listados e presos. Outra situa√ß√£o que vem sendo analisada √© a do Programa Poeira Zero, da gest√£o Chico Galindo. A mar√© n√£o est√° pra peixe e n√£o h√° um √ļnico dia que n√£o se v√™ nos notici√°rios algum fato ligado a desvio de dinheiro p√ļblico.

- Haja dinheiro... e cadeia para tantos figur√Ķes.

Acorizal em Baixa

O município de Acorizal, de um tempo a este, anda frequentando a mídia por conta de uma gestão administrativa que conseguiu furar o bloqueio de velhos caciques da política local, de Meraldo a Chindo. Ou seria o prefeito Clodoaldo essa ruindade administrativa toda? O TCE-MT já recomendou intervenção no município, mas logo agora, que o pano está caindo para a gestão Pedro Taques, também ruim pra dedéu. O abacaxi deve ser descascado por Mauro Mendes e até lá o prefeito Clodoaldo terá dias pra pensar e repensar sobre a situação do município. Não convidem para a mesma festa o prefeito e alguns vereadores, sob risco de atritos.

- Nisso, o povo que não ganha uma, segue levando mais uma goleada da classe política. O povo é o jacaré dos filmes de Tarzan... não ganha uma, sequer.

Décimo Segundo Guardião

Em Nobres, depois dos 11 vereadores, a sequ√™ncia √© cont√≠nua e temos o 12¬ļ Guardi√£o, o que v√™ erro em tudo na cidade e na gest√£o da city. Em tempos da m√≠stica novela o S√©timo Guardi√£o, na nossa Serro Azul real tem seus guardi√Ķes √†s avessas e, quem sabe, se a Lagoa Azul n√£o seja a fonte da juventude eterna. Guardi√Ķes √†s avessas, entende-se por aqueles cr√≠ticos que quando foram, eram cegos... quando deixaram de ser, passaram a enxergar, com tamanha nitidez, que uma √Āguia perderia longe para essa vis√£o privilegiada.

- Essas realidades místicas é que nos encantam, tanto quanto o poder persuade a alguns.

Guardi√Ķes

N√£o h√° m√°gica para a gest√£o de uma cidade e quem j√° foi vereador e de fora v√™ com mais clareza, sabe que o que mais incomoda √© ficar longe das benesses que o cargo oferece. O resto √© mera ilus√£o. Os que est√£o no exerc√≠cio do mandato, que se portem bem para evitar de ficar que nem alma penada, vagando pela cidade com coment√°rios que visem desestabilizar os que est√£o no Parlamento. O povo, nunca √© demais repetir... √© s√°bio e v√™ a cada um, mesmo aqueles que no escurinho do cinema tem as suas tretas. Quem est√° fora quer voltar, mas n√£o ser√° malhando os atuais como ‚Äėjudas‚Äô que se ter√° o retorno garantido. At√© porque, o voto do eleitor n√£o √© ‚Äúpau-de-sebo‚ÄĚ.

- Assim sendo, cada qual com seu cada um.

Guardi√Ķes II

Ainda bem que na vida real não temos dessas coisas (ainda que não chegue ao nosso conhecimento e nem é bom saber), mas o delegado de Serro Azul realmente é a atração do folhetim televisivo com seu fetiche. Ele costuma dormir de peça íntima feminina e por vezes saí em diligência com a indumentária por baixo. Mas a grande atração da novela é mesmo a fonte da eterna juventude, que aguça a imaginação de milhares de pessoas, afinal, uma simples lavada no rosto com aquela água e lá se vão todas as rugas. Um banho naquela fonte... seria qualquer coisa sonhada e imaginada para o fim das celulites e das estrias.

- Entre o imaginário e o real, temos a Lagoa Azul, quase uma fábula também e de proibida visitação.

Guardi√Ķes III

Na Nossa Serro Azul da vida real temos beatas... e fofoqueiros, ent√£o... nem se fala. Temos at√© o campeon√≠ssimo de cuidar da vida alheia, eleito e reeleito. Menos mal que n√£o temos sino por aqui a badalar. Tamb√©m n√£o temos na vida real aquela mo√ßa como na novela, que anda com a periquita pegando fogo. E Serro Azul tem uma vantagem em rela√ß√£o a vida real, l√° ningu√©m malha vereador... n√£o h√° Parlamento. Pudera! √Č uma cidade que nem n√£o tem pet shop. Tem um dan√ßarino... na chuva, na noite e no sol, aqui tem tamb√©m. Tem pai machista, demais da conta; tem um filmador de todas as horas; tem um construtor que adora falar em ingl√™s, vindo de Greenville. Menos mal que n√£o tenhamos um mendigo que vigia quem chega √† cidade. Incr√≠vel, mas l√° em Serro Azul tem a sua ma√ßonaria, a irmandade dos guardi√Ķes.

