Vereadores voltam a legislar nesta sexta-feira (14/02)

Wednesday, 12 February 2020 22:06 administrator
Print

CAMARA-1Sob o prisma poético, dir-se-ia que este seja o começo do fim de uma legislatura que teve início em 1.º de janeiro de 2017.

Neste dia 14 de fevereiro de 2.020, pela letra fria da realidade, começa um ano em que tudo acontecerá rapidamente e a dureza da reeleição talvez seja o ‘fantasma’ que assombrará o imaginário de cada parlamentar.

É quando cada um, caso tenha a necessária autocrítica, fará os seus questionamentos interiores: “será que fui bem, será que agi certo, será que não olhei apenas para dentro de mim; será que fui útil à minha comunidade; será que não falei demais e realizei de menos?”.

Enfim, será curto o tempo para autoanálise e se não tiver cacife financeiro, a densidade eleitoral será um fator negativo diante da necessidade de votos exigidos através do coeficiente eleitoral.

Uma percepção popular que é conhecida nos meios parlamentares municipais é a que define que, onde o prefeito tem uma boa performance administrativa, a imagem do vereador não é prejudicada e costuma se dizer: “cidade desenvolvida... aqui tem vereador”.

Muita gente tem apresentado uma avaliação positiva da gestão municipal a partir da infraestrutura que a cidade está recebendo e vai receber. Entretanto, terão os coadjuvantes da administração municipal a mesma popularidade?

Essa medição começa a ser feita agora, a partir da primeira sessão legislativa de 2.020 e qualquer que seja a mudança comportamental, decerto que não influirá na opinião do eleitor, lembrando que a ordem dos fatores será determinante para a alteração da percepção do eleitorado.

Quando tudo poderia ser resolvido nos bastidores, as questões extra trabalho acabaram sendo levadas para Plenário, sendo esse um fator negativo para que a opinião pública avalie comportamentos nas próximas eleições.

É interessante lembrar que opinião pública é algo equidistante de “opinião publicada” e o resumo é um só... muitos não ganharão o direito a um segundo mandato.

Recomeça agora o que teve início, teve meio e está no fim, sem inventivas, sem ponderações e ao sabor da vontade popular lá na frente.