You must be live and work in the UK Payday loans Have a history of poor borrowing

Tribuna de Nobres

12/11/2019
Tamanho do texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Colunas Opinião

Opinião

Anos de constrangimento e dor

Dois municípios próximos, separados por um Córrego Seco, com as respectivas cidades distantes apenas 18 kms e com interesses sociais e econômicos em comum. Juntos, os municípios de Rosário Oeste e Nobres somam uma população próxima dos 35 mil habitantes e ambas sofrem de mesmo mal, o êxodo populacional e as consequências da população flutuante nesse vai-e-vem em busca de trabalho e de oportunidades.

Por anos essas populações convivem com um velho problema que insiste em perdurar pelo mais absoluto descaso das autoridades políticas estaduais, principalmente por parte dos políticos aventureiros, quase sempre apresentados por vereadores, principais cabos eleitorais de alguns arrivistas que se encaminham para os territórios dos respectivos municípios "à cata dos votos" dos eleitores sem nenhum compromisso futuro.

O problema em questão, atirado à gaveta do esquecimento, é a presença de um médico legista em uma dessas cidades, em local adequado, para a realização das autópsias e a respectiva liberação dos corpos às famílias para serem velados num último adeus aos entes queridos das famílias que enfrentam a dor da perda.

Dor e constrangimento se somam à espera pela liberação do corpo enviado para Diamantino, a cerca de 60 kms de Nobres e há mais ou menos 80 de Rosário Oeste. O exame cadavérico é realizado ali e chega a durar 12 horas ou até mais para que seja liberado à família, criando uma situação desagradável pela dor da espera, que é mais demorada e prejudicial em alguns aspectos, sendo o curto espaço para velar o morto um dos maiores entraves.

A falta de vontade política dos representantes políticos e do próprio Governo do Estado é que vem estabelecendo esse cenário lamentável, onde as famílias costumam estender o tempo de permanência do corpo, exposto ao velório, após passar cerca de 12 horas ou mais no translado até Diamantino para exames necroscópicos e o retorno. Não é possível que alguém que morra em um noite, após as 20:00 horas, e o corpo seja levado para translado somente na manhã do outro dia, de lá retornando no fim da tarde do dia seguinte para ser velado por mais oito ou dez horas, ainda que, com a aplicação dos medicamentos que permitam a permanência do corpo por um devido tempo.

Não se sabe qual o limite mínimo populacional para que seja reivindicado um posto de atendimento que seja sede para exames necroscópicos em um desses dois municípios, possibilitando a contratação de um médico legista para atender a demanda dessas duas cidades.

A verdade é que já está na hora de as populações desses municípios obterem essa vindicação, das mais justas, para evitar que leve mais anos e anos de dores e de constrangimentos por conta da falta de vontade política num País aonde viadutos desmoronam e políticos fazem campanha voando de jatinhos de empreiteiros. Isso, quando não são os próprios empreiteiros os políticos em busca da preservação do mandato ou de um primeiro ano no poder.

Por que será que a política é tão atrativa assim? Dizem que é para mudar a vida das pessoas, cuidar da saúde, da educação, da segurança pública, das estradas e promessas mais. É justamente nesses setores que o povo mais sofre.

Para ser atendido no setor público é preciso acordar de madrugada para apanhar senha e tudo sairá bem na hora do atendimento quando o médico não chegar mal humorado, estressado e chutando o balde. Uma vez morto, mais espera ainda para ser atendido no setor de necropsia.

O jeito vai ser a utilização de algum tipo de bálsamo caseiro que permita a permanência do corpo presente para ser velado, evitando assim a dor e o constrangimento causado pelo desinteresse daqueles que se dizem nossos representantes nas mais diversas esferas políticas.

É saber escolher aqueles que nos representam, a começar por evitar vender o voto para os cabos eleitorais profissionais, aqueles que gostam de falar "meu povo", como uma forma de ludibriar o eleitor e mercantilizar a vontade individual do cidadão através da lábia.

 

A população perdeu!

Segundo a pesquisa do instituto Datafolha mais da metade dos brasileiros não estão empolgados com a Copa do Mundo, o que é perfeitamente compreensível, pois o evento copa transformou o sonho de termos um legado que nos orgulhe em pesadelo, já qu

Dias de ontem e dias de hoje

"Considerado o maior erro judiciário do Brasil. Aconteceu na cidade mineira de Araguari, em 1937. Os irmãos Naves (Sebastião, de 32 anos de idade, e Joaquim, contando 25), eram simplórios trabalhadores que compravam e vendiam cereais e outros ben

















Histórias Que Vão se Apagando

Por Dito Souza


Por vezes, quando se registra uma folga dos dias de trabalho, é possível rebuscar passagens que o tempo deixa gravado na nossa memória. Em dois dias na velha Cuiabá, registramos alguns fatos inesquecíveis pela nossa rápida passage












Last Updated ( Thursday, 11 January 2018 21:06 )

O social e o escolar da vida de seu filho

A criança entra na idade pré-escolar, entre três e seis anos, seu universo torna-se maior, com infinitas e profundas transformações. Surge a possibilidade de contato com crianças da mesma faixa etária, porém com diferenças de raça, credo, v








Page 2 of 25

Trincheira LVI

Sem Rumo Tem gente dando pulos por conta do mais absoluto repensamento de objetivos. Não sabe se vai ou se fica, mas a verdade é que a Lei Eleitoral mexe com muita coisa na política paroquial e alguns partidos serão meramente figurantes nas próximas eleições municipais. Se não houver uma reav

Rumos e Definições

A política municipal em Nobres parece que converge para um rumo que difere completamente do sistema político nacional. Longe da crise de confiança estabelecida no cenário nacional a partir da corrupção que ainda é marca nacional e a política exercida sorrateiramente por antigas cobras de um
Banner
Banner
Banner
Banner