- N√£o vimos em Serro Azul nenhum jornalista; em Nobres tem de todos os naipes e estilos. E sobre estes seres, alguns, de t√£o s√°bios que s√£o, esquecem do que disse Plat√£o: ‚ÄúA parte que ignoramos √© muito maior que tudo quanto sabemos‚ÄĚ.¬†¬†

Guardi√Ķes IV

Nobres, tal e qual Serro Azul, tamb√©m tem o seu ‚Äúorelh√≥dromo‚ÄĚ, que √© l√° no alto da Vila Bom Jardim, onde o celular funciona. E nas cercanias, a Lagoa Azul, alvo de uma dezena de estudos e de muito dinheiro consumido para continuar √† espera da libera√ß√£o de um Incra que tem sido a capitania heredit√°ria de um √ļnico pol√≠tico, o eterno Carlos Bezerra. E l√° se foram muitas gest√Ķes de muitos prefeitos e a Lagoa Azul continua sem libera√ß√£o. A nossa galinha dos ovos de ouro continua sem botar. Ali√°s, nossa n√£o, mas dos operadores do turismo, dos que reconhecem o ‚Äúvoucher‚ÄĚ e dos que negam o voucher e preferem a pirataria.

- A Lagoa Azul também é uma novela.

Last Updated ( Saturday, 17 August 2019 14:45 )

 

TRINCHEIRA LIV

Bastidores/Eleição

O clima em torno da elei√ß√£o da Mesa Diretora do Legislativo de Nobres parecia o de um paciente com altern√Ęncia de temperatura... ora baixava, ora subia e foi assim at√© encontrar com um senhor, de nome s√≥brio, por√©m, dif√≠cil

Last Updated ( Saturday, 01 December 2018 14:16 )

TRINCHEIRA LIII

A Esperar

Como diria Erasmo Carlos... nós, aqui... sentados à beira do caminho a esperar pela conclusão das obras de infraestrutura turística na cidade de Nobres. A esperar morreu um burro, dizia uma velha frase popular. Jó, o personagem bíblico


Last Updated ( Saturday, 21 April 2018 13:55 )

TRINCHEIRA LII

Plant√£o

A administração municipal de Nobres está com o setor de tributos e arrecadação com funcionários se revezando em busca de melhorar o caixa através do Refis, que é quando as dívidas com impostos municipais podem ser renegociadas com ge


Last Updated ( Wednesday, 20 December 2017 17:51 )

TRINCHEIRA LI

Enquadrando

Durante a sess√£o ordin√°ria da C√Ęmara de Vereadores, o chefe de Gabinete, Marcos Cheba, foi alvo de muitas reclama√ß√Ķes, principalmente, quando a vereadora Zilmai ‚Äúenquadrou‚ÄĚ a secret√°ria municipal de Sa√ļde e Cheba teve que ouvir.

Last Updated ( Tuesday, 04 July 2017 22:03 )

  • «
  •  Start 
  •  Prev 
  •  1 
  •  2 
  •  3 
  •  4 
  •  5 
  •  6 
  •  7 
  •  8 
  •  9 
  •  10 
  •  Next 
  •  End 
  • »
Page 1 of 11

Trincheira LV

√Ä Flor da Pele Um exorcista, por favor. A C√Ęmara Municipal de Nobres precisa chamar um padre e benzer o ambiente ou do contr√°rio, ‚Äúafastar‚ÄĚ os maus esp√≠ritos que rondam ali. Em dois anos e meio j√° se contabiliza ao menos um barraco por sess√£o. E por mais que se diga, a Casa de Leis tem a im

Turbulências no trajeto

Daqui pra frente, a campanha pol√≠tica come√ßa a se mostrar mais evidente, com as siglas pol√≠tico-partid√°rias buscando alinhamentos, promovendo reuni√Ķes de bastidores e se ajeitando para o ano que vem ‚Äď 2.020. Algumas observa√ß√Ķes j√° come√ßam a ser feitas e a administra√ß√£o municipal sob Leoc